TPM aos 40 anos

Por Roseli Rossi

Tensão Pré Menstrual (TPM) é uma síndrome composta por manifestações físicas, emocionais e comportamentais que acomete mulheres em fase reprodutiva na ausência de doença orgânica ou mental que possa simular os sintomas. Essas manifestações clínicas ocorrem regularmente durante a fase lútea do ciclo menstrual (após ovulação) e desaparecem ou reduzem significativamente ao término do sangramento menstrual. A sintomatologia e seu grau de intensidade podem variar de mulher para mulher. Os sintomas da TPM se distinguem das alterações fisiológicas do ciclo menstrual, pois causam alterações nas atividades diárias da mulher e, geralmente, antecedem a menstruação. Os sintomas, descritos abaixo são os mais comuns, ocorrem na ausência de tratamento farmacológico e melhoram ou desaparecem aproximadamente após quatro dias do início da menstruação:

  • Sintomas emocionais e comportamentais: depressão, agressividade, irritabilidade, ansiedade, confusão mental, isolamento social, choro excessivo, medos irracionais, perda ou aumento do desejo sexual e compulsão por carboidratos.
  • Sintomas físicos: mastalgia, distensão abdominal, cefaleia e edema de extremidades, aumento de gases, cansaço, constipação ou diarreia e dores nas costas.

TIPOS DE TPM

A TPM está classificada em quatro tipos: A, C, H e D, de acordo com a predominância dos sintomas. Esta classificação não é uma regra. Uma mesma mulher pode apresentar os sintomas de um ou mais tipos de TPM.

TPM TIPO A: as mulheres ficam ansiosas, oscilação de humor, irritadas, tensas e até mesmo agressivas. Este é o tipo mais freqüente.

A irritabilidade, pode ser atribuída ao fato de que mulheres com SPM têm níveis menores de endorfinas do que mulheres controles normais14. Porém, a teoria mais aceita afirma que esse quadro é desencadeado por preponderância de ação estrogênica, por hiperestrogenemia ou hipoprogesteronemia. A ansiedade e a insônia estão relacionadas aos altos níveis de estrôgenio.

TPM TIPO C: caracteriza-se pelo aumento do apetite, compulsão alimentar (predominando a compulsão pela ingestão de doces, como chocolates), fadiga, dor de cabeça e palpitações. O desejo por doces pode ocorrer por conta da diminuição das endorfinas.

A cefaléia poderia resultar da alteração da atividade contrátil da musculatura lisa dos vasos, para a qual concorrem a serotonina, as prostaglandinas e os estrogênios, agravando-se pela falha no sistema endógeno de analgesia, por depleção das monoaminas e dos opióides.

TPM TIPO H: há aumento súbito de dois a três quilos no peso corporal, aumento das mamas (mastalgia), dor e distensão abdominal. A mastalgia está ligada aos níveis alterados de prolactina, causados pela SPM. A congestão e o aumento de peso, causado pela retenção hidríca é ocasionada pela secreção de aldosterona, progesterona e estrogênio. Em relação às alterações de comportamento avaliadas nas participantes do presente estudo, as mais prevalentes foram a irritabilidade e o desejo por alimentos, como o chocolate.

TPM TIPO D: é o menos freqüente e os sintomas predominantes são choro fácil, sonolência ou insônia, confusão mental e depressão. As alterações do comportamento como o choro fácil, estão relacionados aos esteróides ovarianos, as endorfinas e à noradrenalina. A depressão é um dos sintomas mais freqüentes na SPM. A deficiência de vitamina B6, que normalmente funciona como co-fator para a síntese de dopamina e de serotonina a partir dotriptofano.

A alimentação pode lhe ajudar e MUITO no controle dos sintomas, abaixo dicas dos nutrientes e fontes alimentares que você pode utilizar:

  • Triptofano: Aminoácido precursor da serotonina. Cacau, banana, grão de bico.
  • Vitamina B6: Esta vitamina atua como co-fator na produção de serotonina, além de atuar sobre os sintomas principalmente relacionados ao humor, diminui a retenção hídrica, por ser levemente diurética. Gérmen de trigo, cereais integrais, legumes, batatas, bananas e aveia.
  • Vitamina B2: Interfere na ativação da vitamina B6. Levedo de cerveja, leguminosas, arroz integral, ovos, óleo de peixe.
  • Vitamina B3 Melhora os sintomas relacionados à fadiga, depressão e ansiedade. Carnes, ovos, atum, abacate, leite, figo e arroz integral.
  • Vitamina E: Diminui o incomodo dos seios inchados. Óleos vegetais, manteiga, ovos, amêndoas, gérmen de trigo, grãos e cascas, ovos, espinafre, abacate.
  • Magnésio: Melhora a retenção hídrica, diminui irritabilidade, cólicas e fadiga. Vegetais verdes escuros, cereais integrais, grão de bico, semente de abóbora.
  • Cromo: Estabiliza os níveis de açúcar no sangue, impede liberação exagerada da insulina o que acarreta maior ganho de peso. Maçã, espinafre, gérmen de trigo, melhor fonte (AIPO).
  • Ácidos graxos essenciais: óleo de linhaça, GLA – ácido graxo gama linolênico (óleo de borragem e prímula) – importantíssimo nos sintomas de TPM, faz o equilíbrio dos hormônios femininos.
  • Linhaça: Para obter os benefícios das lignanas da linhaça é necessário hidratá-la. Ex. Deixar uma colher de sopa cheia em um copo de água à noite e utilizar essa água para bater um suco na manhã do dia seguinte.
  • Mix de sementes: Contém alta sinergia entre os minerais. Gergelim, semente de abóbora e semente de girassol.
  • Dica para melhorar os inchaços: Cavalinha, hibisco, centella asiática, dente-de-leão, abacateiro. Pode misturar tudo. Utilizar 2 colheres de sopa para 1 litro ao dia. Deixar em infusão por 10 minutos, coar e tomar durante o dia.

Cuidado com Amora, Angélica e Yam Mexicano que são fitohormônios, não utilizar por mais de 3 meses (pode interferir na eficácia do anticoncepcional).

As mudanças no seu estilo de vida, no que se refere a uma alimentação mais saudável e adequada, a prática de exercícios físicos, o controle emocional e até a inclusão de suplementações prescritas individualmente se necessário, irão trazer mais qualidade de vida para as mulheres que sofrem mensalmente com a TPM.

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

 

Emagrecer após os 40 anos

Por Roseli Rossi 

Até os quarenta anos, a assistente financeira Maria Inês Castro se orgulhava de manter o mesmo peso que tinha ao se casar, aos 23 anos: 52 kg. Nos anos seguintes, porém, o ponteiro da balança teimava em subir. E, aos 45, quando Maria Inês entrou no climatério, ele disparou de vez. Para piorar, os novos quilos se concentraram na barriga.”Emagrecer era superdifícil”, diz ela, hoje com 54 anos.

Com algumas variações, essa história se repete diariamente em consultas a nutricionistas e em clínicas endocrinológicas. As pacientes contam que mantêm a mesma alimentação, os mesmos exercícios e, ainda assim, engordam. Por quê?

A resposta passa por alterações hormonais, queda do metabolismo, diminuição do sono e estresse, entre outros fatores.

Some-se a isso a adoção de hábitos nada saudáveis. “Na juventude, as pessoas usam transporte público, têm mais tempo livre e fazem mais exercícios. Depois, muitas adotam um estilo de vida que dificulta a perda de peso”, ressalta Márcio Mancini, médico do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo) e presidente eleito da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica).

A boa notícia: dá para se preparar para a nova fase, assim como reverter as mudanças na silhueta. Não se trata só de estética, mas de saúde.

Mulheres que ganharam dez quilos ou mais após a menopausa tinham 18% mais chance de desenvolver câncer de mama, segundo estudo divulgado ano passado no “JAMA” (publicação da Sociedade Americana de Medicina).

Já quem perdeu dez quilos ou mais após a menopausa e nunca fez reposição hormonal tinha 57% menos chance de ter esse tipo de tumor do que quem manteve o peso.

Metabolismo e hormônios

Tanto homens quanto mulheres vivenciam a queda da taxa metabólica ao envelhecer. Isso significa que o corpo gasta menos energia para se manter funcionando aos 40 anos do que aos 20, por exemplo. “Até os 30, tudo era fácil.

Eu podia comer besteira que queimava rapidinho–depois o metabolismo fica devagar. Sempre me exercitei, mas, para ter resultado agora, tem de ser mais intenso”, conta a dona-de-casa Denise Olivetto, 43.

Uma desvantagem para as mulheres é que elas têm, naturalmente, menos massa magra (músculos, ossos e vísceras, que queimam muita energia) e mais tecido adiposo.

A sorte delas é que o estrogênio estimula o acúmulo de gordura nos quadris, dando-lhes o formato de ampulheta. Já a testosterona (hormônio masculino) leva os homens a depositarem gordura na região abdominal a famosa “barriga de chope”, perigosa para a saúde.

Mas, por volta dos 45 anos, elas perdem essa vantagem: com a diminuição dos níveis de estrogênio, a proporção da testosterona no organismo feminino sobe. O resultado é o surgimento da gordura abdominal.

Extremamente prejudicial, ela eleva o risco de doenças cardiovasculares, de hipertensão e de diabetes, explica o endocrinologista Sérgio Braga, diretor médico do spa Salute Bahia.

O tecido adiposo participa ativamente da regulação hormonal e, quando localizado no abdômen, age de forma diferente, afirma Mancini.

Entre as substâncias fabricadas pela gordura abdominal, estão duas com ação inflamatória: a IL-6 e o TNF-alfa. Em alta concentração, elas levam a uma inflamação crônica dos vasos sangüíneos –o que pode levar à arteriosclerose–e aumentam a resistência à insulina -a porta de entrada para o diabetes. Outras proteínas ligadas à gordura visceral

são a PAI-1, que leva à formação de coágulos no sangue, e a angiotensina-II, que causa hipertensão.

A gordura abdominal também produz uma substância benéfica: a adiponectina, que é antiinflamatória e aumenta a sensibilidade à insulina. Mas, quando há excesso de gordura corporal, a produção de adiponectina cai, deixando o organismo mais suscetível a complicações, diz o endocrinologista Bruno Geloneze, da Abeso.

A pedagoga Eleni Gorgueira, 47, conhece de perto esses riscos. Sua família tem tendência a engordar, afirma.

Atualmente, sua mãe tem diabetes e suas duas irmãs, hipertensão. Ela mesma, ao ganhar alguns quilos, fica com a pressão mais alta. “Ainda não entrei no climatério, mas já percebi que o metabolismo desacelerou”, diz.

Felizmente, a gordura visceral é mais fácil de “queimar”: quem perder 10% de gordura corporal provavelmente perderá 30% da gordura presente no tórax, compara Geloneze.

“É mais simples perder a gordura da barriga do que a das coxas”, afirma Mancini. Esse, diz, é um dos motivos pelos quais os homens emagrecem mais rapidamente do que as mulheres.

 

Desânimo

Mas, para queimar a gordura, é preciso comer menos e se exercitar mais –algo nem sempre fácil para mulheres em meio a um turbilhão emocional. “Dos 41 aos 55 anos, as mulheres passam por uma transição hormonal, e algumas podem ser mais vulneráveis a essa fase”, afirma o psiquiatra Joel Rennó Jr., coordenador do Pró-Mulher (Projeto de Atenção à Saúde Mental da Mulher, do Hospital das Clínicas da USP).

Isso inclui sintomas ansiosos e depressivos, que podem interferir no peso. Foi o que aconteceu com a secretária Regina Laplaca, 58, quando ela entrou na menopausa, há cinco anos. “Devido à variação hormonal, fiquei tão deprimida que parei as minhas caminhadas”, conta.

Além disso, nessa fase muitas mulheres enfrentam mudanças na relação com os filhos, que chegam à adolescência, e vivem uma fase profissional estressante, ressalta o psiquiatra. Esse estresse também influi no peso: ele libera o cortisol, que afeta o metabolismo e leva à resistência à insulina.

Outro fator importante é o sono. É comum ter insônia nos primeiros cinco anos de menopausa e, no climatério, os “calores” impedem muita gente de dormir, afirma o ginecologista Ivaldo Silva, um dos coordenadores da Casa do Climatério, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Após uma noite em claro, é difícil querer se exercitar, mas essa não é a única conseqüência. “Quem dorme menos engorda mais”, diz a neurologista Dalva Poyares, do Instituto do Sono, da Unifesp. Uma das hipóteses para isso, diz, é que durante o sono o corpo libera o hormônio do crescimento, que tem efeito anabolizante (aumenta a massa muscular, melhorando o metabolismo).

Além disso, diz Geloneze, da Abeso, a falta de sono também libera cortisol e interfere em hormônios como a grelina (hormônio da fome) e a leptina (hormônio da saciedade).

As mudanças dessa faixa etária também podem ser acompanhadas por uma doença: o hipotireoidismo. O problema costuma afetar mulheres e surgir após os 40 anos. No Brasil, suspeita-se que parte dos casos esteja ligada ao excesso de iodo no sal entre 1998 e 2003.

O hipotireoidismo é associado à piora da hipertensão, ao aumento da glicemia e à fraqueza muscular. Ele também diminui o metabolismo. O problema é irreversível, mas pode ser tratado com reposição hormonal específica.

Na ausência de doença, a melhor estratégia para manter o peso é adotar hábitos saudáveis o quanto antes. “Quem tem tendência a doenças crônicas deve se cuidar o mais cedo possível. Antes da menopausa, os resultados são mais rápidos”, diz a nutricionista Lucyanna Kalluf, membro científico do CBNF (Centro Brasileiro de Nutrição Funcional).

A receita não é complicada, diz Mancini. “Quem se alimentar de forma saudável, não ceder ao marketing de alimentos industrializados e reservar tempo para a atividade física dificilmente terá problemas.”

Foi o que fez a farmacêutica Maria Inês. Após engordar, ela deu início a uma dieta e perdeu quatro quilos em um mês. “Emagreci justamente na região abdominal. Agora, penso em começar a pular corda, que é barato e eficiente.”

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Caminhada SUPPLEX® com as Mulheres de Quarenta

 

Desta vez vamos fazer um evento esportivo com todas as nossas seguidoras aqui de São Paulo.

A marca SUPPLEX® (@supplex.brasil) faz um convite especial para que todas as Mulheres de Quarenta participem de uma caminhada no PARQUE DO IBIRAPUERA, com a participação e orientação de todos os profissionais da A2 Trainers, entre eles o Luis Felipe Silva, a nossa querida Rosangela Cristina Dos Santos e o Luis Fernando Freitas, profissionais certificados e super especializados para nos acompanhar.

Eles já estão fazendo uma super programação para que possamos nos exercitar e criar hábitos que nos ajudem a ter uma vida mais saudável! Os homens são super bem-vindos e as crianças também.

Nosso encontro acontecerá no dia 26/11, às 10 h, na Praça do Porquinho, local próximo ao Portão 6, que fica na Av. Quarto Centenário, 861.

Vamos entregar para as 50 primeiras MULHERES que chegarem ao evento uma camiseta exclusiva confeccionada com tecido SUPPLEX®.

Você não pode ficar de fora!

Bora lá com a gente!

 

Tudo o que eu posso garantir é a ALEGRIA, ANIMAÇÃO e o ALTO ASTRAL que sempre estão presentes em todos os nossos encontros!

Confirme já a sua participação e programe-se para esse encontro especial que vamos fazer!

Beijos!

Vanessa Palazzi

Aprenda a combater a celulite com a alimentação

Eu tenho, mas quem não tem? Não adianta negar. A celulite atinge grande parte das mulheres e passamos a vida toda lutando contra elas. A nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional, tem algumas dicas sobre alimentos que podem nos ajudar a combater esse mal e também nos dá uma orientação sobre o que devemos evitar para prevenir a celulite. Confiram!

“Lipodistrofia Ginóide é o nome técnico e correto da temida e indesejada “celulite’! Uma alteração causada pelo acúmulo de gordura, água e toxinas nas células, fazendo com que essas células fiquem cheias e endurecidas, deixando o local com desníveis (ondulações e retrações) e nódulos, que se manifesta externamente através dos furinhos indesejados na e/ou em “casca de laranja”. É causada por alterações no tecido gorduroso sob a pele, em conjunto com alterações na microcirculação e consequente aumento do tecido fibroso. Estas alterações pode ocorrer devido a predisponentes como sexo, raça, biotipo constitucional e distribuição do tecido adiposo. E também por alterações de natureza hormonal, pois pode-se observa que há um aumento no desenvolvimento da celulite durante os períodos de mudança hormonal, tais como puberdade, menopausa, síndrome pré-menstrual, gravidez, início do uso de anticoncepcional, tratamento com estrogênio e alterações nos hormônios da tireóide.

ALIMENTAÇÃO COMO GRANDE ALIADA NO COMBATE A CELULITE

A alimentação é um fator de grande importância para a prevenção da celulite e um acompanhamento nutricional é essencial para aliar a outros tratamentos objetivando amenizar o problema.

CONSUMA

Frutas Cítricas, gengibre e hortelã: Contribuem para o bom funcionamento do sistema linfático, eliminando toxinas do organismo, e reduzem o volume das células.

– Lima da Persia: limpa o sistema linfático e desintoxica o fígado.

Missô, Natto: por serem produtos derivados da soja , contêm fitoestrogêneos, ou seja ,apresentam substância que se assemelha muito ao hormônio feminino estrógeno. O consumo com frequência favorece o balanço hormonal positivo, prevenindo a celulite, que como uma de suas principais causas o fator hormonal.

Maçã: fonte de pectina , um tipo de fibra que auxilia na detoxificação orgânica.

Chá verde: Além de diurético, atenuando os sintomas da retenção hídrica (quadro que torna mais favorável o aparecimento da celulite), é desintoxicante e reduz a

absorção de triglicérides e colesterol, acarretando em um menor ganho de peso.

– Aveia: rica em silício, reorganiza as fibras de sustentação e previne a formação de furinhos.

Linhaça, chia, peixes de água fria: fontes de omega 3 , que tem ação antioxidante e antiinflamatória , fundamental para combater a celulite.

Vegetais verde escuros: Melhoram a circulação e desintoxicam o organismo

Água e água de coco: Hidrate-se: beba de 1,5 a 2 litros de água diariamente, pois é fundamental para manter o tônus da pele, melhorar a circulação sanguínea e ajudar a eliminar toxinas acumuladas.

EVITE

Sódio (sal, enlatados, embutidos, molho shoyo e inglês): Favorecem a retenção hídrica, piorando o aspecto da celulite.

Gorduras e frituras: Em excesso acumulam-se nos tecidos e comprimem as veias, dificultando a nutrição das células e consequentemente facilitando o surgimento da celulite.

– Carboidratos refinados, açúcares , frituras, gorduras saturadas , trans e hidrogenadas: altamente inflamatórios e vão carregar mais toxinas nas suas células.”

Dra. Roseli Lomele Rossi – CRN 2084                                                                   

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

Alimentos para ficar com o cabelo mais bonito

 

Quem não quer ter o cabelo dos sonhos? Um cabelo bonito e saudável não depende só dos avançados produtos cosmetológicos. Uma alimentação balanceada e rica em nutrientes pode melhorar, e muito, a beleza dos seus cabelos. Confiram as dicas da nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional sobre esse assunto.

“O cabelo compõe-se fundamentalmente de moléculas de proteínas, dentre as quais mais importantes são denominadas queratina. À partir deste conhecimento fica evidente que o estado nutricional do indivíduo interfere diretamente na saúde  dos cabelos. Sem dúvida, a genética, idade, disfunções hormonais, estresse, gestação, exposição solar, ação térmica, uso de produtos químicos, medicamentos e certas doenças, também são causas que podem afetar a saúde capilar, ou seja, desenvolvimento, crescimento, queda, textura e brilho dos cabelos. A deficiência crônica de alguns micronutrientes pode favorecer a queda de cabelo e enfraquecimento dos fios. Esse tipo de desnutrição pode não ser percebida através do peso da pessoa, ou seja, muitas vezes a ingestão de calorias pode estar adequada, mas a de vitaminas e minerais não, esse estado também pode ser chamado de “fome oculta”. Quando isso acontece há manifestações em alguns tecidos, normalmente, naqueles de maior taxa metabólica e mitótica, como, por exemplo, os cabelos, unhas e pele.  Isso pode dar origem a aspectos negativos esteticamente como, por exemplo, diminuição do crescimento e fragilidade dos cabelos.

Esses nutrientes são necessários porque para a constituição dos fios precisamos de:

  • Proteínas: de boa qualidade devem estar em quantidade suficiente na alimentação. Elas são desdobradas em aminoácido, e este apresenta a função estrutural, de manutenção e reparo dos tecidos. Nem todos os aminoácidos estão presentes na fibra capilar, porém para que os cabelos fiquem mais bonitos, fortes e saudáveis os aminoácidos são fundamentais.

Fontes alimentares: carnes, aves, peixes e ovos. A quantidade diária                recomendada é em média de 100 a 150 g duas vezes ao dia.

  • Zinco: é constituinte do DNA celular, sendo responsável pela multiplicação de células, logo, para formação de novos fios. Além disso, o zinco ajuda na formação do colágeno, é um fator importante para não haver engrisalhamento e queda de cabelo acelerado. Além disso, o zinco é um mineral essencial para que haja controle sobre mudanças hormonais que podem ocorrer e favorecer a queda de cabelo. Um problema onde o zinco pode ajudar é na alopecia androgenética – queda de cabelo.

Fontes alimentares: frutos do mar, carnes vermelhas, castanhas, amêndoas e nozes.

 

  • Cobre: faz a síntese do colágeno que dá estrutura ao fio.

Fontes alimentares: caju, castanhas, frutos do mar, sementes de abóbora e girassol, manga, abacate, sardinha, lentilha, ervilha.

  • Ferro: está envolvido com a divisão celular que favorece o desenvolvimento dos fios. Evidências clínicas vêm demonstrando fortemente a importância do ferro no tratamento capilar. Pacientes com ferritina abaixo de 70 (mesmo sem quadro anemia)  que cursam eflúvio telógeno, ao repor ferro apresenta melhora no tratamento.

Fontes alimentares: carnes, feijões, vegetais folhosos escuros – lembrando que para sua boa absorção precisam ser consumidos com frutas cítricas.

  • Silício: importante na regeneração e síntese de fibras colágenas, pois mantém a hidratação dos fios.

Fontes alimentares: vegetais, cereais integrais, com destaque para a aveia, maior fonte de silício.

  • Cálcio e magnésio: nutrientes fundamentais para que os demais nutrientes penetrem nas células, fazendo o papel de carreadores de todos os nutrientes, além de fornecerem energia às células para sua renovação.

Fontes alimentares: Cálcio: vegetais verde escuros, leite e derivados.

            Magnésio: sementes oleaginosas, caju, feijão, arroz integral.

  • Iodo: mantém o funcionamento tireoidiano que pode interferir na velocidade do metabolismo e renovação de células.

Fontes alimentares: cavala, mexilhão, bacalhau, salmão, pescada, sardinha.

  • Ômega 3 e 6: ácidos graxos essenciais são necessários para manter a membrana celular fluida, pois com isso se mantém a elasticidade e brilho do cabelo.

      Fontes alimentares: peixes de água fria (sardinha,   arenque, cavala, salmão), semente de linhaça, chia.

  • Vitaminas do Complexo B: exerce papel essencial no metabolismo energético dos queratinócitos (células produtoras de queratina – principal estrutura capilar.

Fontes alimentares: cereais integrais, carnes, leite, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos.

  • Vitamina H (Biotina): pertencente também a vitaminas do Complexo B. Evita a queda de cabelos.

Fontes alimentares: Levedura de cerveja, fígado,   geléia real, sardinha e gema de ovo.

  • Água: mantém a hidratação dos fios e a cutícula do cabelo.

Portanto, quando a dieta alimentar contempla as necessidades individuais (calóricas e nutricionais) é variada, colorida e rica em alimentos vivos, nosso cabelo responde de forma saudável, apresentando-se resistente e brilhante. Caso tenha algum problema capilar ou mesmo queira  melhorar a saúde dos cabelos, dando mais vida, brilho e fortalecimento aos fios, consulte um nutricionista para orientar sua alimentação de maneira personalizada, isto irá garantir melhora na sua saúde geral e capilar.”

 

Dra. Roseli Lomele Rossi – CRN 2084                                                                   

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Alimento para aumentar a sua libido

E você, já ouviu falar da Maca Peruana? Veja as informações da nossa nutricionista Roseli Rossi sobre esse tubérculo que pode melhorar a sua libido.

 

A Maca Peruana (Lepidium Meyenii), um tubérculo originário da Cordilheira dos Andes, com formato semelhante ao de um rabanete, é uma planta rica em  nutrientes em nutrientes , como: aminoácidos, carboidratos, fibras, cálcio, ferro, magnésio, ômegas 3 e 9, fósforo, potássio, zinco, selênio e vitaminas B1, B2, C e E. Ela também é conhecida com Ginseng Peruano, uma das raízes mais fortes em forma de alimento.

Benefícios para saúde

  • Aumenta a fertilidade e libido, tanto no homem quanto na mulher. Alguns estudos relacionam a combinação de vitaminas do complexo B, zinco e vitamina E com a formação dos hormônios sexuais do organismo, melhorando problemas de falta de libido e infertilidade. A Maca Peruana também apresenta fitoquímicos como os alcalóides, que contêm características semelhantes ao estrogênio e às prostaglandinas, fazendo que a raiz atue na regulação das funções sexuais. Ela também atuaria sobre o hipotálamo e as glândulas suprarrenais, proporcionando efeito estimulante;
  • Auxilia no controle dos sintomas causados pela menopausa, principalmente a osteoporose, pela presença do cálcio. Além da combinação de vitaminas do complexo B, zinco e vitamina E auxiliarem na formação dos hormônios sexuais, aliviando as famosas ondas de calor;
  • Promove o aumento de energia e vigor físico. É uma raiz rica em carboidratos complexos, principal nutriente responsável pelo fornecimento de energia, além de ser fonte de vitaminas do complexo B, que participam das reações relacionadas à produção de energia ao organismo;
  • Por ser uma raiz rica em muitos minerais e vitaminas do complexo B, melhora o metabolismo energético, propiciando ganho de massa muscular;
  • Auxilia na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares, ajuda no controle da hipertensão arterial e hipercolesterolemia, pela presença dos ômegas 3 e 9;
  • Atua na prevenção da anemia, devido à sua grande concentração de ferro;
  • Apresenta o aminoácido arginina, que atua no aumento da imunidade;
  • Auxilia as dietas de emagrecimento pela grande quantidade de fibras, aumentando a saciedade e diminuindo o apetite;
  • Com grande quantidade de fibras, ajuda no controle da diabetes, evitando a liberação de grandes quantidades de insulina de uma só vez.

A Maca Peruana pode ser encontrada sob a forma de ou cápsulas. O pó pode ser usado em saladas, sucos e sopas. Recomenda-se o consumo de 500mg a 1200mg ao dia. A maca peruana pode auxiliar no processo de emagrecimento, desde que haja uma mudança nos hábitos alimentares e prática de exercícios físicos. Nenhuma conduta isolada será suficiente.
Como qualquer fitoterápico, deve ser ministrada com orientação de uma profissional habilitado.

Dra. Roseli Lomele Rossi – CRN 2084                                                                   

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Dieta para mulheres grávidas e vegetarianas

 

Você é vegetariana e está grávida? Sim, muitas Mulheres de Quarenta ainda estão no período fértil e podem sim engravidar! Vejam as dicas da nossa nutricionista Roseli Rossi  da Clínica Equilíbrio Nutricional para ter uma dieta equilibrada durante a gravidez. Serve também para quem quer diminuir o consumo de carnes e poder manter uma alimentação rica com todos os nutrientes necessários para a nossa saúde.

“Engana-se quem acredita que é necessário comer carne todo dia para ter uma gravidez adequada. Pelo contrário, uma grávida vegetariana ou vegana pode ter saúde plena e desenvolver um bebê sem qualquer problema, caso a dieta seja adaptada e a mãe incremente a alimentação com mais frutas, vegetais, leguminosas e suplementos nutricionais.

Essa é a posição de entidades prestigiadas no setor de nutrição, como a American Dietetic Association e a Academy of Nutrition and Dietetics, ambas dos Estados Unidos. Esta última publicou em dezembro um artigo, no Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, no qual dá seu aval para dietas vegetarianas e veganas, incluindo durante gravidez e amamentação.

“Dietas vegetarianas e veganas são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem fornecer benefícios na prevenção e no tratamento de certas doenças”, diz a organização. Entre elas, doenças do coração, diabete tipo 2, pressão alta, obesidade e alguns tipos de câncer, sobretudo os gastrointestinais.

A Academy of Nutrition and Dietetics ainda faz referência a estudos cujos resultados registraram que as voluntárias grávidas e vegetarianas tinham menor sobrepeso ao fim do primeiro trimestre de gravidez e menores complicações, como diabete gestacional.

Tudo depende das escolhas durante as refeições. Isto é, não vale trocar a carne por massa, pão ou doces, e sim substituir e incrementar  a ingestão de legumes, verduras e frutas e proteínas vegetais. Desta maneira os nutrientes da carne podem ser substituídos por outros alimentos. Buscar ajuda de um profissional nutricionista seria o ideal

A carne é uma fonte rica de ferro, zinco, vitamina B-12 e ômega 3, elementos apontados como essenciais pela Academy of Nutrition and Dietetics. Para ter nove meses tranquilos, a entidade recomenda reforçar o consumo de uma série de alimentos no lugar da carne e, caso o nutricionista ache necessário, usar suplementos. Veja a seguir os produtos que você precisará colocar a mais no seu carrinho da feira para substituir a carne:

Ferro. É essencial para a formação dos glóbulos vermelhos do bebê e da mãe se estiver presente de forma insuficiente, a grávida pode ter anemia. Para substituir a proteína animal, vale investir em leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico e soja) e em vegetais e folhas verde-escuros (rúcula, couve, brócolis e espinafre). Para melhorar a absorção do ferro pelo organismo, vale aumentar o consumo de vitamina C, presente em frutas como laranja, limão, abacaxi e acerola. Tome cuidado com alguns alimentos que interferem na absorção do ferro, como cafés, chás e Cola-Cola, segundo recomendações da American Dietetic Association.

Ômega 3. Encontrado na carne de peixes de águas frias e profundas, o nutriente também aparece na linhaça, na chia ou, em menor quantidade, em outras oleaginosas. Ele é importante para o desenvolvimento cognitivo e cerebral do feto e também tem funções anti-inflamatórias, ao estimular a circulação da grávida. Há estudos que apontam que o ômega 3 também está relacionado a uma menor taxa de depressão na gestação e no pós-parto.

Vitamina B12. Muito abundante na carne, a vitamina B12 pode ser encontrada em leite e derivados, ovos e, em menor quantidade, na quinoa. Ela é importante para o sistema nervoso central,  Para veganas, vale investir na suplementação e prestar atenção na procedência.

Cuidado com suplementos, eles podem ter origem animal!!

Zinco. Importante também para a formação do sistema nervoso central do feto, assim como do sistema circulatório, dos órgãos e para o próprio metabolismo do bebê, o zinco pode ser encontrado em cereais integrais como arroz integral, aveia e trigo, ou em leite e derivados.

Cálcio e vitamina D. A vitamina D, cuja produção é estimulada quando tomamos sol, auxilia a absorção de cálcio, essencial na formação dos ossos do feto. Para o cálcio, muito importante no período da amamentação, invista em  folhas escuras e na suplementação. Já para a vitamina D, uma das melhores fontes é a gema de ovo e óleo vegetais, mas o mais indicado é fazer a suplementação para ter níveis adequados neste período gestacional.

Em suma, durante a gestação não deve ocorrer deficiência de nenhum nutriente para que o bebe seja desenvolvido plenamente. E não é por ser vegana que a gestante terá este risco aumentado se ela tiver uma alimentação adequada por um profissional.”

Dra. Roseli Lomele Rossi – CRN 2084                                                                   

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

Receita fit: tomates com atum

Por Roseli Rossi

Vamos combinar nesta receita Fit dois alimentos importantes, o tomate rico em licopenos – antioxidante super importante para combater o excesso dos radicais livres no organismo e garantir maior longevidade e menor risco de doenças, como câncer.

O atum, uma fonte boa, prática e bem apreciada de proteína e vitaminas do complexo B,com temperos como salsinha (diurético), azeite , nozes, gergelim (gorduras boas).

Esta receita é super fácil, pode ser consumida nos lanches intermediários ou numa refeição.

Experimente!!

Rendimento: 2 Porções

Valor calórico por porção: 175 Kcal.

Modo de preparo: Higienizar bem os tomates ou um tomate se preferir um tomate caqui, cortar a tampa e retirar as sementes e a polpa cuidadosamente. Escorrer bem a água do atum e misturar com  a salsinha, a polpa do tomate, o azeite e temperar com sal e orégano. Rechear os tomates com esta mistura. Manter em refrigeração até servir. Polvilhar com gergelim e regar com azeite de oliva.

Ingredientes

Tomate (2 unidades)

Atum ao natural (1 lata)

Nozes (4 unidades)

Salsinha (2 colheres de sopa)

Azeite de oliva (1/2 colher de sobremesa)

Orégano (1 colher de sobremesa)

Semente de gergelim (1 colher de chá)

Sal Rosa do Himalaia (1 colher de café)

Valores Nutricionais por Porção

Calorias: 175 Kcal

Proteínas: 17 g

Lipídios: 10 g

Colesterol: 27 mg

Carboidratos: 6 g

Fibras: 2 g

Bom apetite!

Até a próxima.

Roseli Rossi

Dieta low carb para emagrecer

Por Roseli Rossi

Desde 2004, foram publicadas mais de 20 pesquisas que demonstraram a eficácia do corte de carboidratos na alimentação para emagrecer de vez (sem precisar contar calorias) e para a melhora geral da saúde.

As dietas de baixo carboidrato eram demonizadas e consideradas prejudiciais à saúde basicamente porque promoviam a um alto consumo de gordura, principalmente de gordura saturada.

No entanto, a ciência já provou que a gordura poli e monoinsaturada são benéficas. E desde então, cada vez mais as pesquisas comprovam que as dietas low-carb (LC) emagrecem mais que dietas low-fat (pouca gordura e mais ricas em carboidratos) e melhoram índices de glicose, colesterol, triglicérides e outros.

Por que o Low Carb Funciona?

Ao reduzir o consumo de carboidratos e ingerir mais proteína e gordura, as pessoas sentem maior saciedade e automaticamente acabam consumindo menos calorias. Além disto, há um aumento na termogênese (gasto calórico para digestão destes 2 grupos alimentares).

Benefícios das Dietas Low Carb                                            

Há diversos benefícios para seu corpo e sua saúde ao seguir uma dieta low carb.

  1. SACIEDADE

A fome é o maior inimigo de qualquer dieta e a principal causa de abandono delas. Uma das grandes vantagens das dietas low-carb é a redução natural do apetite. As pesquisas mostram constantemente que as pessoas acabam ingerindo menos calorias quando cortam os carboidratos e comem mais proteína e gordura.

  1. EMAGRECIMENTO

Este método contribui para o emagrecimento saudável ao sugerir que a alimentação priorize os carboidratos de baixo índice glicêmico. Isto porque quando um carboidrato é ingerido ele tem a glicose que será utilizada pela célula para obter energia. Caso haja excesso de glicose, ela é estocada em forma de gordura e se for utilizada antes da próxima refeição não há ganho de peso.

  1. Diminui Triglicerídeos

Triglicerídeos são moléculas de gordura, e o nível deles no sangue é um forte indicador de risco de doenças cardíacas. Pode parecer estranho, mas o principal causador dos altos níveis de triglicerídeos é o consumo de carboidratos, principalmente na forma de frutose. Quando as pessoas cortam os carboidratos, os níveis de triglicerídeos tendem a cair drasticamente.

  1. Melhora os Níveis do HDL (o Colesterol “Bom”)

Sabemos que quanto maior os níveis de HDL, menor o risco de doenças cardíacas. Uma das melhores maneiras de aumentar o HDL é consumir gordura. E as dietas low carb incluem bastante alimentos fonte de lipídeos. Assim não é surpresa descobrir que os níveis de HDL sobem bastante em dietas LC.

  1. Reduz os Níveis de Glicose e Insulina do Sangue

OBSERVAÇÕES

  • O importante é você testar e descobrir qual é a faixa que melhor atende aos seus objetivos. Se você tem algum problema de saúde, é importante conversar com seu nutricionista e médico, antes de fazer qualquer mudança, porque as dietas LC podem reduzir drasticamente a necessidade de remédios.
  • Os efeitos da dieta Low Carb ou dieta cetogênica dependem muita da carga genética de cada indivíduo. Algumas pessoas podem não responder metabolicamente à essas estratégias nutricionais, e, por sua vez, não observarem qualquer efeito. Sendo assim, o plano alimentar deve ser sempre orientado por um profissional nutricionista e feito de maneira personalizado.
  • Cuidado com as quantidades de proteínas! Quem irá determinar será o profissional de saúde, o qual, está devidamente habilitado e responsável pelo seu planejamento alimentar.

Alimentos Permitidos

  • Carne, Peixe, Ovos, Verduras e legumes, Nozes e Sementes (Amêndoas, castanhas, nozes, semente de abóbora e girassol etc.).
  • Laticínios: Primeiramente vou explicar por que o leite não está nesta lista. Ele é rico em lactose (açúcar) e vai causar picos de insulina quando consumido. Por isso dê preferência aos derivados do leite fermentados, que além de ricos em proteínas, gorduras e minerais também são muito saciantes. Sem contar com os probióticos contidos no iogurte (natural e integral sempre) que auxiliam a sua flora intestinal e se manter saudável, fazendo com que você se mantenha com saúde. Os queijos também podem ser consumidos. É importante ressaltar que para muitas pessoas são alérgicas ou intolerantes o leite e seus derivados. Neste caso, eles devem ser excluídos. Cabe ao profissional competente reconhecer ou não esta intolerância do paciente e talvez substituir por bebidas à base de gorduras, como amêndoas ou coco.
  • Gorduras e óleos: Óleo de coco, manteiga ghee, manteiga de coco, azeite de oliva e óleo de peixe, pasta de amendoim.
  • Leguminosas: Lentilhas e feijões.

COM CONTROLE NAS QUANTIDADES:

  • Tubérculos: Batata doce, mandioca, mandioquinha, cara, inhame.
  • Grãos sem glúten: Arroz, aveia, quinoa, amaranto.
  • Frutas:
  • Chocolate: Prefira os amargos, de 70% para mais.

Elimine Sem Dó

  • Açúcar refinado: Refrigerantes, suco de frutas, sorvete, doces e bolos e tudo o que leva açúcar refinado ou glucose de milho.
  • Grãos com glúten: Trigo, centeio e cevada. Sim, isso inclui pães, massas e cerveja.
  • Gordura trans: Corte todo tipo de gordura hidrogenada ou parcialmente hidrogenada, como margarinas.
  • Produtos “light” e artificialmente low-fat: Todo produto “light”, especialmente laticínios, costuma ser rico em carboidratos e recheado de tranqueiras.
  • Alimentos industrializados e processados: Se a comida vem em uma caixa e foi feita dentro de uma fábrica, é melhor evitar.

Paciência!

A fonte de energia preferida do corpo são os carboidratos. Quando eles estão sempre disponíveis, o corpo nunca vai preferir queimar gordura. Quando você corta os carboidratos, no entanto, o corpo passa a obter energia de outra fonte, a gordura. Seja ela a que está armazenada ou que vem da alimentação.

Pode levar alguns dias até que seu corpo esteja adaptado para queimar gordura em vez de carbos. Nesse período, é possível que você se sinta meio estranho, um pouco diferente do normal. Isso é comum e acontece com muita gente, especialmente quando estão tentando uma dieta low carb pela primeira vez. Por isso é importante ter paciência e se manter firme na dieta, principalmente no começo, quando o metabolismo do seu corpo ainda está se ajustando à mudança.

Espero que tenham gostado!

Até a próxima dica!

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”

 

Alimentos termogênicos

Por Roseli Rossi

Os alimentos termogênicos são muito falados para quem quer emagrecer ou prática atividade física, mas muita gente não sabe bem o que é, como agem, como se consome e até mesmo se tem algum efeito colateral. Saiba um pouco mais sobre eles lendo esta matéria….

Termogênese alimentar é a energia que consumimos para processar e digerir os alimentos. Se uma pessoa consome ingredientes hipercalóricos, notará que transpirou após a refeição, porque o organismo procura eliminar, sob a forma de calor, a energia que está sendo armazenada sob a forma de gordura. Mas existem alguns alimentos, chamados termogênicos, que tema ação em aumentar a atividade metabólica e consequentemente a queima de calórica, como o café, o chá verde e a pimenta.

  • Pimenta Vermelha: Esse tipo específico de pimenta é rica em capsaicina, substância que favorece o aumento da quebra de gorduras no tecido adiposo. Ela aumenta em até 20% a atividade metabólica se ingerida na quantidade de três gramas por dia, podendo ser adicionada em saladas e pratos quentes.

Ativo: capsaicina | Ação: estimulante do metabolismo (3 a 4 g/dia).

  • Chá verde (Camellia sinensis): Assim como a pimenta, esse chá favorece a utilização da gordura corporal como fonte de energia em função do estimulo metabólico. Para que o efeito aconteça, o consumo deve ser em média de cinco xícaras de chá por dia durante três meses. Mas, cuidado: quem tem insônia não deve ingerir o chá verde na parte da tarde ou noite.

 

Ativo: polifenóis | Ação: estimulante, estimula lipólise e aumenta metabolismo. 3 copos   240 a 300mg de polifenóis.

  • Canela: Além de aumentar o metabolismo basal, a canela possui alto teor de cálcio mineral, substância importante para o emagrecimento. Polvilhada por cima de frutas (aproximadamente uma colher de chá rasa), contribui com o emagrecimento e ainda torna a refeição deliciosa.
  • Cafeína: A cafeína estimula a lipólise por inibir uma enzima chamada fosfodiesterase. Lipólise é um processo de quebra de células de gordura (adipócitos) estocadas em nosso corpo para gerar combustível para queimar durante os momentos que o corpo necessita de um extra de energia para manter as atividades musculares que estão sendo exigidas. Este é o famoso efeito termogênico da cafeína, ou seja, ao transformar a gordura em fonte de energia há geração de calor e elevação da temperatura corporal (termogênese).Estudos mostram que a cafeína pode aumentar de 3 a 16% da taxa metabólica basal. Seu poder termogênico aumenta mais ainda quando associada com a capsaicina e catequinas.

Ativo: cafeína | Ação: estimulante de Sistema Nervoso Central. 50 a 200 mg/ dia. 1 a 3  xícaras de café expresso

  • Gengibre: Essa raiz pode aumentar o gasto calórico em mais de 10%. O gengibre pode ser consumido de diversas formas, cru, em marinadas para temperar carnes, aves e peixes, e ainda fica ótimo em molho de tomate, sopas de legumes e chá, quando misturado com outras ervas.

Ativo: gingerol |Ação: Tonico e sudorífero, 1pedaço de 2cm de2 a 3x/dia.

  • Chá de hibisco: Esse chá, assim como os demais termogênicos, aumenta a temperatura corporal durante a digestão e, conseqüentemente, aumenta o metabolismo.

CONTRA INDICAÇÕES

– Pessoas com hipertireoidismo não deve ingeri-los, visto que o metabolismo já está muito elevado, o que aumenta o risco de perda de massa muscular;

– Pessoas com cardiopatias, hipertensão, enxaqueca, úlcera, disfunções neurológicas e alergias não devem abusar desses alimentos, pois eles podem levar ao aumento da pressão arterial, hipoglicemia, insônia, nervosismo e taquicardia;

– Crianças e gestantes;

CUIDADO COM AS QUANTIDADES!

As doses sempre devem ser individualizadas, mesmo quando consumir os alimentos termogênicos.

As suplementações sempre devem ser prescritas por nutricionistas.

QUANDO TOMAR

Vale ressaltar que o consumo dos alimentos termogênicos, não deve ser feito no período noturno para não prejudicar o sono.

A maioria das pessoas utilizam termogênicos pré exercícios físicos, porém o mais lógico seria consumir estes alimentos após os exercícios, ao longo do dia, para manter seu metabolismo acelerado mesmo após o término do treino.

Com exceção de quem pratica exercícios físicos à noite, daí iniciaria o uso pela manhã, até no máximo ás 17 horas.

Roseli Rossi  é  a nova colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

Fome noturna

Por Roseli Rossi

Você é daquelas que não sente fome durante todo dia, se controla perfeitamente, mas quando chega à noite e madrugada desperta uma vontade enorme de comer tudo que vem pela frente?

Pode ser que você tenha a chamada “Síndrome da fome Noturna”, caracteriza-se por um aumento de apetite no período noturno, que pode gerar insônia na maioria dos indivíduos que sofrem deste mal.

A medicina ainda não conhece exatamente os mecanismos que causam esse distúrbio, mas sabe-se que há dois mediadores envolvidos: a melatonina, responsável pelo início e pela manutenção do sono e a leptina, que é produzida pelo tecido gorduroso que age no cérebro, regulando a sensação de fome e da saciedade.

Segundo alguns cientistas, esse problema pode ser desencadeado por alto grau de estresse durante o dia e que, por conseguirmos relaxar durante a noite, desencadeia-se a fome e insônia.

Além disso, muitas vezes uma dieta mal estruturada pode ser a causa dessas escapadas noturnas.

Atenção!

Pessoas que se submetem as dietas muito restritivas têm maior propensão a se descontrolarem de madrugada e levantarem para comer, descontando toda a fome e vontade de comer que tiveram durante o dia, gerando um episódio de compulsão alimentar.

Nestes episódios os indivíduos consomem qualquer tipo de alimentos, sem qualquer critério de escolha e em quantidades exageradas. Como geralmente após o episódio de compulsão alimentar o indivíduo volta para a cama e dorme, esse comportamento torna-se ainda mais problemático, pois durante a noite a digestão é mais lenta, o nosso organismo esta preparado para o repouso, o que facilita o aumento de peso e principalmente da gordura abdominal, podendo aumentar o risco de  desencadear outras desordens, como: Diabetes, Dislipidemias , Síndrome Metabólica e Doenças cardio vasculares.

Na manhã seguinte, a tendência é que o indivíduo acorde arrependido, com sensação de culpa e, sem fome, ou para sentir-se melhor faz uma grande restrição alimentar, desencadeando o episódio da fome noturna novamente, formando assim um círculo vicioso.

Também outros fatos podem estar agregados a esta fome noturna, principalmente fatores emocionais e psicológicos, pois o indivíduo sabe que as outras pessoas da casa estão dormindo e ninguém irá controlar o consumo de alimentos.

Algumas dicas para evitar esta fome indesejável no período noturno:

  • Tenha uma alimentação balanceada durante o dia, não pulando as refeições e fracionado a sua dieta de 5 a 6 refeições ao dia;
  • Evite tomar café ou chás que contenham cafeína à noite pois esta substância é estimulante e  dificulta o sono;
  • Coma devagar, mastigando bem os alimentos, principalmente no jantar, para facilitar o processo digestivo;
  • Coma de ceia, abacate, banana, estas frutas podem ajudar na modulação do hormônio de estresse, relaxam e proporcionam maio saciedade.
  • Evite manter doces e guloseimas nos armários e geladeiras.
  • Não tome medicamentos para induzir o sono sem indicação médica. Sempre busque alternativas naturais como chás para melhorar a qualidade do seu sono. Chá de camomila, casca de maracujá, são boas opções.
  • Evite a pratica de exercícios físicos pelo menos 1 hora antes de dormir. A liberação de hormônios estimulantes ocorrem após a pratica de exercícios e podem prejudicar o seu sono.

Além de todos esses cuidados com a alimentação, procure controlar os aspectos emocionais ligados a alimentação e busque um autocontrole. 

Roseli Rossi  é  a nova colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

Fome emocional

 

Comer sem culpa

Você sabe o que é fome emocional? Sabia que esse problema é mais comum do que você pensa? Veja o que diz a psicóloga Gisela Campiglia sobre esse assunto super interessante.

“Toda mulher sabe o que é preciso fazer para eliminar o excesso de peso, não é mesmo? Diminuir o consumo de doces e massas, eliminar frituras, tomar bastante água e priorizar a ingestão de frutas e verduras.

Certamente você já esteve em vários endocrinologistas, nutricionistas, e conhece quase todos os tipos de dieta que já inventaram: dieta da sopa, do glúten, da proteína, do suco, etc. Mas, por que é tão difícil emagrecer, mesmo tendo todas essas informações? Porque existe um tipo de fome que não é física, ela nasce da nossa dificuldade em lidar com certas emoções, a fome emocional.

Sem perceber, usamos a comida como uma válvula de escape para compensar nosso desconforto emocional. Por isso, assaltamos a geladeira no meio da noite, comemos uma caixa de bombons na frente da televisão, e o nosso regime acaba indo por água abaixo.

Estudei as dezessete emoções que acionam a fome emocional e desenvolvi um método de compensação que não utiliza a comida. Consegui eliminar 24 quilos, e criei a palestra fome emocional.

Emagrecer com saúde
Uma das emoções mais comuns que nos levam a engordar é a ansiedade. Quando estamos ansiosas comemos compulsivamente sem saborear os alimentos, devoramos o que encontrarmos pela frente. A falta de prazer com a vida gera um tipo de fome específica, ela não pode ser saciada com qualquer alimento, é aquela fome de chocolate, fome de empadinha, a comida precisa ser deliciosa para compensar a nossa falta de prazer. Mas, infelizmente o resultado é sempre negativo, porque o desconforto emocional é aliviado momentaneamente, e ficamos com o excesso de peso e a culpa por ter comido demais.”

E aí, gostaram dessa informação? A Gisela Campiglia é psicóloga, trabalha com física quântica, bioenergia, metafísica e é especialista em desenvolvimento pessoal de forma integral, incluindo corpo, mente, emoções e espirito.

Ela é a nossa nova parceira aqui do Mulheres de Quarenta está nos presenteando com um super e-book que vai ajudar você a emagrecer e a combater a sua fome emocional. Como? Basta acessar o site www.giselacampiglia.com.br para receber, gratuitamente o e-book: Ansiedade, o mal da modernidade.

Que tal? Gostaram?

 

 

Engravidar aos quarenta

img_como_engravidar_depois_dos_40_anos_15482_600Carmem, uma das nossas seguidoras aqui do Mulheres de Quarenta, me procurou para contar sobre a experiência que ela está vivendo aos 46 anos de idade. Inesperadamente, passados 20 anos do nascimento da sua primeira filha, ela descobriu que estava grávida. E é claro que eu quis saber um pouco mais sobre essa história pra poder contar para vocês. Vejam que bacana o depoimento dela.

Carmem, conte-nos como tudo aconteceu?

“Vanessa, sou casada há 27 anos. Eu e meu marido tivemos a nossa primeira filha quando eu estava com 25 anos. Por motivos de trabalho e da vida corrida que levamos, acabei adiando a outra gestação. O tempo passou e, com a chegada dos quarenta, já não tínhamos a menor pretensão.

Quando fiz 42 deixei de usar pílulas anticoncepcionais para não interferir na menopausa. O uso de preservativo foi nossa escolha como método contraceptivo. Do início do ano pra cá eu achava realmente que não estava mais no grupo que teria chance de engravidar. E foi então que inesperadamente engravidei!

Foi uma grande surpresa. A notícia que causou um grande impacto em todos nós. Minha filha, embora com 20 anos, também sentiu um pouco, afinal ela passou muito tempo sendo filha única. Hoje já está aceitando bem o fato de ter um irmãozinho. Meu marido também ficou anestesiado e radiante após o nosso primeiro ultrassom. Estamos emocionados e curtindo cada momento da gestação.”

Eu quis saber da Carmem como era estar grávida depois de tantos anos da sua primeira gestação?

“A diferença é total. Quando minha filha nasceu eu tinha apenas 25 anos. Não curti cada dia, cada momento da gravidez como hoje. Tudo, absolutamente tudo, é diferente! São novas sensações que se devem mesmo ao fato de sermos mais maduras e experientes. Na minha juventude foi tudo muito automático, até por ser a minha primeira experiência como mãe. Hoje dou valor a cada segundo da gestação.

Perguntei à Carmem se ela faria algo de diferente dessa vez.

“Estamos à espera de um menino, o Thiago. É surpreendente a renovação que ele representa em nossas vidas. Uma benção enorme. Com relação à minha primeira experiência como mãe, vou me dedicar mais, trabalhar menos e curtir meu filho intensamente. Vamos viver juntos cada momento.”

O que você diria para as Mulheres de Quarenta que desejam engravidar?

“Meu conselho para as Mulheres de Quarenta que desejam ter um filho é que é imprescindível estarmos com a saúde em dia, nos cercarmos de todos os cuidados para que o bebê e a mamãe estejam seguros. Sigam em frente e curtam e agradecem a Deus por essa benção.”

Gente, não foi demais! Adorei conhecer a Carmem e em breve queremos que ela nos apresente o Thiago! Nós, do Mulheres de Quarenta, desejamos muitas felicidades pra toda a família!

14528268_1245680955482865_1855042014_n

 

Gravidez depois dos 40 anos 

  1. Quais os riscos de uma gravidez depois dos 40 anos de idade – tanto para a mãe como para a criança?

“Para a mulher, a idade avançada está associada ao aumento na incidência de diabete gestacional, hipertensão específica da gravidez, abortamentos, prematuridade e distócia funcional, quando o trabalho de parto não evolui na velocidade esperada. Para o bebê, os riscos estão associados a alterações cromossômicas numéricas ou estruturais, como a síndrome de Down”, explica Gilberto da Costa Freitas, especialista em Reprodução Humana da Clínica de Reprodução Humana, de São Paulo.

O obstetra Adolfo Liao, do Ambulatório de Obstetrícia do Hospital das Clínicas de São Paulo, afirma que até 25% das gestações em idade materna avançada resultam em aborto. “Quando uma mulher com 20 anos engravida, a chance de ocorrer um aborto espontâneo é menor”, completa. A taxa de bebês nascidos prematuramente também é mais alta e chega a 15% devido a complicações como o diabete e a hipertensão.

“Todos são riscos reais, mas os avanços da medicina diminuem esses impactos nas mães e nos fetos com diagnósticos precoces”, complementa Mauricio Simões Abrão, ginecologista e obstetra da Universidade de São Paulo e diretor da clínica Medicina da Mulher .

Leia mais:

Fonte: 10 questões sobre a gravidez depois dos 40 anos | MdeMulher

Fórmula mágica para emagrecer

será-que-existe-uma-fórmula-mágica-para-emagrecerTenho recebido algumas mensagem das mulheres que depois que chegaram aos quarenta estão com baixa autoestima. Confesso que não é fácil estar feliz todos os dias e a todo momento.

Uma das minhas leitoras queria saber como eu poderia ajudá-la já que depois dos quarenta ela engordou e não conseguia mais perder peso. Todas nós sabemos que nosso metabolismo, com o passar dos anos, tende a ficar mais lento. Com isso, nosso gasto energético é menor. Consequentemente, temos que comer um pouco menos ou aumentar mais as atividades físicas. E não é só isso, temos que optar por uma alimentação melhor, mais natural e mais saudável. E claro, sem radicalismos.

Meu peso já oscilou algumas vezes na balança. Quem nunca? Até que comecei a me conscientizar de que poderia – e deveria – desfrutar de tudo o que eu quisesse mas com moderação. Eu sempre fui daquelas que beliscava o dia todo. E continuo assim. Eu me alimento normalmente e faço pequenos lanchinhos durante o meu dia. Meu prato é colorido e contém pequenas porções de cada alimento.

Aprendi a comer mais devagar, mastigar melhor os alimentos, tomar menos líquidos durante as refeições e também a não repetir ainda que eu tenha muita vontade. Também faço algumas substituições, mesmo porque eu sou viciada em doces. Amo de paixão e não há dieta nenhuma que me faça ficar sem. Sabe aquela velha história de que “você está guardando um espaço para a sobremesa”? Essa sou eu. Não fico sem o meu docinho depois das refeições.

Também optei por alimentos menos gordurosos e também os menos industrializados. Dou preferência a um bolo caseiro do que a um pacote de bolachas. Também gosto de algumas coisas lights ou desnatadas, como leites e iogurtes. Não deixo de comer o meu pão francês, mas apenas um pela manhã. No meio da tarde, muitas frutas. No jantar, gosto de uma taça de vinho e faço refeições menores. Procuro não jantar muito tarde para dar tempo de fazer a digestão.

Eu me obrigo a tomar mais água durante o dia para me hidratar e deixar minha pele mais bonita.

beber-agua-gelada-2

E também faço exercícios físicos pelo menos duas vezes por semana. Eu sempre gostei. E vou falar a verdade, gosto de variar minhas atividades para não enjoar, porque cá entre nós, fazer sempre a mesma coisa tira nosso estímulo para a ginástica. Eu corro, faço aulas de spining e caminho ao ar livre. Gosto de nadar também. Na academia aprendi que a musculação nos prepara para todos esses exercícios, e também não deixo de lado essa atividade. Faço aulas de dança quando possível e também localizada. Tudo sem exageros. Quando não estou disposta eu não me obrigo a ir.

A grande verdade é que cada um tem encontrar a sua própria fórmula mágica para ficar bem consigo mesma. Em primeiro lugar é preciso se livrar das cobranças e dos padrões exigidos pela sociedade. Depois, caso você queria uma transformação vai ter que ter muita disposição e força de vontade. Dificilmente o tratamento que você escolher surtirá efeito se você não se empenhar.

É preciso entender que a alimentação é para o resto das nossas vidas. Aprender a fazer boas escolhas é fundamental para envelhecer bem e melhor. Boa sorte!

Gordura localizada, o que fazer?

gordura-localizada-evitar-450795641By Edu Fernandes

A famosa gordura localizada é algo que atormenta muita gente e acaba sendo um assunto frequente na sala de musculação. Muitas mulheres que praticam atividade física têm dúvidas se devem focar nos exercícios de musculação que pegam na região daquela gordurinha localizada ou se devem fazer aeróbio combinado com uma boa alimentação para perder as tão incômodas gordurinhas.

– Devo fazer adutora pra parte deixar firme a parte interna da coxa? Abdutora vai queimar o meu culote? Exercícios de tríceps são mesmo eficazes para eliminar o “tchauzinho”? E os abdominais podem eliminar a barriga? 

Tudo isso funciona ou não?

▶NÃO! Tudo isso funciona para fortalecer os respectivos músculos, porém não existe relação direta entre fazer tais exercícios e perder gordura na mesma região. O exercício não promove queima de gordura de forma localizada, é um processo sistêmico! Se você está investindo seu tempo nas estratégias acima, pensando em perder gordura nas respectivas regiões, você está perdendo tempo!
Então só com aeróbio mesmo?

▶Também não! Na verdade o aeróbio de baixa/moderada intensidade está longe de ser a estratégia mais eficaz. Como a maioria das pessoas ainda segue as ideias acima, associadas a uma alimentação restrita, é natural que as pessoas não alcancem bons resultados.

aerobica x musculação
Tenho que me contentar em ter essa gordura pra sempre?

▶Não! Se você fizer a coisa certa, as chances de ter bons resultados é bastante grande!

O que devo fazer?

▶ O correto é adotar uma estratégia que promova ganho de massa muscular e perda de gordura. Isso ocorre através de um programa de treino bem planejado, com treinos de alta intensidade e descanso adequado, associado a uma boa alimentação.

Eduardo Fernandes é formado pela Universidade de São Paulo. É personal trainer, dá dicas de treino e saúdea e também oferece consultoria online. Contato: edufernandes.personal@gmail.com

 

 

Saúde, mulher, saúde!

Beautiful Female Body
Beautiful Female Body

Novidades por aqui!

Agora o Blog Mulheres de Quarenta terá um espaço dedicado especialmente para a saúde, em especial, para as mulheres da nossa faixa etária.

Qual a atividade física mais recomendada para você?

Dicas de alimentação saudável, dietas funcionais e muito mais.

O professor de Educação Física e personal Edu Fernandes será nosso colaborador e ajudará nisso.

E mais, você vai ficar por dentro das últimas novidades sobre tratamentos estéticos, cirurgia plástica, produtos inovadores, vitaminas, e muito mais para você.

Tudo para você viver melhor, com mais saúde, e claro, muito mais bonita e feliz.

Confira!

 

 

Add to cart
AN