Descubra como combater a insônia após os quarenta!

Alguma vez você já rolou na cama por horas e nada de o sono vir? Se sim, você não está sozinha. A insônia entre as mulheres maduras é mais comum do que imaginamos e ocorre por conta dos hormônios da menopausa, que desregula uma boa noite de sono.

Segundo um estudo realizado pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), apenas um terço das mulheres (em torno de 33%) podem ser qualificadas como boas dormidoras.

E na menopausa, isso torna-se ainda mais gritante, uma vez que uma pesquisa científica internacional, feita com mais de seis mil mulheres, apontou que 46,3% de quem tem menopausa apresenta má qualidade de sono ou insônia.

Esse dado é alarmante, porque uma noite mal dormida afeta completamente o dia de uma pessoa e a qualidade de vida, respingando no humor, na pele, na ansiedade, aumento do cansaço e entre outros fatores.

Entretanto, acostumar-se a isso não pode ser uma opção. Atualmente, há uma série de alternativas que auxiliam nos sintomas da menopausa, incluindo a insônia, e um deles é o Fator Múltiplo F-Strogen®, elemento presente no GinSoy, da Neopharm.

Totalmente natural e com selo da ANVISA, as cápsulas ajudam a driblar a insônia, fazendo que uma noite de sono tenha qualidade para quem o usufrui, além de reforçar em outros aspectos derivado dos hormônios na menopausa.

Entenda melhor e garanta já o seu: https://ginsoy.com.br/

Descubra como combater os sintomas da menopausa!

Durante a fase da menopausa, período em que o corpo deixa lentamente de produzir os hormônios estrogênio e progesterona, o corpo da mulher passa por uma série de modificações, o que pode gerar alguns sintomas incômodos.

Caracterizada principalmente pela irregularidade da menstruação, ela conta, geralmente com os sinais abaixo. Lembrando, claro, que variam muito de acordo com cada mulher:

– Alterações de humor, com ansiedade e nervosismo;

– Mudanças no peso corporal;

– Cansaço frequente;

– Menor qualidade de sono;

– Queda de cabelos;

– Redução da libido;

– Desconforto e secura vaginal;

– Alterações na textura da pele;

– Esquecimento ou falta de concentração;

– Incontinência.

Entretanto, com as atuais tecnologias de medicamentos, há uma série de opções para ajudar a reduzir esses sinais. E uma delas é o GinSoy, da Nanopharm.

Com o selo de aprovação da ANVISA, ele tem como componentes produtos 100% naturais: óleo de linhaça, cártamo, girassol, borragem, gengibre e vitamina E.

Além do mais, ele conta com fitoestrogênios de qualidade, combatendo principalmente os sintomas de calorões, insônia, inchaço, irritação e ressecamento da pele.

Conheça para se sentir melhor durante essa fase: https://ginsoy.com.br/

Menopausa: um tabu no empoderamento feminino

Somos mais de 20 milhões de mulheres no mercado formal de trabalho no Brasil e diante de inúmeros desafios, como a equidade salarial, cargos de liderança, e dupla jornada, ainda temos o desafio velado chamado Menopausa.

Assunto quase proibido entre as próprias mulheres, a menopausa pode sim trazer um grande impacto para o empoderamento feminino. Isso porque os efeitos do desbalanço hormonal no corpo da mulher impactam negativamente não só na disposição, memória ou sono mas, no ambiente de trabalho, tem uma grande parcela de culpa na diminuição da autoconfiança.

Tanto se fala sobre os vieses inconscientes e diversidades, e pouco se aborda sobre os comentários maldosos feitos à boca miúda entre os participantes de uma reunião, a um pedido da mulher madura para diminuir a temperatura do ar condicionado, ao suor aparente ou ainda às perdas repentinas de memória.

Me chama a atenção o fato de que a expectativa de vida das mulheres aumentou, de que elas conquistam cada vez mais independência e infelizmente ainda se vejam inseguras ao lidar com esse assunto, somando isso às dificuldades já enfrentadas no mercado de trabalho e na vida.

Como médica também me surpreendo de que poucas mulheres sabem que o climatério vai muito além das questões ginecológicas e deve ser tratado com um olhar holístico em todas as suas esferas. A idade da menopausa não mudou apesar de todas as evoluções dos anos e a mulher precisa aprender a lidar com o fato de viver, pelo menos, 1/3 de sua vida sem a produção fisiológica dos hormônios femininos, porém sabendo que tem a opção de contornar suas consequências.

No consultório ouço com muita frequência o quanto as mulheres acabam tentando esconder ao máximo o que estão sentindo para não parecerem velhas, vulneráveis ou improdutivas em seu ambiente de trabalho.

Num momento em que pesquisas indicam que companhias que possuem ao menos uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas , isso porque essas empresas tem 50% mais chances de aumentar a rentabilidade e 22% de crescer a média da margem ebitda, levanto a bandeira para que mais empresas e líderes incluam a questão do preconceito à mulher madura em suas pautas de igualdade.

Mas, mais que isso, quero trabalhar ainda para lembrar às mulheres de que elas têm na medicina uma aliada, através da avaliação e conduta médicas individualizadas, colaborando para que se mantenham produtivas, empoderadas e no auge de suas atividades sociais e profissionais, sem se renderem à mais uma cruel imposição velada da sociedade.

Dra. Daniela Miranda – Endocrinologista formada pela Universidade Federal do Pará, com residência médica e  doutorado pela Santa Casa de São Paulo e fundadora do Projeto 40+Linda, que promove de maneira pioneira, um olhar holístico à saúde da mulher acima dos 40 anos com a união de três especialidades médicas (endocrinologia, ginecologia e dermatologia), em atendimento conjunto e multidisciplinar.

Clínica Merit
Rua Mato Grosso, 306. Conj:1614- Higienópolis, São Paulo-SP.
Whatsapp (11) 9 9184-5481
Instagram: @40maislinda

Descubra como aliviar os sintomas da menopausa

A menopausa é um período natural que atinge todas as mulheres começando geralmente a partir dos 40, porém varia muito a idade em cada caso. Para várias é uma época de muito incômodo, não à toa, uma das seguidoras do Mulheres de Quarenta solicitou que fizéssemos uma publicação sobre o assunto. Sendo assim, hoje trazemos para você algumas formas de aliviar os sintomas da menopausa. Confira:

Aceitação

A primeira medida para ser tomada durante a menopausa é aceitá-la. Como ela marca o fim da fase reprodutiva da mulher, em muitos casos há dificuldade em aceitá-la justamente por isso. Portanto, conte com o suporte das pessoas próximas a você, desabafe e procure técnicas que possam te ajudar nesse caso, como a terapia.

Atividades Físicas

Durante a menopausa, um ponto que pode te ajudar bastante é praticar atividades físicas. Além dos benefícios que já conhecemos, como melhora no condicionamento e no humor, durante a menopausa um dos pontos é que geralmente há aumento de peso por conta da queda hormonal.

Um tópico essencial no assunto é que durante a menopausa as chances de pressão alta e diabetes são maiores, e durante a atividade física elas podem ser reduzidas.

Uma das grandes reclamações da mulherada é sobre as ondas de calor, e segundo um estudo da Universidade Estadual da Pensilvânia , nos EUA, apenas 30 minutos de exercícios por dia já podem reduzi-las.

Alimentação Saudável

O ato de manter a alimentação balanceada é falado durante todas as fases da vida, mas na menopausa é super necessário ressaltá-lo.

É essencial que os alimentos diários sejam saudáveis e de uma forma em que ajude a prevenir doenças, melhorar imunidade, equilibrar balança e reduzir risco de doenças como diabetes e hipertensão.

Dessa forma, quando entrar na menopausa é importante procurar o auxílio de um nutricionista, para que ele possa orientar qual tipo de alimento pode ajudar melhor nessa fase.

Manter o Corpo Fresco

Por conta das ondas de calor e a sudorese, é essencial manter algumas pequenas táticas para aliviá-los. O uso de roupas frescas e com tecidos leves é a primeira ação que deve ser adotada.

Você pode ingerir bebidas refrescantes, como sucos e chás gelados. Além disso, borrifar água fresca em si própria e molhar partes específicas no corpo como nuca e pulso, é uma ótima forma de se manter mais confortável e refrescada.

Ame-se acima de tudo

Durante a menopausa, uma forma de reduzir o estresse e os demais sintomas de humor é cuidar de si mesma e colocar as suas vontades em grande prioridade. Faça as atividades que mais ama, procure um curso que goste para distrair e mantenha os sentimentos sempre bem cuidados.

Dessa forma, a sua autoestima irá melhorar e você se sentirá mais acolhida consigo mesma.

Como emagrecer com saúde na menopausa?

 

Inevitavelmente, vamos ter que passar pela menopausa. Muitas já estão nesse período, outras ainda irão passar por ele. Adorei as dicas do endocrinologista Dr. Paulo Mário F. de Oliveira que nos orienta sobre como temos que nos preparar para passar bem por essa fase. Confiram!

“Como emagrecer com saúde na menopausa?

Com a chegada da tão temida fase da menopausa, é comum a mulher ter um ganho de peso. O desequilíbrio hormonal afeta diretamente o metabolismo e por isso muitas se sentem desmotivadas, diminuindo a atividade física e não controlando a alimentação. Porém, é possível emagrecer com saúde (ou manter o peso magro) mesmo com a mudança dos hormônios. Confira as dicas do endocrinologista Dr. Paulo Mário F. de Oliveira:

Por que a mulher tende a engordar após a menopausa?

* Nesta fase da vida, o enorme desequilíbrio hormonal que a mulher sofre afeta sua silhueta física, seu metabolismo, sua psique e acaba comprometendo suas relações sócio afetivas. Não era de estranhar que tudo isto se refletisse no peso. A grande maioria se sente desmotivada, infeliz, tende a parar de administrar balança, sua alimentação e diminui a atividade física. A falta do estrogênio por si só, diretamente, não causa aumento de peso.

Peso e alimentação indicada

* Deve-se ter bastante preocupação com a manutenção de um peso adequado dentro de uma dieta saudável, pois o excesso de peso acentua o desconforto físico causado pelas ondas de calor conhecidas como fogachos, característicos da menopausa.

* Os carboidratos complexos e ingeridos com fibras encontrados nas frutas em natura e nos grãos integrais são muito bem vindos. Ajudam na manutenção do peso e previnem doenças como diabetes e aterosclerose.

* Em sua composição, a soja contém substâncias denominadas de isoflavonas que têm uma estrutura molecular semelhante aos estrogênios. Assim, estas substâncias quando ingeridas, na forma de óleos comestíveis, shoyu, ou mesmo concentrado em cápsulas manipuladas farmacologicamente, podem diminuir os sintomas desagradáveis da menopausa. Em relação ao shoyu, como tem um teor de sal elevado, é recomendável usar a versão light. Além disso, a falta de estrogênio tende a modificar o perfil de gordura da circulação, diminuindo o colesterol bom e, em menor proporção, aumentando o ruim. Assim, alimentos ricos em Ômega 3, como peixes tipo salmão e sardinha que podem facilmente ser incorporados a nossa dieta, são recomendáveis.

* O azeite extra virgem sem menor dúvida é a melhor gordura vegetal que pode ser utilizada no preparo e no tempero de alimentos.

Deve-se evitar

* Alimentos ricos em gordura animal, carnes de vísceras e órgãos, embutidos, alimentos processados e o excesso de sal devem ser evitados pelo aumento do risco cardiovascular.

Inchaço

* A sensação de inchaço que a maioria das mulheres se queixam nesta fase da vida dizem respeito principalmente as modificações apresentadas na distribuição da gordura corporal. A gordura abdominal se acentua trazendo uma sensação muito desconfortável e esteticamente desagradável.

* Mais do que diuréticos, é imprescindível manter um peso adequado para a altura. Os chás reconhecidamente diuréticos são o verde, de hibisco e de gengibre com canela.

Exercício físico

* São sempre indicados, mas aquelas que não tinham hábito de praticar, seria mais do que conveniente que tivessem uma orientação profissional.

* O exercício que vem para trazer enormes benefícios mas pode, quando mal orientado, ocasionar lesões e comprometer temporária ou definitivamente o desempenho físico.

* É fundamental alternar atividades aeróbicas com musculação. Essas modalidades trazem benefícios diversos mas que se complementam.

* A atividade física deve ser praticada pelo menos 3 vezes por semana. Entretanto, o ideal são cinco vezes na semana sempre dentro do condicionamento individual a ser bem estimado por profissional habilitado.

Exercícios ao ar livre

* Dentro das aptidões físicas e gostos indivíduas, qualquer atividade física é saudável. Dependendo do objetivo, aquelas com mais gasto energético estão indicadas para quem precisa perder peso. Natação e bicicleta tem menos impacto físico. Corrida e esportes como futebol, vôlei, tênis, etc, tem uma exigência músculo esquelética mais intensa e estão sujeitas a um maior risco de lesão. O trabalho muscular mais intenso também pode ser alcançado ao ar livre em estações de ginástica espalhadas por toda orla marinha do Rio e em praças públicas.

Exercícios que podem ser praticados em casa

* Pode-se adaptar a residência bicicleta ergométrica e esteira para atividades aeróbicas. Assim também, em casa com facilidade pode-se realizar diversos tipos de ginástica e musculação, com ou sem ajuda de pequenos pesos que auxiliariam na obtenção de resultados.”

Paulo Mário F. de Oliveira é endocrinologista, Doutor pela UFRJ, com Mestrado e Pós-graduação pela PUC-RJ, Professor Adjunto Faculdade de Ciências Médicas / UERJ e especialista em Menopausa (CRM 52-34725/6).

 

Emagrecer após os 40 anos

Por Roseli Rossi 

Até os quarenta anos, a assistente financeira Maria Inês Castro se orgulhava de manter o mesmo peso que tinha ao se casar, aos 23 anos: 52 kg. Nos anos seguintes, porém, o ponteiro da balança teimava em subir. E, aos 45, quando Maria Inês entrou no climatério, ele disparou de vez. Para piorar, os novos quilos se concentraram na barriga.”Emagrecer era superdifícil”, diz ela, hoje com 54 anos.

Com algumas variações, essa história se repete diariamente em consultas a nutricionistas e em clínicas endocrinológicas. As pacientes contam que mantêm a mesma alimentação, os mesmos exercícios e, ainda assim, engordam. Por quê?

A resposta passa por alterações hormonais, queda do metabolismo, diminuição do sono e estresse, entre outros fatores.

Some-se a isso a adoção de hábitos nada saudáveis. “Na juventude, as pessoas usam transporte público, têm mais tempo livre e fazem mais exercícios. Depois, muitas adotam um estilo de vida que dificulta a perda de peso”, ressalta Márcio Mancini, médico do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo) e presidente eleito da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica).

A boa notícia: dá para se preparar para a nova fase, assim como reverter as mudanças na silhueta. Não se trata só de estética, mas de saúde.

Mulheres que ganharam dez quilos ou mais após a menopausa tinham 18% mais chance de desenvolver câncer de mama, segundo estudo divulgado ano passado no “JAMA” (publicação da Sociedade Americana de Medicina).

Já quem perdeu dez quilos ou mais após a menopausa e nunca fez reposição hormonal tinha 57% menos chance de ter esse tipo de tumor do que quem manteve o peso.

Metabolismo e hormônios

Tanto homens quanto mulheres vivenciam a queda da taxa metabólica ao envelhecer. Isso significa que o corpo gasta menos energia para se manter funcionando aos 40 anos do que aos 20, por exemplo. “Até os 30, tudo era fácil.

Eu podia comer besteira que queimava rapidinho–depois o metabolismo fica devagar. Sempre me exercitei, mas, para ter resultado agora, tem de ser mais intenso”, conta a dona-de-casa Denise Olivetto, 43.

Uma desvantagem para as mulheres é que elas têm, naturalmente, menos massa magra (músculos, ossos e vísceras, que queimam muita energia) e mais tecido adiposo.

A sorte delas é que o estrogênio estimula o acúmulo de gordura nos quadris, dando-lhes o formato de ampulheta. Já a testosterona (hormônio masculino) leva os homens a depositarem gordura na região abdominal a famosa “barriga de chope”, perigosa para a saúde.

Mas, por volta dos 45 anos, elas perdem essa vantagem: com a diminuição dos níveis de estrogênio, a proporção da testosterona no organismo feminino sobe. O resultado é o surgimento da gordura abdominal.

Extremamente prejudicial, ela eleva o risco de doenças cardiovasculares, de hipertensão e de diabetes, explica o endocrinologista Sérgio Braga, diretor médico do spa Salute Bahia.

O tecido adiposo participa ativamente da regulação hormonal e, quando localizado no abdômen, age de forma diferente, afirma Mancini.

Entre as substâncias fabricadas pela gordura abdominal, estão duas com ação inflamatória: a IL-6 e o TNF-alfa. Em alta concentração, elas levam a uma inflamação crônica dos vasos sangüíneos –o que pode levar à arteriosclerose–e aumentam a resistência à insulina -a porta de entrada para o diabetes. Outras proteínas ligadas à gordura visceral

são a PAI-1, que leva à formação de coágulos no sangue, e a angiotensina-II, que causa hipertensão.

A gordura abdominal também produz uma substância benéfica: a adiponectina, que é antiinflamatória e aumenta a sensibilidade à insulina. Mas, quando há excesso de gordura corporal, a produção de adiponectina cai, deixando o organismo mais suscetível a complicações, diz o endocrinologista Bruno Geloneze, da Abeso.

A pedagoga Eleni Gorgueira, 47, conhece de perto esses riscos. Sua família tem tendência a engordar, afirma.

Atualmente, sua mãe tem diabetes e suas duas irmãs, hipertensão. Ela mesma, ao ganhar alguns quilos, fica com a pressão mais alta. “Ainda não entrei no climatério, mas já percebi que o metabolismo desacelerou”, diz.

Felizmente, a gordura visceral é mais fácil de “queimar”: quem perder 10% de gordura corporal provavelmente perderá 30% da gordura presente no tórax, compara Geloneze.

“É mais simples perder a gordura da barriga do que a das coxas”, afirma Mancini. Esse, diz, é um dos motivos pelos quais os homens emagrecem mais rapidamente do que as mulheres.

 

Desânimo

Mas, para queimar a gordura, é preciso comer menos e se exercitar mais –algo nem sempre fácil para mulheres em meio a um turbilhão emocional. “Dos 41 aos 55 anos, as mulheres passam por uma transição hormonal, e algumas podem ser mais vulneráveis a essa fase”, afirma o psiquiatra Joel Rennó Jr., coordenador do Pró-Mulher (Projeto de Atenção à Saúde Mental da Mulher, do Hospital das Clínicas da USP).

Isso inclui sintomas ansiosos e depressivos, que podem interferir no peso. Foi o que aconteceu com a secretária Regina Laplaca, 58, quando ela entrou na menopausa, há cinco anos. “Devido à variação hormonal, fiquei tão deprimida que parei as minhas caminhadas”, conta.

Além disso, nessa fase muitas mulheres enfrentam mudanças na relação com os filhos, que chegam à adolescência, e vivem uma fase profissional estressante, ressalta o psiquiatra. Esse estresse também influi no peso: ele libera o cortisol, que afeta o metabolismo e leva à resistência à insulina.

Outro fator importante é o sono. É comum ter insônia nos primeiros cinco anos de menopausa e, no climatério, os “calores” impedem muita gente de dormir, afirma o ginecologista Ivaldo Silva, um dos coordenadores da Casa do Climatério, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Após uma noite em claro, é difícil querer se exercitar, mas essa não é a única conseqüência. “Quem dorme menos engorda mais”, diz a neurologista Dalva Poyares, do Instituto do Sono, da Unifesp. Uma das hipóteses para isso, diz, é que durante o sono o corpo libera o hormônio do crescimento, que tem efeito anabolizante (aumenta a massa muscular, melhorando o metabolismo).

Além disso, diz Geloneze, da Abeso, a falta de sono também libera cortisol e interfere em hormônios como a grelina (hormônio da fome) e a leptina (hormônio da saciedade).

As mudanças dessa faixa etária também podem ser acompanhadas por uma doença: o hipotireoidismo. O problema costuma afetar mulheres e surgir após os 40 anos. No Brasil, suspeita-se que parte dos casos esteja ligada ao excesso de iodo no sal entre 1998 e 2003.

O hipotireoidismo é associado à piora da hipertensão, ao aumento da glicemia e à fraqueza muscular. Ele também diminui o metabolismo. O problema é irreversível, mas pode ser tratado com reposição hormonal específica.

Na ausência de doença, a melhor estratégia para manter o peso é adotar hábitos saudáveis o quanto antes. “Quem tem tendência a doenças crônicas deve se cuidar o mais cedo possível. Antes da menopausa, os resultados são mais rápidos”, diz a nutricionista Lucyanna Kalluf, membro científico do CBNF (Centro Brasileiro de Nutrição Funcional).

A receita não é complicada, diz Mancini. “Quem se alimentar de forma saudável, não ceder ao marketing de alimentos industrializados e reservar tempo para a atividade física dificilmente terá problemas.”

Foi o que fez a farmacêutica Maria Inês. Após engordar, ela deu início a uma dieta e perdeu quatro quilos em um mês. “Emagreci justamente na região abdominal. Agora, penso em começar a pular corda, que é barato e eficiente.”

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

 

Add to cart
AN