Chegou a hora da separação? Saiba como ter a certeza!

Relacionar-se com o outro, principalmente de forma amorosa, nem sempre é fácil. Os conflitos dentro de um casamento surgem, e às vezes a vontade de manter a relação passa a se apagar.

Contudo, chutar o balde nunca é a melhor solução, ainda mais em um período tão conturbado como a pandemia que estamos vivendo. É importante se conhecer e entender o que é esse sentimento que tem surgido e onde você realmente quer chegar com isso.

Desde o início da crise do coronavírus, o número de casais que resolveram dar um basta à relação tem crescido substancialmente, devido ao alto convívio que trouxe à tona uma série de problemas já existentes do casal.

E um ótimo método para você conseguir decidir se quer realmente a separação ou não é o Workbook dos Relacionamentos, criado pela Valéria Ruiz, que resolveu lançar essa ferramenta tendo em vista justamente esse panorama atual.

Trazendo todas as técnicas que ela já aplica há muito tempo em sessões de ajuda com mulheres que pensam em se separar, ele tem uma metodologia única, testada e validada, onde você mesma preenche diversos tópicos propostos por ele, fazendo uma escrita terapêutica.

Ao adquiri-lo, você ganha de bônus um vídeo explicando como deve preenchê-lo, e uma meditação para criar sintonia com relacionamentos saudáveis para a vida, seja no seu ou para atrair um novo.

Quem deve comprá-lo:

MULHERES que estão com dificuldades no casamento, têm dúvidas se devem resgatar ou terminar, querem voltar a se reconhecer, e querem superar seus medos.

Focando no autoconhecimento, ele traz a possibilidade de você analisar o que pensava no passado, o que sente hoje e o que gostaria que fosse para o futuro. Assim, consegue fazer um alinhamento, para que possa tomar a decisão ao final do Workbook. Você se conhecerá muito mais, e verá o que pensa e sente, decidindo pela separação ou pelo resgate da relação.

Adquira já o seu:

https://valeria.bemseparadas.com.br/workbook-de-relacionamentos

E caso ainda não conheça o trabalho da Valéria Ruiz, acesse: www.bemseparadas.com.br

Quando deixamos quem não nos quer mais, abrimos espaço para pessoas nos amarem

O período em que um relacionamento começa a desmoronar não é fácil para ninguém, por mais forte que a pessoa seja. E é aí, que começamos a tentar manter algo que já não faz tanto sentido, nos convencemos de que na verdade é só uma fase e que tudo ficará bem.

Insistimos dia após dia em atitudes para fazer a relação voltar ao que era, nos desgastamos, criamos esperanças que vão pelo ralo. A cada dia que achamos que tudo ficará normal, na verdade, só piora.

E agora, eu te pergunto, isso tudo vale a pena?

É claro que se temos algum problema em uma relação, o primeiro passo é tentar concertar de todas as formas. Entretanto, quando vemos que realmente não dá certo, o melhor a se fazer é deixar ir e cada um seguir o seu rumo.

Até porque, por mais que vocês vivessem tão bem antes, as pessoas mudam, e nisso, vocês podem não combinar mais, e tudo bem.

Você não merece migalhas de atenção e poucas palavras, quando na verdade tudo o que você gostaria seria carinho, amor e aconchego.

Quando perdemos tempo com alguém que já não está na mesma energia que a nossa, deixamos de conhecer quem seria a melhor pessoa. Nos fechamos para o mundo e abrimos mão de oportunidade para sermos felizes.

Abra mão, deixe ir o que já não lhe cabe, procure a felicidade de outra forma. Enxergue que a vida pode ser muito melhor a partir do momento que você realmente se valorizar e parar de aceitar pouca coisa.

A vida passa tão rápido para perdermos tempo com quem já não nos ama mais.

E se você achar que não é capaz, respire fundo e repense, porque a vida está aí para fazermos o nosso melhor dia após dia!

Como se reconstruir depois da separação

Separação, aquele momento que ouvimos falar, mas que no fundo nunca queremos de verdade que aconteça. O processo do divórcio deixa marcas, e muitas vezes, gera insegurança e o sentimento de confusão.

Mas, ele também pode ser uma grande alavanca para você olhar para todas as suas qualidades e ver o quão incrível você é. Basta que consiga se levantar e olhar ao redor. Por isso hoje, nós separamos algumas dicas de ações para você fazer após o divórcio, que na certa te ajudarão a passar por tudo isso. Confira:

1 – Liste seus sonhos e desejos

Muitas vezes, esquecemos o nosso objetivo de vida para abraçar as vontades de outro. Então, no término, faça uma reflexão para analisar o que, por fim, é realmente a sua cara e sua vontade de fazer.

2 – Mantenha as pessoas que ama por perto

Você não precisa sofrer sozinha, tenha os familiares e amigos próximos de você para desabafar e se animar.

3 – Cuide de si

Alimente-se de maneira saudável, faça exercícios físicos, e mantenha a sua beleza em dia da forma que você achar melhor. Cuidar de si aumenta a autoestima.

4 – Faça as atividades que lhe dão prazer

Busque fazer aquilo que te faz feliz, seja ir ao cinema ou a uma festa, ou comer algo gostoso e diferente.

5 – Assista a palestras e leia livros de autoconhecimento

Busque trabalhar o seu psicológico por meio de livros e palestras que te impulsionem a isso, procure evoluir cada vez mais.

Como ser moderna sem perder a elegância

Separou e vai pra balada? E agora? Por mais que não seja regra, é muito comum que diversas mulheres depois de alguns anos de casadas deixem a sensualidade de lado. E se elas optam pela separação, pode ser que acabem se sentindo um pouco perdidas para voltarem a se vestir de forma mais ousada e sensual, principalmente para curtir saídas à noite.

Se esse é seu caso, fique tranquila, pois estamos aqui justamente para te ajudar. Como primeiro passo, tenha em mente que sempre que for sair à noite é importante usar algo que remeta a este tipo de programa!

A noite pede um tipo de calça um pouco mais justa, sandálias com os pés de fora ou botas de salto alto (de preferência com bico fino), bolsas pequenas, e blusas um pouco mais decotadas, transparentes ou de renda. Esses itens sempre vão passar a mensagem de noite!

Quanto ao estilo, há algumas formas de montar o look que podem fazer com que a sua sensualidade fique incrível. São elas: uso de regatas, jeans, sutiã de renda a mostra… O bacana é que por meio dessas peças, você consegue ficar sensual na medida certa, sem grande exagero que caberia para determinadas outras ocasiões específicas.

Outra estratégia que você pode adotar para ficar sensual é o uso do couro. Seja em calças, saias ou blusinhas, esse tipo de tecido delineia melhor o corpo, salientando mais as suas curvas, e fica de forma chique e elegante. Para combinar, pode ser uma boa opção usar tecidos fluidos, que geram um caimento mais soltinho para contrastar com o justo do couro!


Já no caso de querer sair para encantar os “meninos”, lembre-se de que na maioria dos casos, o básico com feminilidade são os looks que eles mais preferem. Adoram um jeans com branco, pouca maquiagem e acessórios menores. Lembrando, primeiramente que não é regra, mas a opinião da maioria. Além disso, mais do que se vestir para os homens, é importante que você goste de como está o seu visual acima de tudo.

Boa sorte e deixe seus pontos fortes realçarem mais que os fracos. E não se esqueça: vista-se de uma forma que se sinta bem!

Colaboradoras:

Gisele Gaspar – consultora de imagem da Giz;

Jéssica Mayara (@jessica.mjornalista): jornalista, atua com produção de conteúdo para redes sociais e blogs, e assessoria de comunicação!

Como superar a dor de uma separação

Superar o término de um relacionamento amoroso não costuma ser fácil, independentemente da idade que tivermos, seja 20, 30, 40… Nós construímos a rotina ao lado de uma pessoa, e nos acostumamos a estar com ela dia a dia, e de repente, aquilo não acontece mais. Em muitos casos, podemos até mesmo passar pelos sintomas de um processo de luto.

Porém, é importante que nesse momento nós realmente tentemos diferentes formas para ficarmos melhor e conseguir seguir em frente. Separamos algumas dicas para você que está passando por essa situação:

1 – Aceite suas emoções

O primeiro passo para superar o fim de um relacionamento é aceitar as emoções que você sente, encarar que você pode não estar se sentindo bem e não há problemas nisso. Olhe para dentro de si própria, encare como está se sentindo e entenda que isso é normal, mas que vai passar em algum momento e é hora de você lutar para isso.

2 – Cuide de si

Quando passamos a cuidar mais de nós mesmas, a nossa autoestima automaticamente sobe e nos sentimos melhores. Não adianta se deixar de lado porque isso não vai resolver qualquer problema.

3 – Busque apoio

Peça ajuda a seus amigos e mostre o que está sentindo, isso vai tirar um grande peso de si. Uma outra alternativa é buscar apoio profissional também, seja por meio de terapia ou demais outras técnicas existentes.

4 – Inicie atividades novas

Quando iniciamos atividades diferentes, nós passamos a criar uma nova rotina para a nossa vida, o que é essencial para conseguirmos esquecer o nosso dia a dia de antes. Portanto, faça um novo curso, ou vá para lugares que nunca foi antes. Teste diversos tipos de ações!

5 – Evite contato

Por mais que bata a saudade e a vontade de falar com quem você tinha um relacionamento, a melhor coisa a fazer é se afastar. Quanto mais você manter contato, mais difícil vai ser de esquecer. Portanto, vire a página e segure a vontade de mandar mensagem ou fazer uma ligação!

Colaboração: Jéssica Mayara (@jessica.mjornalista): jornalista, atua com produção de conteúdo para redes sociais e blogs, e assessoria de comunicação!

Liberte-se do seu passado

Uma das minhas amigas e seguidoras do Mulheres de Quarenta se desabafou comigo. Ela é recém-separada e se lamentava sobre a solidão. Os filhos, já crescidos, estavam tomando seu rumo. Ela, que ficou anos casada, está se redescobrindo nesse momento pós-separação.

Durante a nossa conversa eu refletia sobre o que eu mesma já havia passado. Como foi difícil e dolorida a separação.

Quem já passou por isso, sabe muito bem que temos os momentos de euforia e de depressão. Altos e baixos são bastante comuns nessa fase. Mesmo porque o sentimento de perda fica por um bom tempo presente nas nossas vidas. Ainda mais quando se tem filhos, e eles, queiram ou não, são criados para o mundo.

Minha amiga continua na sua antiga casa. Seus móveis relembram o passado que insiste em estar presente. Cada canto da casa tem uma história a ser contada. Nesse momento é preciso de reinventar. Levantar e sacudir a poeira. Deixar para trás aquilo que já passou e acreditar que tudo pode ser diferente.

E um bom começo, embora possa parecer estranho, é promover não só mudanças interiores como também exteriores. Isso não quer dizer que você precisa mudar de casa. Claro que não. Mas mude os móveis de lugar. Compre umas almofadas coloridas. Despeça-se daquilo que já não serve pra nada. Mande embora aquele velho vaso que você nunca gostou. Jogue fora as tralhas, os potes quebrados e tudo aquilo que está em excesso na sua casa.

Abra espaço para o novo. Faça isso também no seu armário. Tire as roupas velhas e aquelas que você comprou por impulso e nunca usou. Faça isso com as suas roupas de cama e banho. Aprenda a viver com menos. Tenha mais qualidade do que quantidade. Arrume a sua caixa de bijuterias. Livre-se do que está quebrado e nem mande mais consertar. Jogue fora as maquiagens quebradas. Deixe apenas aquilo que tem utilidade pra você.

Faça uma arrumação geral na sua casa e livre-se do que for supérfluo. Deixe ir o que tem que ir. Com essas atitudes, o novo terá espaço para chegar até você. E isso, em todos os sentidos, não só material, como principalmente na sua vida pessoal.

Não espere as mudanças acontecerem. Elas dependem exclusivamente de você.

Minha amiga? Ela seguiu o meu conselho…

Vamos lá! Está disposta a começar! Bora se renovar. Eu garanto que vale a pena!

Beijos e até a próxima!

Vanessa Palazzi

As sete vidas das Mulheres de Quarenta

Eu confesso. Já morri de amor algumas vezes. E morri de “morte morrida” mesmo. Daquele jeito que você chega a desfalecer de tanta dor. Sim, e como dói! Mas afinal, quem nunca sofreu por amor?

Só quem já amou de verdade e se doou numa relação sabe do que estou falando, porque, queira ou não, se não há dor quando a relação chega ao fim, é porque já não era amor. É inevitável. A sensação de perda, do fracasso de uma relação que não deu certo é um tanto quanto dolorida. Alguns lidam melhor com esse sentimento, outros não.

Apesar de toda a sublimidade do amor, nem sempre ele é correspondido como gostaríamos que fosse. Às vezes você se doa muito mais do que o outro e cria expectativas que te fazem sofrer. Esperar que o outro se manifeste da mesma forma que você na relação é um erro primário para quem quer se aprimorar na arte de amar.

Isso não quer dizer que ambos não possam se comportar de maneiras diferentes na relação. Você pode, por exemplo, ser mais carinhosa que o seu parceiro, mas ele pode verbalizar o amor muito mais do que você. O importante é que ambos tenham os mesmos objetivos. Opostos nem sempre se atraem no amor. Os dispostos, ah…, esses sim estão fadados a ter sucesso nas relações.

O fato é que ninguém nunca está preparado para sofrer. Não se entra numa relação apostando que não dará certo. Se assim fosse, milhares de casamentos nunca seriam desfeitos. Por outro lado, se não corrermos o risco de viver novas experiências, seja por traumas do passado ou pelo medo de sofrer, nunca mais vamos poder experimentar as dores e as delícias de se amar alguém. E como nós, Mulheres de Quarenta, temos sete vidas, já sabemos que o tempo é o melhor remédio para superar a dor de um amor.

Eu desejo que você seja muito feliz! Boa sorte no amor!

Divórcio e terapia de casal

divorcio

Saber a hora certa de tomar uma decisão definitiva no seu casamento não é nada fácil. Afinal, quais são os sinais de que o relacionamento está desgastado e é hora de se divorciar? Consultei a psicanalista Lelah Monteiro para saber um pouco mais sobre esse assunto. Vejam o que ela nos diz.

Só quem sabe da sua vida é você!

“Cada casal sabe quando chega a hora certa de se separar. Algumas crenças podem impedir que isto ocorra e muitos casais acabam empurrando com a barriga um relacionamento que já acabou.

Entre os sinais mais comuns estão a falta de desejo, irritação e intolerância aos posicionamentos do parceiro ou da parceira, que podem gerar ações agressivas, instabilidades de humor – que se agravar pelo uso de drogas ou de álcool – isolamento e fuga de si mesmo.”

Sabemos que nem sempre é fácil manter a amizade após o fim do relacionamento, especialmente para os casais que têm filhos. A Lelah Monteiro recomenda que ambos se afastem por certo tempo e não participem da vida alheia principalmente nas redes sociais. “Mantenham os filhos longe destes conflitos e permitam o convívio deles com seu ex-marido ou ex-mulher.”

O outro, a outra

sempre-havera-outra-chance

Pode acontecer de o seu parceiro arrumar outra companheira ou vice-versa. Nesse caso, ambos devem se manter neutros e nada de colocar os filhos contra essa relação. “É preciso permitir que o outro busque o seu caminho, assim como você tem todo o direito de seguir a sua vida!” diz Lelah.

Tudo o que é meu, é meu!

20140808040441_terapeuta

Ela recomenda que as pendências legais, como venda de casa, guarda dos filhos, etc, sejam decididas no momento da separação. Nada de protelar!

vire-a-pagina

Viver uma vida infeliz não é a melhor escolha. E também digo, por experiência própria, que a separação não é fácil para ninguém. Por mais que o amor tenha se acabado, a dor da separação é grande e é preciso estar preparado para enfrentá-la a qualquer momento.

Se precisar chorar, chore tudo o que for necessário e nada de perder seu tempo descrevendo para todos os defeitos do seu ou da sua ex. O conselho da Lelah é o de que você faça isso na sua terapia. “Socialmente, mantenha a sua autoestima e recomece sua vida. Você merece!”

Lelah Monteiro é psicanalista, fisioterapeuta uroginecológica e urológica, é terapeuta de casais e sexóloga da Rádio Globo.

www.lelahmonteiro.com.br

(11) 9 9996-3051

Enganar sua amante é crime

homem-casado-30-147-thumb-570-jpg-pagespeed-ce-zp1sjeqnhwHoje o assunto é sério. Já ouviu falar de fraude sexual? Pois é. Esse é um crime muito mais comum do que você pode imaginar, inclusive previsto no artigo 215 do nosso Código Penal.

Mas vamos entender melhor como isso funciona. Você conhece um homem e se encanta com ele. Afinal, ele é charmoso, atraente, conta das suas viagens, fala sobre suas conquistas profissionais e seus bens materiais, mas entre todas essas coisas, a melhor de todas, ele lhe confessa que é solteiro e está a procura de um grande amor. Que tal?

Com tudo isso, você se deixa levar e ele consegue tudo o que quer. Ele a leva pra cama, você se apaixona loucamente, mas quando resolve pesquisar um pouco mais a fundo sobre a vida do bonitão, descobre que ele é casado, pai de família e que não é absolutamente nada daquilo que lhe falou.

Seu castelo ruiu? Pois saiba que você não só pode, como deve, denunciar essa conduta que é considerada criminosa pela nossa legislação. Mentir para conquistar a amante é crime!

A fraude sexual se enquadra no Artigo 215 do código penal, e apesar de pouco divulgado na imprensa é um crime bastante comum. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima é crime!

E a coisa é séria! A pena para esses casos é de dois a seis anos de prisão. Portanto, meu amigo, você que se acha o gostosão do pedaço e está usando desse artifício para pegar a mulherada, saiba que você pode se dar muito mal! Principalmente agora, que as Mulheres de Quarenta estão espertas com mais essa informação!

E aí, meninas, gostaram dessa notícia? Divulguem! Muitas pessoas podem estar nessa situação!

Um beijo e até a próxima!

A parábola da cobra

serepente-e-vagalume-bloksUm homem cruza uma tempestade de neve, quando escuta um ruído. Vê uma cobra, ferida e quase morta de frio. “Me ajuda!”, diz ela.
“Você é perigosa”, responde o homem.
“Não vê que estou quase morrendo, e não posso lhe fazer mal nenhum?”, implora a serpente.
Compadecido, o homem a recolhe, e leva para a sua casa.
Durante algum tempo convivem em harmonia. Mas um dia, enquanto acariciava a cabeça da cobra, ele recebe uma mordida fatal.
“O que é isso?”, diz o homem, a beira da morte. “Salvei sua vida, lhe dei comida, carinho – e agora você me envenena?”
E a serpente responde: “mas você sabia que eu era uma cobra, não sabia?”

Deixe-me em paz!

cap22“Eu não aguento mais”. Esse foi o desabafo de um amigo recém separado que vem sofrendo as consequências do desequilíbrio da sua ex que não consegue superar a falência do casamento.

Seu único objetivo é destruir emocionalmente seu ex-companheiro de maneira ardilosa, numa vingança sem fim. Suas artimanhas para alcançar o que tanto quer são tão vis que não só atingem o seu ex como todos os que estão a sua volta. Nessa cadeia, as principais vítimas são os filhos, além dos pais, e sogros, também.

Eu me recordo bem do momento da minha separação. Entendo perfeitamente o quanto é difícil aceitar essa nova condição. Lembro-me de como foi complicado ter que assumir tudo sozinha e aceitar que as coisas realmente haviam mudado em todos os sentidos, principalmente a minha situação financeira.

Também senti dor, medo e raiva. Chorei muito, sofri bastante. Até que um dia, enquanto eu me lamentava dessa situação tomei um grande “chacoalho” da minha mãe. Ela me via jogada, quase desistindo, quando mandou que eu me levantasse da cama e tratasse de cuidar da minha vida e da vida das minhas filhas, afinal, era essa a única – e melhor herança – que havia restado daquela relação.

Então eu me dei conta de que enquanto eu pensava em fazer alguma coisa para me vingar de tudo o que havia acontecido, minha vida andava para trás. Eu não conseguia trabalhar, nem me concentrar em nada. Não me divertia e apenas amargava o meu destino. Com o choque emocional dado pela minha mãe eu tomei a decisão de que não deixaria nada mais me abalar. E assim, eu me levantei da cama e segui em frente. Tratei de cuidar de mim e minha relação com as meninas foi a melhor possível, tanto que, apesar de todo o sofrimento, medos e angústias, passamos juntas por esse momento sem que elas precisassem de qualquer tipo de ajuda.

Posso dizer que nós, juntas, nos superamos. E apesar de toda a derrota, saímos vitoriosas. Minha vida continuou. Eu segui em frente e descobri muitas outras coisas que me faziam feliz. Amigos, festas, diversão e o principal: que mesmo só, eu poderia ser uma ótima companhia para mim mesma.

Meu amigo espera que verdadeiramente sua ex encontre seu caminho e que ambos possam viver em paz.

Eu também torço por eles!

 

Como enlouquecer os seus filhos

Cri-2Pode parecer piada mas não é.
Navegando pela internet encontrei uma sentença proferida por um juiz de família que me fez refletir bastante.

Eis o texto:

“Na avaliação, percebe-se que a genitora da criança não conseguiu elaborar a separação do Sr. João (nome fictício) e com isto se desestabilizou afetivamente também em relação ao seu papel materno, vindo inclusive a negligenciar os cuidados com o filho, por isto mantém uma postura de insegurança, medo e dificuldade de retomar a sua vida.
Sugere-se tratamento psicoterápico de no mínimo 6 (seis) meses para que a genitora possa elaborar os lutos resultados da separação, bem como rever seu papel como genitora.”

O que parece incomum é mais corriqueiro do que se possa imaginar. Fatos como esse acontecem com frequência.
Mães que foram deixadas por algum motivo e não digeriram bem a separação acabam transferindo essa carga – mais do que pesada – para seus filhos.
Muitas, em razão de sua dor, acabam deixando-os de lado, sem se preocupar com alimentação, escola ou com os cuidados básicos que devem ser dispensados à sua prole.
Pior ainda, algumas armam armadilhas emocionais para chantagear, inclusive financeiramente, o ex-conjuge. E agem sem limites usando artimanhas tão vis que causam danos irreparáveis não só no emocional como na saúde física de seus filhos.
Lamentável que isso aconteça. Filhos reféns desses comportamentos ficam agressivos, raivosos, e às vezes introspectivos. Os primeiros sinais estão na queda do rendimento escolar. Fora isso, encontram dificuldades para se relacionar ainda que os ambientes sejam familiares.
Além disso, as consequências drásticas podem vir com o tempo, principalmente na fase crítica da adolescência.
Pais que se dispuseram a colocar filhos no mundo têm que arcar com a responsabilidade de criar, educar e lhes proporcionar um ambiente em que possam crescer saudáveis e felizes, independente se estiverem juntos ou separados na árdua tarefa de formação dos filhos.
Nós pais, somos responsáveis pelo futuro das nossas crianças.
Que cada um aprenda a conviver com as suas dores e as suas frustrações sem transferí-las para as crianças.
Erros todos nós cometemos. Sorte de quem tem a chance de reconhecê-los, dar um passo para trás para poder voltar a seguir em frente enquanto ainda há tempo.
Esse juiz nos dá uma boa lição!
Recomendo a leitura dos meus textos publicados há alguns anos sobre minhas próprias experiências após a separação.

Seguem os links:

https://mulheresdequarenta.com.br/separacao-e-um-luto/

https://mulheresdequarenta.com.br/lutos-da-vida/

 

Reinventar-se

Final FelizSou uma pessoa que acredita nas relações. Para mim, sempre deve haver uma segunda chance. Se existe amor, ainda que fragilizado, sempre haverá oportunidade para resgatar o que um dia ficou perdido.
Conheci uma mulher que, depois de 21 anos  e infeliz no casamento, se separou. No caso dela, o marido tomou a iniciativa e saiu de casa.
Nesse momento, ao perder o chão – o que lamentavelmente acontece nesses casos – ela resolveu falar tudo o que estava entalado durante anos. Coisas pequenas que, na relação, faziam toda a diferença. O marido, por um longo período, não a beijava mais. E embora estivessem casados não tinha nenhuma demonstração de afeto ou carinho pela sua parceira.
Ela, lamentavelmente, sofria com essa situação, muito embora não a verbalizasse. Pelos anos de relacionamento, ambos estavam conformados com essa situação, como se tudo estivesse dentro da maior normalidade.
O fato é que muitas vezes essa distância pode tomar uma proporção gigante a ponto de acharmos que a única saída para ser feliz é a separação.
No momento em que minha amiga se deu conta do fim, corajosamente, resolveu falar para o seu parceiro tudo o que sentia. Depois de tanto tempo sofrendo calada, ela colocou tudo pra fora.
O ex marido a ouviu atentamente. Ele também fez o seu desabafo! E ela teve a nobreza de reconhecer seus erros e suas falhas na relação.
Pensativos, eles se afastaram por alguns dias. Cada um ficou no seu canto para refletir. Passados dez dias, eles se encontraram. Aos poucos voltaram a se relacionar como se fossem desconhecidos, um para o outro. E descobriram, sem mais nem por que, que as coisas poderiam começara a funcionar.
Claro que jamais da mesma forma e nem cometendo os mesmos erros do passado. Eles voltaram a namorar. Eles se beijam, se abraçam e andam de mãos dadas. Vão ao cinema, saem para jantar e viajam juntos. Eles brincam como desconhecidos e nesse contexto ela não admite que ele fale mal do seu “ex marido”. Ele também não quer saber mais da sua “ex mulher”.
Eles se reinventaram. Estão juntos e felizes e principalmente dispostos a recomeçar de uma nova maneira.
Ela distintamente me confessou que está apaixonada pelo seu “ex, atual namorido”. E eu tratei logo de contar essa história para vocês, porque assim como eles, eu adoro um final feliz!

E dessa forma, desejo que todos se encontrem na plenitude que só o amor verdadeiro pode nos oferecer! Boa vida pra vocês!

Bandeira branca, amor!

White Flag: Last LapFiz uma enquete na página do Mulheres de Quarenta para ver o que as mulheres queriam ouvir. Relacionamentos que resultam em filhos foi um dos temas solicitados. O que fazer para viver em paz com o seu ex quando se têm filhos? Confesso: não é fácil.

Logo depois da minha separação fui a uma festinha de criança. Eu estava só com as minhas duas filhas. A mãe da aniversariante era separada e o pai, ex-marido dela, estava na comemoração. Eu achei aquilo o máximo, afinal estava em pé de guerra com o meu ex. Senti uma pontinha de inveja porque enquanto minhas filhas sofriam com aquele momento que estávamos passando, a aniversariante estava toda feliz ao lado do pai e da mãe.

Apesar de achar que meu dia nunca chegaria, posso dizer que hoje vivo em paz com o pai das minhas filhas. Temos uma relação de respeito e cordialidade o que já é suficiente para que nossas filhas vivam felizes e confortáveis com a harmonia que agora existe entre nós.

Claro que não foi fácil chegar até aqui. Brigamos, discutimos, envolvemos as meninas até que percebemos que, para elas, o melhor seria tentarmos uma convivência pacífica. Com isso, elas não nos deram trabalho. Sofreram a perda, como nós, mas entenderam e, por fim, aceitaram bem a separação.

Hoje entendo que enquanto um não levanta a bandeira branca, a guerra nunca acaba. Perder, por um lado, significa ganhar do outro. Pense bem se a decisão de viver bem não cabe a você! Às vezes é melhor ser feliz do que ter razão. Boa sorte!

Profissão ex-mulher

747398_42059258Em tempos passados o direito entendia que a mulher que nunca havia exercido uma profissão teria direito a receber pensão em caso de separação. O fato é tão antigo que antes do termo divórcio conhecia-se o desquite, nada usual nos dias de hoje.

Com a revolução inegável que aconteceu nos meios familiares e o aumento dos números de casais que se separam o direito passou a ver essa questão com mais naturalidade e até facilitou as coisas para que o divórcio aconteça mais rápido. Quando não há confusão e o “negócio” é amigável é possível que o divórcio saia no mesmo dia.

As mulheres por sua vez, com a independência financeira que conquistaram passaram a ter em relação aos filhos os mesmos direitos e obrigações que os seus ex-maridos.

Antigamente a mulher que se separava desfrutava de algumas vantagens que hoje o direito, com raras exceções, não reconhece mais. Mulheres como a minha mãe, por exemplo, casavam-se cedo e se dedicavam aos cuidados da casa e dos filhos. Caso se separassem, poderiam ter direito a receber do ex-varão uma pensão exclusiva para elas e outra para seus filhos.

Hoje as coisas mudaram. O direito passou a entender a nova realidade em que mulheres vão à luta, são independentes e capazes de assumir várias funções da vida profissional e pessoal. Pai e mãe passaram a ter obrigações alimentícias para garantir o sustento da sua prole. Além disso, hoje já vigora a guarda compartilhada onde as decisões sobre os filhos são tomadas com a anuência dos dois.

A grande verdade é que não é fácil aceitar queda de padrão financeira que a separação, em muitos casos, nos impõe. Queria ou não, há uma nova realidade, mas é preciso muita coragem para assumir essa nova posição.

Ainda que tenham total capacidade, há mulheres que por medo ou insegurança negam-se a “pegar no batente” e pleiteiam pensões exorbitantes para atender não só os filhos, mas para garantir o seu sustento. Mulheres totalmente capazes vitimizam-se em razão da dissolução do casamento e, sem aceitarem o fim da relação, usam a obrigação alimentar como forma de manter o vínculo rompido ou com o intuito de afrontar o ex-marido ou ex-companheiro.

Usam o dinheiro para poder se vingar das suas próprias frustrações. Usam os filhos, frutos desses relacionamentos, para fazer chantagens emocionais. Nem preciso dizer o que acontece com as crianças, que sofrem alienação parental e, no meio dessa tempestade, são jogadas de um lado para o outro sem saber que rumo tomar.

Sinto muito informar, mas a “profissão ex-mulher” está totalmente em extinção. Portanto, para as candidatas ao cargo, trate de enxugar as suas lágrimas, jogue seus lenços fora, e arregace as mangas. É preciso encarar os desafios para dar a volta por cima. Afinal, nada melhor do que ter orgulho das suas próprias conquistas.

amor-maior-dinheiro

Envelhecer é uma arte

casal-abracando-620-size-598Quem nunca ouviu essa frase? Pode parecer clichê, mas entender as etapas da vida e aceitar que inevitavelmente os anos vão passar não é pra qualquer um.

Dia desses ouvi o relato de uma amiga. O marido, quarentão, tentou pular a cerca. Se ele conseguiu, eu realmente não sei. Nem ela. Ele se comunicou com outras mulheres e trocou mensagens íntimas. Como eu conheço o casal, duvidei que ele tivesse feito algo de concreto.

Tirando minhas próprias conclusões, alertei minha amiga sobre um fato que realmente ocorre quando a idade se aproxima. Não só homens como mulheres precisam estimular sua autoestima. Nem sempre isso ocorre da melhor forma. No caso da minha amiga, seu companheiro preferiu receber elogios de outras mulheres. O que ele queria mesmo era tão simplesmente massagear o seu ego.

Mulheres nessa faixa etária também se equivocam. Muito comum estarem insatisfeitas com seus corpos e abusarem dos recursos que a medicina oferece. Nada contra as cirurgias plásticas, aliás, muito pelo contrário. Pequenas correções ao longo do tempo são fundamentais. Os exageros são abomináveis. Até os melhores médicos especialistas, tenho certeza, concordam comigo.

E não fica só nisso. Mulheres que não aceitam as marcas implacáveis do tempo, recorrem a outras alternativas. Muitas agem como adolescentes, inclusive se vestem e agem como tal. Conheço algumas que concorrem com as próprias filhas.

Tirar proveito das experiências passadas é a melhor coisa que o tempo pode nos trazer. E aceitar as mudanças do corpo e da alma é um exercício que tem que ser praticado com frequência para que possamos caminhar felizes nessa nossa jornada.

Ah…o marido da minha amiga? Já era. Ela está feliz pra burro!

Depois de você

jealousy

Olá ex, eu estou aqui! Sim, sou eu a atual do seu ex. E é claro que você já notou a minha presença. Não tenho motivos para me esconder.

Já sei da sua história. Compreendo as suas dores. Sei dos seus medos, das suas angústias e das suas aflições. Conheço bem as suas inseguranças. Discordo de algumas atitudes, mas respeito o seu momento. Também não lhe julgarei.

Saiba que não estou aqui para competir, nem com você e nem com ninguém. Nem pretendo substituí-la. Você, assim como eu, tem o seu valor. Apenas não me desmereça. Afinal, você não sabe o caminho que percorri para chegar até aqui.

Seus filhos são seus. Sim, eu sei. Mas eu os quero bem e não tenho como impedir os meus sentimentos. Não tenho a mínima intenção de substituí-la como mãe. Melhor pra você que eu goste deles, certo? E como diz o velho ditado: “quem meu filho beija, minha boca adoça”.

Estou onde devo estar assim como você. Entendo o seu presente e não tenho nada a ver com o seu passado. O que me interessa, apenas, é o meu futuro. E nele, escrevo uma nova história.

Desejo que você encontre um novo amor e que seu coração se encha de esperanças. Que você viva feliz e faça feliz aqueles que estão ao seu lado. Que cuide bem dos seus filhos e lhes encha do amor que eles tanto precisam. Só assim eles crescerão seguros e felizes ainda que, nesse mundo mais do que moderno, tenham que conviver e aceitar os novos modelos de família.

Desejo ainda que você, assim como eu, ame e seja amada. E que por fim, tenha muito boa sorte!

Esses são os meus mais sinceros votos!

Depois do fim

tumblr_ln71oqynfs1qlcj40o1_500Os anos após a separação me fizeram aprender. Nada melhor do que o tempo para ganharmos experiência e maturidade. Claro que depois do luto da separação – aquele que todo mundo passa – e depois de todas as dores e amarguras, vem a bonança.  Sim, isso para aqueles que conseguem se superar.

Não é uma tarefa fácil. Demanda tempo. Mais do que isso: vontade, equilíbrio e sabedoria.  No meu caso, minhas duas filhas foram o meu maior incentivo. Foi através delas que encontrei motivação para seguir em frente e vencer essa etapa.

Quando a perda da separação é insuperável, os resultados geralmente são trágicos, especialmente para os filhos que são os que mais sofrem nesse processo. Se o ex, ou a ex, já encontrou um novo par, pode ser pior ainda!

Os filhos viram escudo. São jogados de um lado para o outro. Participam, ainda que sem querer, das chantagens emocionais contra o ex parceiro ou parceira.

E você, que já passou pelos mesmos problemas, observa sem nada poder fazer. Apenas torce para que tudo acabe bem, assim como acabou para você. Torce para que o tempo passe rápido, para que a poeira tome assento e para que tudo chegue ao fim.

Enfim, você torce para que as pessoas vivam em paz. Amém!

 

O QUE OS HOMENS NÃO GOSTAM NAS MULHERES

Briga-de-casal-81É fato: homens e mulheres andam muito menos tolerantes nos relacionamentos. Basta um pequeno deslize para que aquela relação que você estava construindo se desfaça de uma hora para outra. E muitas vezes você fica sem entender o que aconteceu.

Homens detestam mulheres inseguras, excessivamente ciumentas, possessivas e egoístas. E também não querem dar satisfação de qualquer coisa que façam. Se quiser exclusividade, seja inteligente!

Se você é daquelas que adoram fazer cena, cuidado redobrado. Eles odeiam passar vexame principalmente em público. Nada de shows, por favor.

Não traga nem o seu passado e nem o dele à tona. Todos já viveram relações anteriores e agora é hora de pensar no presente. Sim, presente! Se você planejar muito o futuro a dois, poderá ficar só antes do que espera.

Homens também não gostam de mulheres mimadas, carentes e dependentes. Eles preferem as mais bem resolvidas desde que tenham em sua essência a feminilidade que lhes é peculiar. Eles não toleram as excessivamente vaidosas e também não gostam das totalmente desleixadas.

Se você gosta de discutir a relação, precisa de ajuda para resolver seus problemas familiares ou do trabalho procure um terapeuta. Ainda que ele converse ou apoie as suas decisões, seu par não tem obrigação de ser seu psicólogo.

É preciso levar em conta que alguns modos de agir incomodam bastante. Quando a situação fica insuportável, ele certamente retirará o seu time de campo.

E se me esqueci de alguns detalhes, preciso dar uma dica importantíssima: nunca deixe suas calcinhas penduradas no banheiro. Esse erro é mais do que fatal!

Boa sorte!

Aguarde, logo mais, o texto “O que as mulheres não gostam nos homens!”

Tome seu veneno

uma_dose_venenoNem sempre é fácil terminar um relacionamento. Já sabemos das dores, das decepções e dos dissabores que podemos ter. Dependendo do motivo, o gosto amargo do fim pode durar dias, meses e até mesmo anos.

E tem gente que não se cura dessa dor. Torce diariamente pela infelicidade alheia. Não aceita a possibilidade de que seu ex, ou sua ex, tenha encontrado um novo amor. Roga-lhe um milhão de pragas! Deseja-lhe muita má sorte.

Se daquela relação restaram filhos, então, será pior ainda. A vingança já terá um bom meio de atingir o seu alvo. E com toda certeza será bem dolorido.

Enquanto um lado está feliz e realizado, o lado outro vai de mal a pior. Queria ou não parece que tudo de errado começa a acontecer. Uma sensação imensa de vazio, depressão, angústia e solidão: “Oh, vida, oh céus, oh azar!”

O amargurado tem seu muro de lamentações lotado de frases prontas para serem ditas a qualquer momento, mas nem sempre encontra oportunidades para isso.

Enquanto isso, o tempo continua passando para os dois. E muitas vezes pode ser tarde para se dar conta de que enquanto um progrediu muito, o outro ficou totalmente para trás.

É, meu amigo, minha amiga, se quiser tomar a sua dose de veneno, fique à vontade. Só não torça para o outro morrer. Lembre-se que o feitiço, muitas vezes, vira contra o próprio feiticeiro.

Add to cart
AN