Como aumentar o benefício das sementes

As sementes e os frutos secos – nozes, castanhas, pinhões, amêndoas e outros semelhantes – são ricos em nutrientes, gorduras saudáveis e fibra e têm muita importância na dieta alimentar que escolhemos. Mas, se você as consome, seria bom que soubessem como aumentar seus benefícios à saúde.

Como assim ??

Normalmente a gente consome sementes como nozes e amêndoas, tostadas, em açúcar ou sal, ou misturadas com outros alimentos, mas, saiba que o processo de tostar – levar ao forno – lhes retira uma grande parte dos seus óleos naturais, que são uma de suas maiores riquezas.

Para evitar esta perda talvez você possa começar a consumi-las cruas, ou tostar em casa (forno baixo – 50graus), com um óleo de boa qualidade (azeite de oliva extra virgem e consumidas de imediato ou armazenar em pote de vidro bem fechado em lugar fresco e sem luminosidade).

Para tirar o maior proveito da riqueza nutricional das sementes de oleaginosas o indicado é você colocá-las, cruas, de molho em água, por várias horas (ou toda a noite, para usá-las no dia seguinte).

O fato de se colocar as sementes de oleaginosas de molho durante horas vai reduzir seu conteúdo em ácido fítico, que é a forma em que essas plantas armazenam o elemento fósforo.

Quando há muito ácido fítico no alimento – caso das sementes oleaginosas, grãos e leguminosas em geral – o fósforo, nessa forma, sequestra outros elementos que são importantes para a nossa nutrição e estes – ferro, zinco, cálcio, magnésio, manganês – ficam indisponíveis para a absorção pela mucosa intestinal e, portanto, indisponíveis para nosso uso.

A carência desses elementos sequestrados resulta em problemas de desnutrição acentuada apesar da ingestão de quantidades adequadas do alimento e, consequentemente, em problemas de saúde como, por exemplo, a osteoporose (quando há carência de magnésio e cálcio).

Claro que se você só consome um ou outro punhado de amêndoas, ou nozes, como aperitivo (e é uma delícia!), a quantidade de ácido fítico que entrará no seu sistema não será significativa, mas, se você come das oleaginosas diariamente, então já poderá se tornar um problema.

Todo o problema decorre de que nosso organismo não sintetiza a enzima fitase, que rompe o ácido fítico e que é sintetizada por alguns animais, mas, podemos conseguir enzimas suficientes pela ativação dos frutos secos pelo molho prolongado, a germinação ou a fermentação, que são processos naturais.

Os frutos secos – nozes, amêndoas, castanhas e seus similares – contêm inibidores enzimáticos que são produzidos naturalmente e que previnem a germinação prematura destas sementes. Então, todo o processo é para quebrar esse circuito de inibição da germinação.

Essas sementes possuem tais inibidores enzimáticos pela necessidade que a planta tem de esperar melhores condições de germinação para que se possa reproduzir – isso tem a ver com calor e umidade ambientais – mas, esse é um processo que não é benéfico quando nos alimentamos delas.

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”

 

Pão de gergelim com Chia 

 

Pão de gergelim com Chia 

Para quem adora um pãozinho, mas não quer ou não pode consumir glúten, este é uma das opções muito boa! saudável, fácil e gostoso. Dá para congelar e comer quando der vontade. Experimente !!

Rendimento: 4 Porções

Modo de Preparo: Em uma tigela misture a farinha de aveia, o polvilho, a chia, azeite, orégano, fermento e o sal. Junte a água morna aos poucos e vá mexendo até formar uma massa mole. Se necessário adicione aos poucos mais água morna. Distribua a massa em forma de bolo inglês  e leve ao forno médio por uns 15 a 20 minutos até dourar. Sirva a seguir.

Obs: utilize temperos a gosto como pimenta, açafrão, alecrim, salsinha…

Ingredientes

4 col. de sopa de farinha de aveia

4 col. de sopa de Polvilho Doce

2 col. de sopa de chia

1 col. de sopa de Fermento químico (pó)

1 col. de sopa de Orégano (seco)

100 ml de Água

2 col. de sobremesa de azeite de oliva (extra virgem)

1 col. de Sal Rosa do Himaláia

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”

Como reduzir o risco de câncer

Substâncias presentes em frutas e legumes comuns protegem o corpo contra a doença

A importância dos hábitos alimentares em doenças como o câncer tem ficado cada vez mais evidente em pesquisas recentes. Dentre os fatores que podemos controlar, a nutrição adequada é uma das principais formas com que se pode reduzir o risco de determinados tipo de câncer.

Existem alimentos específicos que possuem nutrientes diretamente associados não só à prevenção do câncer, mas ao combate da doença mesmo depois do diagnóstico. Conheça quais são e escolha quais incluir na dieta com mais frequência.

Castanha-do-pará


A castanha-do-pará é uma das maiores fontes conhecidas de selênio. Este mineral é necessário para manter a função da tiroide e das enzimas do fígado, além de combater radicais livres que podem causar o câncer.

Uma pesquisa feita na Nova Zelândia mostrou que apenas uma castanha-do-pará por dia já é suficiente para manter o nível recomendado de selênio, que não é comumente encontrado nos alimentos, e que a castanha é mais eficiente nesta reposição do que o próprio suplemento isolado.

O equilíbrio, como na maioria dos alimentos desta lista, é essencial para evitar o acúmulo excessivo do mineral nos tecidos do corpo.

Goiaba


A goiaba vermelha é rica em substâncias que têm se mostrado benéficas contra o câncer, os carotenoides. Presentes em quase todos os legumes e frutas amarelos, laranjas e vermelhos, pesquisas mostram que esses nutrientes ajudam na prevenção do câncer de pele, mama e de próstata. A concentração de um nutriente deste grupo, o licopeno, é especialmente alta em goiabas.

Os cientistas acreditam, porém, que não são os carotenoides isolados que protegem contra o câncer, e sim uma sinergia dessas substâncias com os demais nutrientes presentes nos legumes. Incluir porções desse tipo de alimento, portanto, é mais eficiente do que utilizar suplementos.

A vitamina C também é geralmente associada ao fortalecimento imunológico e estudos mostram que a substância é capaz de combater ativamente o câncer. Essa substância é muitas vezes associada diretamente à laranja. Mas, enquanto 100 gramas de laranja tem em média 60 mg de vitamina C, a mesma quantidade de goiaba pode chegar a 330 mg.

 

Espinafre
O espinafre é rico em diversas substâncias associadas ao combate e prevenção do câncer, como os carotenoides, o ácido fólico e a vitamina E.

O ácido fólico é importante para a reprodução das hemácias, as células vermelhas do sangue, além de ajudar na manutenção de células novas e prevenir alterações no DNA, que podem levar ao câncer.

A vitamina E também é associada com a diminuição do ritmo de crescimento de tumores, além de fortalecer o sistema imunológico. Além do câncer, a substância é utilizada de forma complementar a tratamentos de doenças cardíacas, hipertensão, úlceras e alergias.

Alho
O alho possui propriedades que ajudam o corpo a combater diversos tipos de doenças, com efeitos antibacterianos, antifúngicos e antiinflamatórios.

Além de vitamina C e selênio, o alho possui manganês e vitamina B6, que têm efeito antioxidante.

O relatório de saúde feminina do estado de Iowa, nos Estados Unidos, relacionou o consumo frequente de alho a um risco 50% menor de câncer de cólon. Outro estudo, na China, mostrou que o consumo de alho e alimentos da mesma família reduziu os riscos de câncer de esôfago e estômago.

Uva


A casca da uva, assim como de outras frutas na cor roxo e vermelho-escuro, é rica em resveratrol, substância que é capaz de inibir a formação de tumores no fígado, estômago, mamas e no sistema linfático.

Em casos de câncer, o resveratrol diminui o crescimento do tumor e é até capaz de matar células cancerosas por si só.

Cientistas brasileiros demonstraram que a associação entre resveratrol e quimioterapia potencializa o tratamento e ele é estudado como possível alternativa para tratamento de tumores que não respondem às terapias convencionais.

Salmão


O salmão e outros peixes oleosos de águas profundas são boas fontes de Ômega-3, ácido graxo poliinsaturado que ficou conhecido como uma forma de “gordura boa”, que reduz o risco de ataque cardíaco e é rico em antioxidantes. Os antioxidantes combatem o envelhecimento precoce das células, o que auxilia a reprodução celular saudável e evita o câncer.

Além disso, o Ômega-3 fortalece os telômeros das fitas de DNA, que servem para selar e proteger o código genético de danos causados por células cancerosas.

Em um estudo publicado no periódico Cancer Prevention Research, altas doses de Ômega-3 ajudaram a reduzir a densidade mamográfica em mulheres acima do peso. A alta densidade do tecido dos seios é um fator de risco para o câncer de mama.

É preciso destacar, porém, que pesquisas recentes sugerem cautela na ingestão de suplementos de óleos de peixe e outras fontes de Ômega-3. Publicado no Journal of the National Cancer Institute, um experimento mostrou a relação entre altas doses de Ômega-3 e o surgimento e agravamento do câncer de próstata.

De acordo com os pesquisadores, homens que utilizavam uma dose de suplementação de Ômega-3 (equivalente a três ou quatro refeições de salmão por semana) tinham 71% mais chance de desenvolver o tipo mais grave de câncer de próstata do que pessoas que não usam o suplemento.

Mais uma vez há comprovações que ter bons hábitos alimentares e introduzir estes alimentos com mais frequência pode não só garantir Saúde, mas reduzir o risco de desenvolvimento de câncer, principalmente para quem já tem predisposição genética.

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

Como evitar a flacidez após os 40 anos

 

Por Roseli Rossi 

A flacidez é temida em qualquer idade, mas próximo e após os 40 anos a tendência de aumentar pelo próprio processo de envelhecimento é maior.

Na verdade, este processo de envelhecimento começa aos 30 anos, mas a cada década ele se acentua e com isto nossas estruturas, também sofrem o desgaste do tempo.

A pele, já não fica tão sedosa e elástica, começa a ocorrer manchas, rugas e a temida flacidez.

Os músculos também tendem a diminuir e a gordura a aumentar!

Os cabelos ficam mais finos e caem com mais facilidade, sem contar com os fios brancos que começam a aparecer.

Internamente, também começa a ocorrer o envelhecimento dos nossos orgãos, como fígado, coração, rins, pâncreas, etc. assim consequentemente a função desempenhada por cada um.

O envelhecimento é um processo natural, a todo momento nossas células nascem e morrem, só que á partir de uma certa idade elas mais morrem do que nascem e desta maneira ocorre este processo.

Mas uma boa notícia!! Podemos retardar este processo através de condutas importantes no nosso estilo de vida! Ter bons hábitos alimentares, praticar exercícios físicos e cuidar da alma freia este processo.

A flacidez esta relacionada também com o “efeito sanfona”, ou seja, quando a pessoa ganha ou perde peso com muita frequência.  Com o tempo, a nossa produção de colágeno, a proteína que dá sustentação à pele, diminui naturalmente, além disto, a má alimentação, o sedentarismo, o excesso de exposição ao sol e o fumo, além de favorecerem a flacidez, que pode ser cutânea ou muscular.

 

Os alimentos piores para a flacidez:

1 – Carboidratos refinados;

2 – Gorduras saturadas e trans;

3 – Excesso de sal;

4 – Alimentos processados e embutidos;

5 – Alimentos industrializados.

 

Os alimentos melhores para combater a flacidez:

 

  • Alimentos antioxidantes, como vegetais de cor verde, frutas cítricas e sementes, ajudam a combater os radicais livres e ainda a fazer uma limpeza no organismo, tirando suas toxinas. As frutas vermelhas, por exemplo, têm poderosa ação antioxidante.
  • Proteínas em quantidades e qualidades adequadas, como carne, peixes e frango, feijões, quinoa, iogurte, que fornecem aminoácidos ao organismo, essenciais para a formação dos músculos, deixando tudo durinho.

  • Evite as gorduras saturadas e foque nas mono e poli-insaturadas, as famosas gorduras do bem. Sementes e castanhas, azeite de oliva, óleo de coco.
  • Consuma alimentos que contêm nutrientes que ajudam na formação de colágeno. A aveia é fonte de silício, fundamental para a produção dessa proteína. Goiaba, acerola, laranja, morango são alimentos ricos em vitamina C. Já as castanhas, amendoim, nozes e sementes são fonte de zinco, outro nutriente requisitado para a produção do colágeno também.
  • A hidratação é fundamental, para eliminar as toxinas, evitar inchaços, e levar todos estes nutrientes até as células.

Desta maneira você chegará aos 50, 60, 70 anos na sua melhor forma física e mental!

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

Ceia saudável no Natal

 

Por Roseli Rossi 

Chegou a época tão festiva e comemorada no mundo todo: o Natal!

Um momento que deve ser comemorado com muita alegria, paz e principalmente saúde. Uma época de reflexões interiores, de celebração pelas conquistas do ano e da união de forças para as tarefas que se seguem adiante, pois durante o ano inteiro em meios as alegrias e conquistas, quanto estresse, ansiedade, problemas, tristezas se passaram e agora é hora de pensar num futuro   mais otimista e promissor!

Junto ao prazer de estar com a família e amigos, a tradição segue com as comidas que também são indispensáveis, como em qualquer comemoração. Os tradicionais pratos preparados no Natal como as aves, carnes de vaca, suínas, tiveram origem em países que vivem esta época natalina na estação do inverno, assim, a preferência é por alimentos com alta densidade calórica recheados de gorduras, carboidratos refinados, cremes e tudo mais.

Ocorre que no Brasil não é inverno no Natal, é verão!!! Calor, praia, 30º graus, sol, longe de ser indicadas essas preparações.

O indicado na hora de ceia é seguir essas tradições porém com certas adaptações das preparações  tradicionais considerando o nosso clima , pois as receitas típicas natalinas somado às bebidas alcoólicas, com certeza trarão uma sobrecarga muito grande ao organismo, com inúmeros sintomas desagradáveis mesmo à quem tem o hábito de consumi-las, podendo inclusive estragar toda a festa.

Neste período não é necessário privar-se das delícias, mas consumi-las com moderação e adaptações. Por exemplo, ao optar pelos pratos principais, opte por um só e não um pouco de cada um, ou seja, o peru ou chester ou lombo ou tender ou peixe. No caso dos acompanhamentos prefira o arroz ou farofa ou batatas ou massas. O mesmo vale para os doces, se não resistir à eles, escolha um para saborear sem culpa. Ao experimentar um “pouquinho” de cada, costuma -se dobrar ou até mesmo triplicar a porção que deveria ser consumida.

Misturar vários tipos de alimentos e condimentos em um momento só poderão lhe trazer má digestão, dores de estomago, azia, dores de cabeça, indisposição, mal estarem, prejudicando este momento  tão mágico e especial!

Assim, auxiliando a preparação de uma ceia sem culpa mas com muito sabor e saúde, indicamos trocas inteligentes, práticas e deliciosas para substituir a ceia tradicional por uma mais leve e mais saudável. 

Assim, de acordo com as sugestões de preparações de uma ceia light, elaboramos um cardápio completo pra você.

O desafio desta época é resistir às tentações tradicionais e agradar ao paladar de todos que estão ao nosso lado nestes momentos, porém, com substituições simples e um tanto quanto saborosas, a ceia terá o mesmo sabor mas com muito mais saúde!!

Tradições nunca devem ser abandonadas, sentimentos devem ser cada vez mais expressos e momentos jamais devem ser esquecidos…

Receitas

Ameixa Recheada

Rendimento: 15 porções  70kcal/cada

30 ameixas pretas

20 amêndoas secas

8 fatias de peito de peru

3 colheres de sopa de cream cheese light

Modo de Preparo: Coloque as amêndoas em água fervente por 3 minutos. Retire do fogo, escorra e espalhe-as em uma forma e leve ao forno médio preaquecido, até dourar. Pique-as grosseiramente e misture com o cream cheesee o peito peru picado (processado). Corte as ameixas ao meio e recheie com essa mistura. Feche as ameixas. Deixe na geladeira até o momento de servir.

 

Salada de Feijão Branco,Salmão e Limão

Rendimento:4 porções   148kcal/cada

4 colheres de sopa de feijão branco cozido

2 postas de salmão cozido

4 alhos

2 colheres de sopa de salsinha

1 folha de louro

1 colher de sopa de azeite

2 colheres de sopa de suco de limão

1 colher de chá de sal light

1 colher de sopa de pimenta rosa

Modo de Preparo: Cozinhe o salmão à vapor com alho e louro e sal. Corte em pequenos pedaços . Numa tigela misture o feijão branco com o salmão , o alho. Acrescente a salsinha picada e o suco de limão, o sal, a pimenta e o azeite.Mantenha em refrigeração até servir.

 

Risoto Cítrico com Pistache

Rendimento:4 porções  280kcal/cada

1 xícara de chá de arroz arbóreo

1 limão

4 laranjas

1 cebola

20 pistaches

½ taça de vinho branco seco

1 colher de sopa de azeite

1 colher de chá de sal light

Modo de Preparo: Esprema as laranjas e o limão para retirar o suco e reserve-os. Leve ao fogo numa panela os sucos juntamente com  1/2 litro da água, até ferver. Reduza o fogo e mantenha aquecido. Pique a cebola e coloque numa outra panela juntamente com o arroz sem lavar e refogue, mexendo rapidamente, por 5 minutos. Misture o vinho e o sal e cozinhe, sem parar de mexer, até o vinho evaporar. A seguir, adicione os sucos de limão e de laranja fervente e deixe cozinhar até que o arroz fique cozido e todo o  líquido seja absorvido. Retire do fogo, distribua o risoto nos pratos e decore com rodelas do limão e da laranja reservados. Salpique os pistaches e sirva em seguida.

 

Filé ao Suco de Fruta Recheado

Rendimento: 8 porções  202kcal/cada

1 peça de carne bovina magra

¼ de copo de suco de abacaxi sem açúcar

½ de suco de uva integral

3 colheres de chá de sal grosso

1 colher de sopa de alecrim

3 ramos de sálvia

3 colheres de sopa de salsinha

3 cebolas

3 alhos

1 colher de sopa de orégano

Modo de Preparo: Retire bem a gordura da peça de filé mignon, abra-a ao meio sem cortá-la até o final. Misture o suco de abacaxi e o de uva. Coloque a peça em um saco plástico e adicione os sucos, feche e deixe no refrigerador por 30 minutos. Retire a peça, reserve o suco de fruta e  abra em uma assadeira.À parte higienize as cebolas e o alho, corte-os em rodelas e tempere com sal e orégano. Recheie a carne e enrole, fechando-a com palitos. Misture ao sal grosso com as ervas ( tomilho, sálvia e salsinha). Adicione este sal com ervas por cima da peça de filé de maneira uniforme. Cubra com papel manteiga e leve ao forno médio por 60 minutos ou até ficar cozida, retire o papel, derrame os suco de fruta e retorne ao forno até dourar. Sirva a seguir.

Cremoso de Chocolate ao Licor

Rendimento: 4 porções   120kcal/cada

1 xícara de leite desnatado

1 pote de iogurte natural desnatado

2 colheres de sopa de chocolate em pó

½ cálice de licor

1 sachê de gelatina sem sabor

3 colheres de sopa de adoçante em pó para culinária

Modo de Preparo: Dissolva a gelatina conforme instruções da embalagem. Reserve. Leve ao liquidificador todos os ingredientes e a gelatina dissolvida. Bata por 4 minutos.

Coloque o creme em taças e leve à geladeira por 4 horas. Decore com raspas de chocolate. Sirva a seguir. Opção  de licor: Amareto

 

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Sal Gourmet

Por Roseli Rossi 

Sal. Até pouco tempo, chegar nesse item da lista de compras causava alívio. Afinal, ao contrário de outros produtos, não havia muito o que pesquisar ou inspecionar nas gôndolas. Mas uma onda de sais coloridos vindos dos cantos mais exóticos do planeta, como montanhas do Himalaia, Chipre e Marrocos, deixou esse processo meio demorado. Além disso, despertou uma dúvida no consumidor: seriam esses temperos com apelo gourmet mais saudáveis?

Até então, estudos demonstraram que estes sais ditos “Gourmet” são melhores para a saúde, mas recentemente as nutricionistas Eliana Giuntini e Kristy Soraia Coelho, que trabalham Centro de Pesquisa em Alimentos (o FoRC), vinculado à Universidade de São Paulo e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp),fizeram uma revisão dos estudos que investigam os benefícios no consumo do sal rosa e demais.

Ao final do trabalho, comprovaram que por não serem refinados, preservam mais os minerais, só que longe de serem fontes de tais micronutrientes. Vide tabela abaixo.

Só um exemplo, o sal rosa possui 8 mg de cálcio/5g do produto, sim 4x mais que o refinado, mas a recomendação de cálcio é de 1.000mg. Sendo assim, jamais poderá contribuir para alcance desta recomendação. E 5g de sal é a recomendação atual de consumo de sal ao dia (OMS).

Foi observado também que apresentam quase o mesmo teor de sódio, sendo assim devem ser restritos como os demais, para quem deve ter controle deste mineral, como os hipertensos ou quem quer prevenir problemas de saúde.

Verificaram que as quantidades de iodo, também não são melhores do que os refinados como dizem, uma vez que no sal refinado é adicionado iodo, desde 1953. Este mineral é fundamental para síntese de hormônios produzidos pela tireoide. Com ele em falta, abre-se caminho para chateações como o bócio.

Isto não quer dizer que deve se desfazer dos sais Gourmet, até porque eles fazem diferença no sabor e crocância de certas receitas. Mas, seja qual você optar, o importante é saber que este tempero deve ser usado com muita moderação e no máximo 5 g ao dia. esta quantidade fornece 2,3 g de sódio. Não podemos esquecer já consumimos este mineral em alguns alimentos in natural e praticamente em todos os industrializados. Portanto é muito fácil ultrapassar esta recomendação, e aí com o tempo poder desenvolver problemas de saúde. Mesmo levando em consideração as sensibilidades individuais é fato que o excesso de sal diariamente aumenta o risco de Doenças Cardiovasculares.

Diferentes, mas nem tanto!

Embora alguns sais tenham mais minerais, o teor não chega perto do que precisamos por dia. Com exceção do sódio*

META DIÁRIA (mg)

Marinho

Rosa

Refinado

Cálcio (1000)

6,5

8

2

Potássio (4700)

9

14

4,5

Sódio (2000)

1925

1840

2000

Zinco (8m)

0,02

0,02

0,025

Ferro (8m)

0,14

0,18

0,05

Magnésio (310)

12,45

5,3

0,07

*Os valores se referem a 5 gramas de cada sal

Fonte: Revista Super Interessante / Saúde

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

 

Os diferentes tipos de açúcar

Por Roseli Rossi 

Foi só a partir dos dois últimos séculos que o açúcar começou a ser produzido em grande quantidade e consumido de forma cada vez mais intensa. Cada vez mais purificado, o açúcar de cana (ou beterraba) se transformou em sacarose branca. Um pó branco.

Hoje nossa população é consumidora de milhares de toneladas diárias de açúcar, o açúcar refinado é o resultado de um processamento físico-químico que extrai da garapa a sacarose purificada e anidra, usando e adicionando produtos químicos como clarificantes, antiumectantes e agentes de moagem. Aditivos químicos, sintéticos, muitas vezes cancerígenos e/ou danosos à saúde. Há estudos que demonstram que a longevidade está relacionada ao menos consumo de açúcares. O corpo humano não necessita de açúcar refinado. O que ele realmente necessita é de glicose, ou seja, o tijolo básico dos carboidratos. Mas essa glicose pode ser facilmente obtida a partir de uma alimentação balanceada, onde frutas, cereais integrais, legumes e hortaliças são consumidos diariamente.

E, como estamos falando de uma droga, quem consome muito açúcar torna-se um dependente orgânico, e quanto mais intoxicado, mais deseja açúcar, mais sedentário, porque tende a ter menos força física, emocional e mental. Grandes consumidores de açúcar geralmente são fracos, astênicos, e acreditam que não podem fazer nada sem consumir um pouco de doce.

Bicarbonate in a wooden spoon

Açúcar refinado é sempre excesso de energia, acima das necessidades reais. Seu excesso pode ocasionar:

  • Depósito de gordura corporal nas vísceras, órgãos, sistemas;
    Maior demanda de energia metabólica (estresse metabólico) para contornar as desarmonias energéticas geradas;
  • Envelhecimento precoce, pois a célula só usa o que necessita, todo o resto passa a ser um “estorvo” metabólico;
  • Estímulo excessivo do pâncreas;
  • Depressão do sistema imunológico, incluindo problemas como doenças repetitivas;
  • Desmineralização orgânica, incluindo problemas de anemia, dentes e ossos;
  • Subnutrição pela depressão de enzimas digestivas, portanto pobre aproveitamento e fixação de nutrientes;
  • Problemas digestivos, gases, constipações, etc.

OS DIFERENTES TIPOS DE AÇÚCAR

  • Açúcar light: também chamado de açúcar magro, é uma mistura do açúcar comum (sacarose) com adoçante (edulcorante), e adoça duas vezes mais do que o açúcar normal.
  • Açúcar mascavo: por não passar pelo processo de refinamento, a qualidade nutricional do açúcar mascavo é melhor, em relação ao açúcar refinado. Ele apresenta vitaminas e minerais que não estão presentes na versão refinada.
  • Açúcar orgânico: o diferencial deste tipo de açúcar é que a cana utilizada em sua fabricação é cultivada sem fertilizantes químicos. Portanto, apresenta uma quantidade maior de vitaminas e minerais em relação ao açúcar refinado.
  • Açúcar Demerara: Também usada no preparo de doces, esse açúcar de nome estranho é um dos tipos mais caros. Ele passa por um refinamento leve e não recebe nenhum aditivo químico. Por isso, seus grãos são marrom-claros e têm valores nutricionais altos, parecidos com os do açúcar mascavo.

  • Açúcar de Coco: Por não passar pelo processo industrial de refinamento ao qual é submetido o açúcar comum (ou branco), esta versão “integral” mantém as vitaminas e mineiras originais provindos da palma de coco e, por isso, é muito mais nutritiva. O açúcar de coco possui quantidades elevadas de potássio, magnésio, zinco e ferro. É também uma fonte natural de vitaminas B1, B2, B3 e B6. Porém, segundo ele, uma das principais vantagens do produto é o baixo índice glicêmico, que favorece as pessoas que possuem diabetes tipo 2.
  • Mel: O mel é um alimento, geralmente encontrado em estado líquido e viscoso, que é produzido pela abelha a partir do néctar que colhem das flores. O mel possui pequenas quantidades de potássio, vitaminas do complexo B e vitamina C e alguns tipos de aminoácidos (proteínas). É rico em sais minerais como selênio, cobre, fósforo e ferro e também contém substâncias antioxidantes (flavonóides e fenólicos). Quanto mais escuro, maior concentração de minerais. Quanto mais claro mais concentração de vitamina C.

Alerta: Por ser carboidrato simples não deve ser consumido por diabéticos (pois o alimento aumenta a taxa de glicemia), indivíduos com sobrepeso e obesidade e triglicerídeos elevados, também devem evitá-los. Crianças com menos de 1 ano também devem evitar o consumo de mel, pois este pode conter esporos de Clostridium botullinum e transmitir o botulismo.

RESUMINDO

Quais as opções de açúcares melhores?

Açúcar demerara, mascavo, por conterem mais nutrientes, o açúcar de coco (tem baixo índice glicêmico e o mel por ter fitoquímicos que agem como antioxidante e fortalece o sistema imunológico).

Para quem estes açúcares podem ser indicados?

Crianças, gestantes ou quem não tem nenhuma doença, como dislipidemias, Diabetes, obesidade, nem descontrole glicêmico e insulinêmico, mas com MUITA moderação!

ADOÇANTES

Os adoçantes ou edulcorantes na sua maioria são até produzidas com matérias primas naturais, cana de açúcar, milho, mas, sofrem mudanças na industrialização que se tornam substâncias tóxicas “estranhas” e podem ter efeitos acumalativos. Outros não são absorvidos. As vantagens é que tem menos calorias ou nenhuma e não promovem hiperglicemia. Indicados para obesidade, dislipidemia, Diabetes, cardiopatias, etc.

Quais as opções de adoçantes melhores?

Menos calorias: xilitol,sorbitol.

Sem calorias: stevia, sucralose, soft sugar, sweet lift, taumatina.

Para quem estes adoçantes podem ser indicados?

Quem tem que controlar a glicemia, como o Diabético ou quem tem Resistência Insulínica, obesidades, gordura visceral, Síndrome metabólica.

Qual a recomendação diária?

5mg/Ka/dia = 1 sachê

SUCRALOSE

A sucralose é o único adulcorante de alta intensidade obtido através da sacarose, portanto, apresenta características sensoriais muito próximas á sacarose. É um pó branco cristalino com poder dulçor médio de 600 vezes maior de que a sacarose.

SUCRALOSE X AQUECIMENTO – PESQUISA DA UNICAMP

Bebidas ou alimentos que se expõem acima de 90 graus por 15 minutos podem fazer com que a sucralose libere HPAs. As principais foram os “HPAs”, que são os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, substâncias semelhantes as encontradas na gordura do churrasco e com grande potencial cancerígeno.

STEVIA
Stevia, é um adoçante natural, é um glicosídeo isolado da planta Stevia rebaudiana Bertoni e tem sido amplamente utilizada no Japão por mais de 20 anos. Recentemente, a stevia tem sido comercializada como um adoçante não calórico em produtos de panificação e refrigerantes. Estudos indicaram possíveis papéis realizados por hipotensores estévia, sugerindo que aumenta a sensibilidade à insulina e a tolerância à glicose em seres humanos.

SWEET LIFT

100% natural extraído do melão Chinês (Momordica grosvenori), juntamente com Eritritol, um poliol obtidos de frutas e cereais fermentados, que não causa diarréia como outros polióis, uma vez que é absorvido no intestino delgado e rapidamente é excretado do organismo sem sofrer metabolização. Não contém nenhuma substância artificial, como aspartame, ciclamato, sacarina e sucralose. Pode ser consumido por crianças, gestantes, diabéticos, hipertensos ou simplesmente para manutenção de peso. Estável a temperaturas elevadas, sem alterar a doçura.

TAUMATINA

Taumatina é um adoçante 100% natural extraída da fruta Katemfe, original do Sudão, no oeste Africano. A Taumatina foi documentada pela primeira vez em 1855 pelo cientista W.F. Daniell, que a descreveu como um poderoso adoçante que realça o sabor e aroma em alimentos e bebidas locais.

XYLITOL

Xylitol é um adoçante natural com o mesmo poder adoçante do açúcar, com quase metade das calorias e com baixo índice glicêmico. Xylitol pode ser utilizado para adoçar bebidas e preparar doces em geral.  Diferentemente do açúcar, o Xylitol é lentamente absorvido e metabolizado pelo organismo, característica de alimento com baixo índice glicêmico.

O ideal é sempre consumir os alimentos ou bebidas ao natural, mas caso precise adoçar, espero que saiba qual é a melhor opção para VOCÊ!!! E sempre utilize o mínimo necessário!!!

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

Caminhada SUPPLEX® com as Mulheres de Quarenta

 

Desta vez vamos fazer um evento esportivo com todas as nossas seguidoras aqui de São Paulo.

A marca SUPPLEX® (@supplex.brasil) faz um convite especial para que todas as Mulheres de Quarenta participem de uma caminhada no PARQUE DO IBIRAPUERA, com a participação e orientação de todos os profissionais da A2 Trainers, entre eles o Luis Felipe Silva, a nossa querida Rosangela Cristina Dos Santos e o Luis Fernando Freitas, profissionais certificados e super especializados para nos acompanhar.

Eles já estão fazendo uma super programação para que possamos nos exercitar e criar hábitos que nos ajudem a ter uma vida mais saudável! Os homens são super bem-vindos e as crianças também.

Nosso encontro acontecerá no dia 26/11, às 10 h, na Praça do Porquinho, local próximo ao Portão 6, que fica na Av. Quarto Centenário, 861.

Vamos entregar para as 50 primeiras MULHERES que chegarem ao evento uma camiseta exclusiva confeccionada com tecido SUPPLEX®.

Você não pode ficar de fora!

Bora lá com a gente!

 

Tudo o que eu posso garantir é a ALEGRIA, ANIMAÇÃO e o ALTO ASTRAL que sempre estão presentes em todos os nossos encontros!

Confirme já a sua participação e programe-se para esse encontro especial que vamos fazer!

Beijos!

Vanessa Palazzi

Alimentos para ficar com o cabelo mais bonito

 

Quem não quer ter o cabelo dos sonhos? Um cabelo bonito e saudável não depende só dos avançados produtos cosmetológicos. Uma alimentação balanceada e rica em nutrientes pode melhorar, e muito, a beleza dos seus cabelos. Confiram as dicas da nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional sobre esse assunto.

“O cabelo compõe-se fundamentalmente de moléculas de proteínas, dentre as quais mais importantes são denominadas queratina. À partir deste conhecimento fica evidente que o estado nutricional do indivíduo interfere diretamente na saúde  dos cabelos. Sem dúvida, a genética, idade, disfunções hormonais, estresse, gestação, exposição solar, ação térmica, uso de produtos químicos, medicamentos e certas doenças, também são causas que podem afetar a saúde capilar, ou seja, desenvolvimento, crescimento, queda, textura e brilho dos cabelos. A deficiência crônica de alguns micronutrientes pode favorecer a queda de cabelo e enfraquecimento dos fios. Esse tipo de desnutrição pode não ser percebida através do peso da pessoa, ou seja, muitas vezes a ingestão de calorias pode estar adequada, mas a de vitaminas e minerais não, esse estado também pode ser chamado de “fome oculta”. Quando isso acontece há manifestações em alguns tecidos, normalmente, naqueles de maior taxa metabólica e mitótica, como, por exemplo, os cabelos, unhas e pele.  Isso pode dar origem a aspectos negativos esteticamente como, por exemplo, diminuição do crescimento e fragilidade dos cabelos.

Esses nutrientes são necessários porque para a constituição dos fios precisamos de:

  • Proteínas: de boa qualidade devem estar em quantidade suficiente na alimentação. Elas são desdobradas em aminoácido, e este apresenta a função estrutural, de manutenção e reparo dos tecidos. Nem todos os aminoácidos estão presentes na fibra capilar, porém para que os cabelos fiquem mais bonitos, fortes e saudáveis os aminoácidos são fundamentais.

Fontes alimentares: carnes, aves, peixes e ovos. A quantidade diária                recomendada é em média de 100 a 150 g duas vezes ao dia.

  • Zinco: é constituinte do DNA celular, sendo responsável pela multiplicação de células, logo, para formação de novos fios. Além disso, o zinco ajuda na formação do colágeno, é um fator importante para não haver engrisalhamento e queda de cabelo acelerado. Além disso, o zinco é um mineral essencial para que haja controle sobre mudanças hormonais que podem ocorrer e favorecer a queda de cabelo. Um problema onde o zinco pode ajudar é na alopecia androgenética – queda de cabelo.

Fontes alimentares: frutos do mar, carnes vermelhas, castanhas, amêndoas e nozes.

 

  • Cobre: faz a síntese do colágeno que dá estrutura ao fio.

Fontes alimentares: caju, castanhas, frutos do mar, sementes de abóbora e girassol, manga, abacate, sardinha, lentilha, ervilha.

  • Ferro: está envolvido com a divisão celular que favorece o desenvolvimento dos fios. Evidências clínicas vêm demonstrando fortemente a importância do ferro no tratamento capilar. Pacientes com ferritina abaixo de 70 (mesmo sem quadro anemia)  que cursam eflúvio telógeno, ao repor ferro apresenta melhora no tratamento.

Fontes alimentares: carnes, feijões, vegetais folhosos escuros – lembrando que para sua boa absorção precisam ser consumidos com frutas cítricas.

  • Silício: importante na regeneração e síntese de fibras colágenas, pois mantém a hidratação dos fios.

Fontes alimentares: vegetais, cereais integrais, com destaque para a aveia, maior fonte de silício.

  • Cálcio e magnésio: nutrientes fundamentais para que os demais nutrientes penetrem nas células, fazendo o papel de carreadores de todos os nutrientes, além de fornecerem energia às células para sua renovação.

Fontes alimentares: Cálcio: vegetais verde escuros, leite e derivados.

            Magnésio: sementes oleaginosas, caju, feijão, arroz integral.

  • Iodo: mantém o funcionamento tireoidiano que pode interferir na velocidade do metabolismo e renovação de células.

Fontes alimentares: cavala, mexilhão, bacalhau, salmão, pescada, sardinha.

  • Ômega 3 e 6: ácidos graxos essenciais são necessários para manter a membrana celular fluida, pois com isso se mantém a elasticidade e brilho do cabelo.

      Fontes alimentares: peixes de água fria (sardinha,   arenque, cavala, salmão), semente de linhaça, chia.

  • Vitaminas do Complexo B: exerce papel essencial no metabolismo energético dos queratinócitos (células produtoras de queratina – principal estrutura capilar.

Fontes alimentares: cereais integrais, carnes, leite, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos.

  • Vitamina H (Biotina): pertencente também a vitaminas do Complexo B. Evita a queda de cabelos.

Fontes alimentares: Levedura de cerveja, fígado,   geléia real, sardinha e gema de ovo.

  • Água: mantém a hidratação dos fios e a cutícula do cabelo.

Portanto, quando a dieta alimentar contempla as necessidades individuais (calóricas e nutricionais) é variada, colorida e rica em alimentos vivos, nosso cabelo responde de forma saudável, apresentando-se resistente e brilhante. Caso tenha algum problema capilar ou mesmo queira  melhorar a saúde dos cabelos, dando mais vida, brilho e fortalecimento aos fios, consulte um nutricionista para orientar sua alimentação de maneira personalizada, isto irá garantir melhora na sua saúde geral e capilar.”

 

Dra. Roseli Lomele Rossi – CRN 2084                                                                   

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Alimento para aumentar a sua libido

E você, já ouviu falar da Maca Peruana? Veja as informações da nossa nutricionista Roseli Rossi sobre esse tubérculo que pode melhorar a sua libido.

 

A Maca Peruana (Lepidium Meyenii), um tubérculo originário da Cordilheira dos Andes, com formato semelhante ao de um rabanete, é uma planta rica em  nutrientes em nutrientes , como: aminoácidos, carboidratos, fibras, cálcio, ferro, magnésio, ômegas 3 e 9, fósforo, potássio, zinco, selênio e vitaminas B1, B2, C e E. Ela também é conhecida com Ginseng Peruano, uma das raízes mais fortes em forma de alimento.

Benefícios para saúde

  • Aumenta a fertilidade e libido, tanto no homem quanto na mulher. Alguns estudos relacionam a combinação de vitaminas do complexo B, zinco e vitamina E com a formação dos hormônios sexuais do organismo, melhorando problemas de falta de libido e infertilidade. A Maca Peruana também apresenta fitoquímicos como os alcalóides, que contêm características semelhantes ao estrogênio e às prostaglandinas, fazendo que a raiz atue na regulação das funções sexuais. Ela também atuaria sobre o hipotálamo e as glândulas suprarrenais, proporcionando efeito estimulante;
  • Auxilia no controle dos sintomas causados pela menopausa, principalmente a osteoporose, pela presença do cálcio. Além da combinação de vitaminas do complexo B, zinco e vitamina E auxiliarem na formação dos hormônios sexuais, aliviando as famosas ondas de calor;
  • Promove o aumento de energia e vigor físico. É uma raiz rica em carboidratos complexos, principal nutriente responsável pelo fornecimento de energia, além de ser fonte de vitaminas do complexo B, que participam das reações relacionadas à produção de energia ao organismo;
  • Por ser uma raiz rica em muitos minerais e vitaminas do complexo B, melhora o metabolismo energético, propiciando ganho de massa muscular;
  • Auxilia na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares, ajuda no controle da hipertensão arterial e hipercolesterolemia, pela presença dos ômegas 3 e 9;
  • Atua na prevenção da anemia, devido à sua grande concentração de ferro;
  • Apresenta o aminoácido arginina, que atua no aumento da imunidade;
  • Auxilia as dietas de emagrecimento pela grande quantidade de fibras, aumentando a saciedade e diminuindo o apetite;
  • Com grande quantidade de fibras, ajuda no controle da diabetes, evitando a liberação de grandes quantidades de insulina de uma só vez.

A Maca Peruana pode ser encontrada sob a forma de ou cápsulas. O pó pode ser usado em saladas, sucos e sopas. Recomenda-se o consumo de 500mg a 1200mg ao dia. A maca peruana pode auxiliar no processo de emagrecimento, desde que haja uma mudança nos hábitos alimentares e prática de exercícios físicos. Nenhuma conduta isolada será suficiente.
Como qualquer fitoterápico, deve ser ministrada com orientação de uma profissional habilitado.

Dra. Roseli Lomele Rossi – CRN 2084                                                                   

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Receita fit: tomates com atum

Por Roseli Rossi

Vamos combinar nesta receita Fit dois alimentos importantes, o tomate rico em licopenos – antioxidante super importante para combater o excesso dos radicais livres no organismo e garantir maior longevidade e menor risco de doenças, como câncer.

O atum, uma fonte boa, prática e bem apreciada de proteína e vitaminas do complexo B,com temperos como salsinha (diurético), azeite , nozes, gergelim (gorduras boas).

Esta receita é super fácil, pode ser consumida nos lanches intermediários ou numa refeição.

Experimente!!

Rendimento: 2 Porções

Valor calórico por porção: 175 Kcal.

Modo de preparo: Higienizar bem os tomates ou um tomate se preferir um tomate caqui, cortar a tampa e retirar as sementes e a polpa cuidadosamente. Escorrer bem a água do atum e misturar com  a salsinha, a polpa do tomate, o azeite e temperar com sal e orégano. Rechear os tomates com esta mistura. Manter em refrigeração até servir. Polvilhar com gergelim e regar com azeite de oliva.

Ingredientes

Tomate (2 unidades)

Atum ao natural (1 lata)

Nozes (4 unidades)

Salsinha (2 colheres de sopa)

Azeite de oliva (1/2 colher de sobremesa)

Orégano (1 colher de sobremesa)

Semente de gergelim (1 colher de chá)

Sal Rosa do Himalaia (1 colher de café)

Valores Nutricionais por Porção

Calorias: 175 Kcal

Proteínas: 17 g

Lipídios: 10 g

Colesterol: 27 mg

Carboidratos: 6 g

Fibras: 2 g

Bom apetite!

Até a próxima.

Roseli Rossi

Fome emocional

 

Comer sem culpa

Você sabe o que é fome emocional? Sabia que esse problema é mais comum do que você pensa? Veja o que diz a psicóloga Gisela Campiglia sobre esse assunto super interessante.

“Toda mulher sabe o que é preciso fazer para eliminar o excesso de peso, não é mesmo? Diminuir o consumo de doces e massas, eliminar frituras, tomar bastante água e priorizar a ingestão de frutas e verduras.

Certamente você já esteve em vários endocrinologistas, nutricionistas, e conhece quase todos os tipos de dieta que já inventaram: dieta da sopa, do glúten, da proteína, do suco, etc. Mas, por que é tão difícil emagrecer, mesmo tendo todas essas informações? Porque existe um tipo de fome que não é física, ela nasce da nossa dificuldade em lidar com certas emoções, a fome emocional.

Sem perceber, usamos a comida como uma válvula de escape para compensar nosso desconforto emocional. Por isso, assaltamos a geladeira no meio da noite, comemos uma caixa de bombons na frente da televisão, e o nosso regime acaba indo por água abaixo.

Estudei as dezessete emoções que acionam a fome emocional e desenvolvi um método de compensação que não utiliza a comida. Consegui eliminar 24 quilos, e criei a palestra fome emocional.

Emagrecer com saúde
Uma das emoções mais comuns que nos levam a engordar é a ansiedade. Quando estamos ansiosas comemos compulsivamente sem saborear os alimentos, devoramos o que encontrarmos pela frente. A falta de prazer com a vida gera um tipo de fome específica, ela não pode ser saciada com qualquer alimento, é aquela fome de chocolate, fome de empadinha, a comida precisa ser deliciosa para compensar a nossa falta de prazer. Mas, infelizmente o resultado é sempre negativo, porque o desconforto emocional é aliviado momentaneamente, e ficamos com o excesso de peso e a culpa por ter comido demais.”

E aí, gostaram dessa informação? A Gisela Campiglia é psicóloga, trabalha com física quântica, bioenergia, metafísica e é especialista em desenvolvimento pessoal de forma integral, incluindo corpo, mente, emoções e espirito.

Ela é a nossa nova parceira aqui do Mulheres de Quarenta está nos presenteando com um super e-book que vai ajudar você a emagrecer e a combater a sua fome emocional. Como? Basta acessar o site www.giselacampiglia.com.br para receber, gratuitamente o e-book: Ansiedade, o mal da modernidade.

Que tal? Gostaram?

 

 

Add to cart
AN