Tratamento capilar: conheça a solução para fios fracos e quebradiços!

Se você está em busca de um tratamento eficaz para cabelos frágeis, quebradiços, finos ou com falhas no couro cabeludo, o Tônico Capilar HB Health & Beauty é a solução comprovada cientificamente que você precisa. Este produto é amplamente reconhecido por profissionais da área como o tratamento mais completo disponível no mercado.

Desenvolvido para combater a queda de cabelo, estudos demonstram que o uso do Tônico Capilar HB Health & Beauty duas vezes ao dia, durante 60 dias consecutivos, estimula o crescimento capilar e fortalece os fios. Este tônico poderoso é a chave para resolver o problema da queda de cabelo de forma definitiva.

Ingredientes Poderosos para Resultados Comprovados

A fórmula do Tônico Capilar HB Health & Beauty é rica em ingredientes naturais e cientificamente comprovados:

Extratos Naturais

  • Cafeína: estimula a atividade do bulbo capilar.
  • Extrato de Jaborandi: aumenta a vitalidade do bulbo capilar e estimula o crescimento.
  • D-Pantol (Pró-Vitamina B5): mantém a vitalidade do bulbo capilar.
  • Biotina (Vitamina H ou B7): regenera as células capilares.
  • Copper Tripeptide-1, SH-Oligopeptide-2, SH-Polypeptide-9: promovem o crescimento celular.
  • L-Carnitina-L-Tartarato: estimula o crescimento capilar e aumenta as células que produzem os fios.

Benefícios do Tônico Capilar HB Health & Beauty

Estes ingredientes, quando combinados, oferecem uma série de benefícios significativos para o couro cabeludo e os fios de cabelo:

  • Recuperação do equilíbrio do couro cabeludo;
  • Redução da queda dos fios desde a raiz;
  • Fios mais encorpados, volumosos e grossos;
  • Realce do brilho natural do cabelo.

Tecnologia Nanotecnológica para Máxima Eficácia

Os ativos nanotecnológicos presentes na fórmula do Tônico Capilar HB Health & Beauty agem com precisão no bulbo capilar enfraquecido, proporcionando:

  • Regulação da oleosidade;
  • Otimização do fluxo sanguíneo no couro cabeludo;
  • Estimulação da formação de novos fios;
  • Fortalecimento da fibra capilar;
  • Interrupção do ciclo de queda.

E para saber mais sobre nanotecnologia e seus benefícios, confira uma matéria publicada no Portal Terra com Fabiana Alves, CEO HB Health & Beauty, em que ela explica os diferenciais da tecnologia. Clique aqui!

Quer adquirir o seu agora? Aproveite e acesse o site: https://www.hbsaudeebeleza.com.br/

Sexo tem data de validade?

Os seres humanos são seres sexuais. Não à toa, sexualidade e intimidade são elementos essenciais para a qualidade de vida, com benefícios físicos, emocionais e relacionais claros e comprovados.

De acordo com Roma, o propósito do sexo é procriar. De acordo com Hollywood, o sexo é apenas para os jovens, os saudáveis e os bonitos. Para a profissão médica, o sexo consiste principalmente em riscos ou disfunções. Os resultados desses preconceitos? Muitas pessoas de meia-idade temem sua vida sexual posterior. E os profissionais médicos geralmente se esquivam do assunto e raramente perguntam sobre a sexualidade.

Vejamos os dados quando pesquisadores ousaram perguntar aos idosos sobre sua sexualidade. Começamos com a pesquisa nacional do Reino Unido sobre sexualidade em 2015. O estudo encontrou uma ligação entre a idade e um declínio em vários aspectos da atividade sexual, mas não uma eliminação completa.

Por exemplo, entre os homens com idades entre 70 e 79 anos, 59% relataram ter tido relações sexuais no ano anterior, sendo que 19% fizeram sexo pelo menos duas vezes por mês e 18% se masturbaram pelo menos com essa frequência. Acima dos 80 anos, esses números caíram para 39%, 6% e 5%, respectivamente. A razão por trás desses declínios? Uma combinação de tabu, medo de doenças, uso de medicamentos ou outras intervenções que interferem na função sexual ou causam deformações, e um pouco da própria idade.

E as mulheres? Entre as mulheres com idades entre 70 e 79 anos, 39% disseram ter tido relações sexuais no ano anterior, sendo que 6% fizeram sexo pelo menos duas vezes por mês e 5% se masturbaram duas vezes ou mais por mês. Acima dos 80 anos, esses números foram de 10%, 4,5% e 1%, respectivamente. Os fatores que levaram à diminuição nas mulheres foram os mesmos que nos homens, além da triste realidade de que muitas mulheres heterossexuais se tornam viúvas porque seus parceiros mais velhos morrem mais cedo.

A diferença entre homens e mulheres também reflete níveis mais baixos de testosterona nas mulheres. E, porque as mulheres dizem valorizar mais a intimidade do que o desempenho, temos duas explicações para sua menor frequência de masturbação. Afinal, muita intimidade ocorre sem relação sexual ou masturbação.

E quanto à data de validade para o sexo? Pesquisas fascinantes de Nils Beckman e colegas descobriram que o desejo sexual persiste mesmo quando as pessoas (e os homens em particular) atingem os 100 anos. O grupo de Beckman entrevistou 269 idosos suecos, todos sem demência, aos 97 anos. O desejo sexual foi afirmado por 27% dos homens e 5% das mulheres na pesquisa. Entre os homens, 32% disseram que ainda tinham pensamentos sexuais, em comparação com 18% das mulheres. Enquanto isso, 26% dos homens e 15% das mulheres disseram que sentiam falta da atividade sexual.

Gradualmente estamos aprendendo mais sobre os muitos benefícios para a saúde a curto, médio e longo prazo da atividade sexual individual e em conjunto. Benefícios a curto prazo incluem relaxamento muscular, alívio de dores e sono melhorado – todos bastante valiosos para adultos mais velhos.

Exemplos de benefícios a médio prazo incluem alívio do estresse e menos depressão. Por fim, embora os benefícios a longo prazo do sexo possam ser menos relevantes para os idosos, eles existem. Entre eles estão o adiamento do início da demência e uma redução substancial nos problemas cardiovasculares e cerebrovasculares em homens. Mais sexo tem sido associado à longevidade, com os homens se beneficiando um pouco mais ao passar por todo o processo, incluindo um orgasmo, enquanto as mulheres parecem se beneficiar de ter uma vida sexual “satisfatória”, que nem sempre requer um orgasmo.

Por Dr. Igor Padovesi

Ginecologista formado e pós-graduado pela USP, médico do Hospital Albert Einstein, membro da North American Menopause Society (NAMS) e da International Menopause Society (IMS), e criador do projeto Menopausa Com Ciência.

Site: igorpadovesi.com.br / menopausacomciencia.com.br

Instagram: @dr.igorpadovesi / @menopausacomciencia

 

 

Dor na Relação x Menopausa: como lidar?

Nessa fase da vida, entre os 45 e os 55 anos, começa a ocorrer o declínio dos hormônios reprodutores, é a passagem da idade fértil para a menopausa, onde definitivamente ocorre a falência ovariana e deixamos de produzir o estrogênio e a progesterona. É muito comum que ocorram mudanças importantes em como são encarados e vivenciados os relacionamentos, a sexualidade, e pode ser o início da DOR NA RELAÇÃO SEXUAL.

Com a falência dos hormônios, e em especial o estrogênio, o organismo sofre um baita impacto, tudo se transforma. É um redemoinho de sensações, labilidade emocional, falta de memória, ganho de peso, perda de massa magra, osteoporose, entre outros. Surgem com maior frequência, as síndromes urogenitais, responsáveis por provocar dor na relação sexual, desconforto urinário. Com a queda do estrogênio pode ocorrer:

– Afinamento do tecido vaginal e uretral;
– Perda da elasticidade;
– Diminuição da lubrificação;
– Queimação;
– Irritação e ardência.

A relação sexual torna-se desconfortável, o que era prazeroso passa a ser momento de dor e desconforto. Não existe lubrificação, parece que a vagina encolheu. A penetração, quando acontece, é com muito atrito, muito sofrimento. Algumas mulheres, que estão com a frequência sexual diminuída ou nula, acabam se deparando com essa situação na hora de realizar o exame ginecológico preventivo. A dificuldade ou a impossibilidade de realizar o exame, faz com que elas tomem conhecimento da atrofia vaginal.

É nessas condições que as mulheres chegam até mim, com queixas de dor na relação, impossibilitadas de realizar os exames ginecológicos preventivos, aflitas e sem entender o que está acontecendo. Não tinham conhecimento que isso poderia acontecer.

O tratamento que proponho baseia-se em orientações, exercícios, manipulação pélvica, eletroestimulação, conscientização e coordenação corporal e pélvica. Meu objetivo é devolver funcionalidade, e mais do que isso, devolver autonomia, para que ela possa vivenciar sua sexualidade sem medo, que consiga realizar seus exames para a prevenção da sua saúde, e o mais importante, sem dor ou sofrimento.

Procuro conscientizar, de que tão importante quanto ir ao médico ginecologista aos primeiros sintomas da menopausa, também se faz necessário passar por uma avaliação fisioterapêutica com o intuito de prevenir ou tratar tais queixas, além da possibilidade de avaliar como está a musculatura de assoalho pélvico no que diz respeito a força, tônus e resistência para a prevenção das incontinências e prolapsos (queda dos órgãos pélvicos).

Menopausa não é fim de linha, é o início de uma nova jornada, que será fantástica se vivenciada com autonomia, maturidade, consciência, prazer e sexo! Existe tratamento, dor na relação tem cura! Consulte uma Fisioterapeuta pélvica especializada.

Por Cristina Nobile

Fisioterapeuta Pélvica
Crefito-3/157407-F
Tel: (11) 93404-3370 – (11) 3061-3370
Instagram: @clinicamulheresmais
Site: www.clinicamulheresmais.com.br

Atendo há mais de 5 anos apenas mulheres com dor na relação sexual. São mulheres de todas as idades, mas o meu maior público são as que estão na casa dos 45 ou 55 anos, como eu!

Descubra como combater a insônia após os quarenta!

Alguma vez você já rolou na cama por horas e nada de o sono vir? Se sim, você não está sozinha. A insônia entre as mulheres maduras é mais comum do que imaginamos e ocorre por conta dos hormônios da menopausa, que desregula uma boa noite de sono.

Segundo um estudo realizado pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), apenas um terço das mulheres (em torno de 33%) podem ser qualificadas como boas dormidoras.

E na menopausa, isso torna-se ainda mais gritante, uma vez que uma pesquisa científica internacional, feita com mais de seis mil mulheres, apontou que 46,3% de quem tem menopausa apresenta má qualidade de sono ou insônia.

Esse dado é alarmante, porque uma noite mal dormida afeta completamente o dia de uma pessoa e a qualidade de vida, respingando no humor, na pele, na ansiedade, aumento do cansaço e entre outros fatores.

Entretanto, acostumar-se a isso não pode ser uma opção. Atualmente, há uma série de alternativas que auxiliam nos sintomas da menopausa, incluindo a insônia, e um deles é o Fator Múltiplo F-Strogen®, elemento presente no GinSoy, da Neopharm.

Totalmente natural e com selo da ANVISA, as cápsulas ajudam a driblar a insônia, fazendo que uma noite de sono tenha qualidade para quem o usufrui, além de reforçar em outros aspectos derivado dos hormônios na menopausa.

Entenda melhor e garanta já o seu: https://ginsoy.com.br/

Não brigue com o seu cisto de ovário

Sempre escuto no consultório, de pacientes que ainda não passaram em consulta comigo, queixas como: “tenho cistos nos ovários”, “tenho ovários policísticos”, “tomo pílula por causa do cisto”. Pois bem, meninas, saibam uma coisa: ter cisto no ovário faz parte da vida da mulher! Portanto, não sofram! E vou explicar o porquê.

Antes de tudo, vamos entender um pouco melhor os ovários.

Eles são órgãos fundamentais para o dia a dia de uma mulher, responsáveis por produzir hormônios que vão nortear suas funções femininas e guardar os ovinhos – os óvulos – para engravidar. A mulher já nasce com a quantidade de óvulos definida para a vida toda, e na puberdade conta com um número entre 300 e 500 mil deles.

A cada mês o organismo escolhe um desses óvulos para crescer e sair do ovário, na tentativa de encontrar o espermatozoide e gerar uma nova vida. Esse processo leva um ciclo todo e, se não der certo, a mulher menstrua.

A história é linda, mas quando você vai fazer um ultrassom, um pesadelo pode surgir.

Isso porque esse óvulo, que cresce, é um cisto na imagem que aparece na nossa tela. Para a gente, que faz o exame, parece uma bolinha com água dentro. Um cisto simples! Completamente benigno e que vai desaparecer em alguns dias. Só que algo tão inocente acaba virando um pesadelo quando vocês não são corretamente informadas, correm para a internet para descobrir o significado do resultado e pronto, passam a acreditar que têm cistos no ovários, ovários policísticos, enfim.

O susto é ainda maior quando uma paciente jovem vai fazer esse exame e, exatamente por ser jovem, tem muitos ovinhos nos ovários. Consequentemente, muitos cistos, pequenos, também benignos – o tal do ovário (micro) policístico. E ainda bem que eles estão lá, porque eles vão te ajudar a engravidar (caso seja a sua vontade, claro).

Mas por que então tanto tabu e medo quando se fala nisso?

Porque existe a SOP – Síndrome dos Ovários Policísticos. Importante frisar aqui que ter ovários policísticos é bem diferente de ter a Síndrome dos Ovários Policísticos.

Essa síndrome é uma alteração hormonal caracterizada pelo excesso de hormônios androgênicos (masculinos – por isso algumas pacientes apresentam excesso de pelos); pelos distúrbios menstruais (menstruação com intervalos maiores) e o aspecto policístico dos ovários no ultrassom.

A SOP traz consequências para o corpo e para a saúde da mulher, como obesidade, alterações nos índices de colesterol, pressão alta e maior propensão ao diabetes. Ainda assim, o problema desta síndrome não são os cistos em si, e sim um desequilíbrio hormonal. A SOP também atrapalha a fertilidade porque não permite a ovulação mensal como deveria acontecer.

Claro que vez ou outra pode aparecer um cisto com características benignas, porém muito grande, que dificilmente desaparecerá sozinho. Também aparecerá aqueles com características malignas, mas este diagnóstico, acredite, não será definido a partir de um exame de imagem. O que fazer a partir de um suspeita em relação a um cisto, a conduta tomada, será indicada por um especialista, já que cada cisto pede uma abordagem diferente.

Por fim, há ainda a chance de, em um ultrassom dos ovários, aparecer um nódulo. Esse nódulo pode também ser definido como um “carocinho” e possui características bem diferentes do cisto. No entanto, assim como os cistos, pode igualmente ser benigno ou maligno. Por fim, vale aqui também o conselho de não se desesperar com esse resultado. Espere e converse com o seu ou sua ginecologista, que te ajudará a entendê-lo.

Por: Rodrigo Ferrarese – Médico, especializado em uroginecologia, em endoscopia ginecológica (https://www.instagram.com/dr.rodrigoferrarese/)

Add to cart
AN