Site de relacionamentos: Dez dicas para encontrar seu amor

1 – Não deixe que a carência afetiva faça com que você se desvie do que você procura no site. É claro que o amor pode surpreender e não dá para ser completamente fechado em determinados perfis. Mas, por exemplo, se você não deseja, em hipótese alguma, namorar com uma pessoa que fume ou que more em outro estado, não gaste seu tempo conversando com pessoas com esse perfil ou, principalmente, marcando encontros, a não ser que sua busca seja por novos amigos. Como diretor do Coroa Metade, percebi que é uma balela aquela história de que as pessoas mais velhas sabem o que querem. Nunca sabemos realmente o que queremos! Mas uma das poucas vantagens da pessoa madura é ao menos saber o que não quer;

2 – Quando marcar o primeiro encontro, faça sempre em um lugar público, como um shopping center. Não marque na sua casa e, também, não deixe a pessoa buscar você em casa. Vá por conta própria. Peça para alguém telefonar para você, e responda algo do tipo: “cheguei, sim está tudo bem. Estou aqui no Shopping Center tal…”, para deixar claro que seus amigos e parentes sabem que você foi encontrar uma pessoa que conheceu no site. Na hora de voltar, por mais simpática e atraente que a pessoa seja, retorne também por conta própria. A imensa maioria das pessoas tem boas intenções, mas é preciso tomar os mesmos procedimentos que você teria, por exemplo, em um barzinho, quando alguém olha para você e inicia uma conversa;

3 – Existem normas de segurança. Leia essas regras. Sempre dão dicas e informações importantes. Uma fundamental: nunca, em hipótese alguma, envie dinheiro para a pessoa de quem você está se aproximando. E denuncie aos organizadores do site se alguém pedir dinheiro para você ou mesmo se tiver atitudes inconvenientes;

4 – Não dê seu e-mail, Facebook, WhatsApp ou outros dados pessoais no início do relacionamento virtual. Como os golpistas sabem que podem ser rapidamente eliminados do site, fazem de tudo para conseguir essas informações logo de início, para depois permanecerem em contato. Muitos pedirão seus dados já na primeira ou segunda vez que conversarem. Proteja suas redes sociais, já que nelas os golpistas podem encontrar informações importantes sobre sua vida, o que pode facilitar a ação. Os sites de namoro foram desenvolvidos para que você se comunique com segurança por dentro do site, sem que seja necessário enviar informações pessoais;

5 – Não mande fotos comprometedoras nem se exponha em vídeos. Estas imagens podem ser mais tarde utilizadas para extorsão;

6 – Como os golpistas agem ao mesmo tempo em vários países, preste atenção nas mensagens com muitos erros de português e palavras em outros idiomas, especialmente o inglês. Como essas pessoas utilizam softwares de tradução, muitas frases ficam repletas de erros ortográficos, de concordância ou mesmo sem nexo;

7 – Na hora de entrar em um site de relacionamento, procure colocar fotos e preencher todo o seu perfil, assim como o perfil que você procura. Isso aumenta em cerca de dez vezes as chances de bons resultados;

8 – Seja verdadeiro em seu perfil. Quanto mais realista você for, mais atrairá pessoas que procuram por alguém como você. Mais que a quantidade de pessoas, importa a qualidade, de acordo com o que você deseja;

9 – Escolha, claro, fotos que mostram seus melhores ângulos, mas nunca, em hipótese alguma, fotos antigas que não revelam como você é hoje;

10 – Ninguém precisa suportar uma relação ruim por medo da solidão. Ao mesmo tempo, é necessário ter sabedoria para conviver no cotidiano. É precioso saber viver o dia a dia. Todo mundo é perfeito à distância! Todo mundo tem uma vida maravilhosa pelas Redes Sociais! O Facebook do vizinho é sempre verde e atraente! Na Vida Real existem problemas, existem momentos desgastantes e não dá para ser feliz o tempo inteiro. A vida não é uma propaganda. O verdadeiro amor implica também em tolerância, em compreensão e em ser companheiro nos grandes e pequenos momentos, nos instantes de plenitude e nas horas difíceis.

Dicas de Airton Gontow, diretor do Coroa Metade

Sobre Airton Gontow, idealizador e diretor do site Coroa Metade

Airton Gontow (foto), 59 anos, é jornalista e cronista. Trabalhou nos jornais “Folha de S. Paulo”, “Folha da Tarde” e “Jornal da Tarde”. Publicou artigos em inúmeros jornais, como “O Estado de S. Paulo”, “Folha de S. Paulo”, “Estado de Minas”, “O Liberal” (Pará), “Correio da Paraíba”, “A Tribuna” (Santos), “A Crítica” (Manaus), “O Popular” (Goiânia), “Diário da Manhã” (Goiânia), “Diário da Manhã” (Passo Fundo), “Metro News” (São Paulo), “DCI” (São Paulo), “Folha da Região” (Araçatuba,) “Grupo1 de Jornais de Bairro” (São Paulo), “Jornal de Piracicaba”, “O Imparcial” (Presidente Prudente), “Correio de Sergipe”, “Folha do Estado” (Cuiabá), “Diário Regional” (Juiz de Fora) e “Meio Norte” (Teresina); revistas, como “Veja”, “Boa Forma”, “Qual Viagem”, “Viagem e Turismo”, “Placar”, “Jardins”, “Vila Nova Conceição”, “Higienópolis”, “lounge!”, “lounge gourmet”, “Forma Física”, “Villa Marianna”, “Voto” e “Descasados”; portais, como “IG” e da revista “Placar”; e blogs, como dos jornalistas Juca Kfouri, Milton Jung, Milton Neves e Fernando Vannucci. Foi editor-assistente da revista “A Hebraica” e editor-chefe da “Viaje Bem”, revista de bordo da Vasp. Escreveu e editou, ao lado de Marcos Faerman, o livro-imagem “A Hebraica”. Editou o livro “Jerusalém – 3.000 mil anos pela Paz”.

Tem crônicas publicadas em diversos jornais e revistas. Criou e dirigiu na década de 90 o Espaço Cultural Aimberê, em São Paulo, que ministrava cursos variados, como “História da Arte”, “História da Ópera” e “Danças Indígenas”. Foi jurado de poesia do Prêmio Jabuti, o mais importante da literatura do País. Ganhou quatro viagens a Nova York, com as despesas pagas, em um concurso lançado pelo Telecine, que pedia um breve texto sobre o filme “Bee Movie”. Publicou durante cerca de dois anos no Facebook a divertida página “Umazinha Só! Mas todos os dias”. Em novembro de 2017 ganhou o prêmio (troféu e sete mil reais) de 1º. lugar em Jornalismo Impresso, categoria Profissional, na 4ª. Edição do “Prêmio de Jornalismo em Turismo Comendador Marques dos Reis”, pela melhor matéria escrita sobre o estado do Pará (“Jesus não nasceu lá, mas a cidade é divina”, revista “Qual Viagem”). Lançou em dezembro de 2013 a campanha “Restaurant Book”, que dava desconto na conta de lanchonetes, bares e restaurantes a quem levasse um ou mais livros. A campanha inspirou diversas outras semelhantes em todo o País. É há 29 anos diretor de redação da Gontof Comunicação.

É diretor do site de relacionamento Coroa Metade (www.coroametade.com.br), voltado para pessoa maduras, que idealizou e lançou ao final de 2012. Há três meses está vivendo em Israel, onde, além de permanecer à frente do site Coroa Metade e da sua empresa de jornalismo, a Gontof Comunicação, se dedica a estudar hebraico, ler muito e escrever um livro.

Precisamos deixar ir quem não nos acrescenta mais

Quando somos crianças, nós realmente acreditamos que as pessoas que amamos irão continuar em nossa vida para sempre. Mas, conforme a fase adulta avança, aprendemos que não é bem assim.

Perdemos amigos, amores, e até mesmo familiares, por simples falta de conexão.  E precisamos aprender a deixa-los ir.

Muitas vezes esse distanciamento é feito de forma natural, em outras, é abrupto, e temos que nos acostumar a viver longe de alguém a força.

E aquela pessoa que imaginávamos que nos amaria para sempre, passa a sorrir muito mais sem a nossa presença, e o mesmo acontece com a gente.

Há o afastamento também devido a distância física. Quando passamos a morar em locais muito distantes, ou ao fazer aquela viagem longa de meses para fora do país. Por mais que haja a boa intenção em nos mantermos conectados, o fuso horário e a rotina diferente pode atrapalhar o papo.

Por isso, é tão importante que valorizemos o aqui e agora. Por não sabermos como será o dia de amanhã, aproveitar os pequenos momentos ao lado de quem está conosco hoje é essencial.

Afinal, não sabemos se em algum momento o vínculo de carinho será quebrado.

Além do mais, é importante que a gente identifique quando alguma relação já não nos faz mais bem, para que nós mesmas possamos cortá-la. Assim, a gente se preserva de situações desagradáveis.

Deixar acontecer novas pessoas em nossa vida é ótimo, mas saber o momento de deixa-las ir é fundamental.

Inspirado em: https://osegredo.com.br/

Add to cart
AN