Mães são todas iguais!

A gente briga, fica de mal. Eu sou daquelas mães que surtam de vez em quando. Dou uns gritos, mando recolher os sapatos que estão jogados na sala, arrumar os quartos, recolher a toalha molhada e claro, estudar e fazer a lição. Também ensino a ter responsabilidade e mostro a elas que a vida um dia apresenta as contas daquilo que você diz, que você faz ou deixa de fazer.

Reconheço os erros e ensino o melhor caminho a seguir apesar de saber que as escolhas serão sempre delas. E claro que elas também apontam minhas falhas e por mais doloridas que sejam, como mãe, sempre estou tentando acertar. Com elas eu aprendo todos os dias. Sim, os filhos têm muito a nos ensinar.

E depois de uma briguinha sempre tem a reconciliação. Afinal os conflitos servem para o nosso aprendizado e evolução.

E depois de um abraço, e até das lágrimas que muitas vezes derramamos, sentimos que juntas somos muito mais fortes e que o amor é capaz de superar tudo. E eu me sinto completa e realizada, com a certeza de que o melhor de mim, certamente vive nelas, assim como em mim, também estará sempre viva minha mamãe.

No fim a gente vê que tudo valeu muito a pena. Agradeço a minha missão. Ser mãe dessas duas princesas é uma dádiva divina. Presentes maravilhosos que Deus me deu. Tenho uma imensa gratidão! ❤

Fotos by @valentina_studio
Make by @stellamakeup.pro

Saiba como ser facilitador de constelação familiar

Olhar para dentro de nós mesmos é uma ação essencial para conseguirmos lidar com nossos sentimentos, emoções e pensamentos, e faz com que consigamos reavaliar as nossas relações com as pessoas a nossa volta.

E uma das formas para fazer com que consigamos nos internalizar é a constelação familiar, técnica milenar que faz com que reavaliemos nossas relações.

Esse tipo de técnica impacta de forma tão profunda, que modifica não apenas a vida de quem passa por esse processo, mas também de quem aplica a ação.

E para aplicar, há diversos métodos, e um deles é o Workshop de Constelação Familiar no Patrimônio do Matutu, que acontece em novembro do dia 20 a 25, feriado da consciência negra, em Minas Gerais.

Promovido pelo Instituto de Constelação Integral, o curso, dividido em módulos transpessoal e integral, conta com várias abordagens de constelação, trabalho com a criança não atendida, desvio do propósito, crenças e sombra.

As ações englobam a teoria e a prática para aplicar o desenvolvimento das constelações, tudo com foco na teoria de Bert Hellinger.

O aluno será constelado, passará por grupo terapêutico e terá acompanhamento profissional por 90 dias.

O quanto você se inscrever, maior desconto você consegue. Além disso, as vagas são limitadas.

Local: PATRIMÔNIO DO MATUTU – AIUROCA – MINAS GERAIS
Programação: Chegada às 14:30 da quarta dia 20/11 – Saída às 14:30 do domingo dia 25.11
Inscrição: Valor para os cinco dias e quatro noites na Pousada patrimônio do Matutu, incluindo pensão completa e os módulos de constelação integral e transpessoal com certificado para os dois módulos:

  • R$ 2.250 em quarto triplo,
  • R$ 2.650 em quarto duplo
  • R$ 3.550 em quarto individual

Descontos:
5 % para pagamento até 10.10

Pagamentos em até 5 vezes com depósitos ou dividido no cartão.

Dados Bancários
Conta para depósito
Caixa econômica federal
Agência 1602
Conta poupança 013 00013590-6
Favorecido Genesio Lopes Rebelo
Cpf 022.523.238-33

VAGAS LIMITADAS
Garanta sua participação!
Dúvidas: 11 9 8437. 0255
Genésio Lopes Mendes

O que a sua árvore genealógica diz sobre você

Todas nós sabemos que temos muitos antepassados, mas alguma vez você já parou para fazer um pequeno cálculo sobre quantos são mais ou menos, independentemente se conheceu ou não? Confira:

Pais: 2
Avós: 4
Bisavós: 8
Trisavós: 16
Tetravós: 32
Pentavós: 64
Hexavós: 128
Heptavós: 256
Octavós: 512
Eneavós: 1024
Decavós: 2048

Num total de 11 gerações (de primeiro momento pode parecer pouco, mas quando colocamos na ponta do lápis vemos que na verdade é bastante) temos 4.094 ancestrais. Isto tudo somado em, aproximadamente, 300 anos antes de nascermos!

Cada um deles passou por lutas próprias, batalhas específicas, e momentos únicos que por mais que você não tenha consciência influenciam a sua vida de uma forma ou de outra. Tudo fica registrado em seu espírito.

Portanto, é essencial que a gente tire um tempinho para refletir sobre isso com as seguintes perguntas: De onde vieram? Quantas lutas travaram? Por quanta fome passaram? Quantas guerras viveram? Por quantas vicissitudes todos nossos antepassados sobreviveram? Por outro lado, quanto amor, força, alegrias e estímulos nos legaram? Quanto de sua força para sobreviver, cada um deles teve dentro de si para que, hoje, nós estejamos aqui, vivos?

Nós só existimos graças a tudo o que cada um deles passou, por conta de sua força, amor e persistência. Portanto, é muito importante que a gente reverencie os antepassados com muito carinho e respeito!

Tenha gratidão a todos os nossos ancestrais, pois, sem eles, cada um de nós não teria a felicidade de conhecer a vida. Por mais que não tenhamos ideia de quem eles foram, emitir bons pensamentos para eles é sempre uma boa ideia, principalmente para fazermos as pazes com nós mesmos.

Muitas vezes, estamos conectados com as dores de nossos ancestrais e nem sabemos, e é aí que entra a constelação familiar, uma técnica perfeita para identificar esses pontos e tratá-los.

Genésio Lopes: Facilitador em constelação institucional, 59 anos, filho de imigrantes portugueses, autodidata, desenvolve atividades profissionais desde 1976 nas áreas da indústria, comércio e serviços, empresário (fundador e proprietário da Belfogões), Diretor do Incoi instituto de constelação integral, membro da Sociedade em Defesa Do Litoral Brasileiro, consultor do Lab Evoluir em sistemas de Meta modelos administrativos, apresentador do programa de TV Visão Sistêmica, fotógrafo, consultor metafísico para instituições, terapeuta alternativo em Reiki, consultor em Feng Shui, palestrante espiritualista, estudioso das filosofias orientais, estudioso em sistemas de alimentação, alem de consultor e incentivador na criação de várias instituições, é ativista sócio-ambiental, comunicador na rádio Mundial – programa Tal Pai Tal Filha e voluntário em Arautos do espiritismo;

Colaboração: Jéssica Mayara (@jessica.mjornalista): jornalista, atua com produção de conteúdo para redes sociais e blogs, e assessoria de comunicação!

Seu tempo com seus filhos

Por Gisela Campiglia

O desejo dos pais é o de educar seus filhos para que eles sejam pessoas independentes e felizes. Mas, como atuar em direção a este propósito quando o tempo disponível para os filhos é limitado?

A comum necessidade de que o casal trabalhe fora para prover o sustento da família, restringe a convivência entre pais e filhos. Desta forma, muitas famílias encontram “educadores” alternativos para substitui-los em sua ausência justificada. Uma empregada, a escola em tempo integral, ou as avós acabam ficando encarregadas desta função. Esses preciosos colaboradores ajudam bastante, no entanto, o alcance de suas ações é restrito. Por melhor que seja uma funcionária doméstica, ela não tem a mesma autoridade que os pais para dar limites à criança quando necessário.  A escola tem influência na educação dos alunos, mas a função da escola é escolarizar, passar conhecimento acadêmico, e não educar. Uma boa escola pode até auxiliar os pais na educação de seus filhos, mas é importante ter a consciência de que existe ex-aluno, mas, não existe ex-filho. A escola convive com o aluno temporariamente, os filhos convivem com os pais por toda a vida. As avós são de plena confiança, ótimas cuidadoras, e oferecem amor as crianças, mas muitas mimam os netos em demasia, fato que acaba trazendo problemas no futuro.

Na impossibilidade de conviver o quanto gostariam com seus filhos alguns pais sentem-se culpados, por isso acabam comprando todos os presentes que as crianças pedem no intuito de compensar sua ausência. Este é um grande equívoco, pois a criança que ganha tudo aquilo que deseja, terá dificuldades de superar frustrações durante a vida. A criança não tem a oportunidade de treinar em casa, mas a vida fará com que ela aprenda a lidar com as contrariedades na marra. A quantidade de objetos que os pais oferecem aos filhos não supre suas necessidades afetivas. Os filhos precisam sentir o quanto eles são importantes para seus pais através do amor, da atenção, dos cuidados e dos limites que recebem. Somente a convivência pode construir uma relação de amor, mas como realizar essa nobre missão quando o tempo disponível para os filhos é escasso?

Uma frase bem colocada causa muito mais impacto do que horas de conversa sem conteúdo. Um abraço de amor intenso tem mais valor do que vários telefonemas ao dia.O que produz significado em nossa vida a quantidade, ou a qualidade?

Existem mães que ficam em casa com as crianças o dia todo, porém não desgrudam os olhos da tela do computador. Quando a criança solicita atenção, a mãe responde:
”- Espere só um minutinho que eu já vou!”.  O filho espera minutos, horas, e nunca chega o momento de receber a atenção desejada.  A consequência é que a criança sentirá que sua presença na vida da mãe é irrelevante, e isso é muito perigoso. Pesquisas revelam que o uso de drogas na adolescência também é motivado pelo fato do jovem sentir-se desvalorizado pelos pais. A pior miséria que existe no mundo é a falta de amor, vivemos em um planeta cheio de carentes emocionais.

A solução é estar presente de corpo e alma quando houver a oportunidade de ficar com seus filhos. Determine um tempo sagrado para dar atenção exclusiva a eles, mesmo que seja apenas uma hora por dia. Evite permitir que sua energia seja desviada para qualquer outra tarefa durante o período que você criou para estar com as crianças. Não dá para disfarçar em que direção esta indo seu fluxo de energia, os filhos sentem quando o seu foco de atenção não está neles. Programar o cardápio da semana, atender o celular, assistir novela, checar os e-mails pessoais, ou conversar com o cônjuge, são tarefas para serem realizadas quando as crianças já estiverem dormindo.  Se você fica o tempo todo realizando multitarefas, e nunca oferece o privilégio de dar atenção especial para seu filho, ele interpreta o fato equivocadamente. Passa a acreditar que não é merecedor de sua atenção, cresce com baixa estima e leva essa influência para a vida adulta. Não adianta explicar que você é muito ocupado, porque esta se matando de trabalhar para dar uma boa educação para eles. Os filhos precisam ser nutridos com amor, o alimento da alma.

Praticar a sua autoridade em relação aos seus filhos também é uma forma de exercer amor. Muitos pais relutam em realizar essa função intransferível com medo de que os filhos deixem de amá-los, ou mesmo, pela vaidade de mostrar uma imagem sempre agradável para as crianças. Não tenha receio de corrigir quando houver necessidade, proteger seus filhos é diferente de evitar frustrações, o seu sentimento de pena enfraquece a criança. Um adulto sem limites revela uma educação sem limites. A prática do amor inclui disciplina. Você não deve admitir que seus filhos alimentem-se com doces e refrigerantes em excesso, não pode tolerar que se comportem agressivamente na escola. A firmeza dos pais quanto à educação é um ato de amor e proteção. O resultado é a formação de um adulto estruturado com forças existenciais e morais, capaz de conquistar a própria felicidade.

Pais, por favor, não se torturem! A sua relação com seus filhos não é definida pelo tempo que você passa com eles, mas sim pela forma como você se relaciona durante o tempo que dispõe. A sua postura e sentimentos em relação aos seus filhos vão determinar a qualidade da educação que você oferece.

Até a próxima!

Gisela Campiglia

Formada em psicologia, física quântica, bioenergia e metafísica. Trabalha com desenvolvimento pessoal, promove palestras, escreve artigos e é colunista do Mulheres de Quarenta.

 

 

 

 

4 passos para escolher seus relacionamentos

Por Gisela Campiglia

É muito positivo acreditar no ser humano e adotar uma postura social inclusiva para atrair bons relacionamentos em sua vida. Observe as pessoas sem julgamentos antecipados, utilize a coerência para construir boas relações, mas evite a ingenuidade!

Abaixo estão os quatro passos importantes para você selecionar seus relacionamentos.

1) Analise os Motivos do Interesse.
Em toda relação existe interesse, a conexão pode acontecer através de uma real afinidade ou por conveniência. O interesse no simples prazer de estar ao lado de alguém similar, é o motivo da união por compatibilidade. Já a ligação por conveniência, depende da utilidade que você terá na realização das necessidades do outro.  Não há problemas em estabelecer uma relação baseada em interesses profissionais, sexuais, financeiros, ou mesmo espirituais. Perceber qual é o real motivo da aproximação das pessoas em sua vida, irá lhe poupar a vivência de muitas decepções. Você saberá o que ofertar e não ficará esperando do outro algo que ele não está disposto a lhe oferecer.

2) Observe o Discurso.
Palavras bem colocadas podem causar um grande impacto. Pessoas eloquentes e persuasivas tendem a direcionar a forma com que as percebemos. Valorize mais o comportamento das pessoas do que o discurso que elas verbalizam. Observe como tratam as pessoas mais simples, ou, aquelas que não oferecem uma oportunidade vantajosa para elas. Se a pessoa tem um comportamento gentil com o outro, quando você esta presente, e na sua ausência se porta de forma grosseira com o próximo, você deve ficar alerta quanto a confiabilidade desta pessoa.

Quando você receber elogios, verifique se são feitos de coração ou se são apenas uma forma de bajulação no intuito de ganhar seu apreço. Preste atenção, não permita que seu ego o engane, sinta o outro, diferencie o falso elogio da admiração genuína feita de coração. Palavras voam ao vento, mas fatos e resultados não podem ser mascarados.

3) Verifique se há afinidade de valores.
As pessoas que cultivam os mesmos valores que você são as mais indicadas para qualquer tipo relacionamento, seja pessoal ou profissional. Compartilhando dos mesmos princípios, elas tendem a ser leais e respeitosas com você e seus objetivos. Há uma enorme chance de serem grandes auxiliares na realização da sua missão de vida.

4) Identifique a capacidade de aceitação e doação do outro.
Considere a capacidade de aceitação e doação das pessoas com quem você vai se relacionar. Tenha certeza de que elas não estão esperando sempre a perfeição de sua parte. Observe como elas se comportam quando você lhes nega um pedido. Veja se as pessoas se esforçam para manter uma troca positiva, mesmo conhecendo suas limitações. Perceba o quanto elas o aceitam e estão dispostas a investir na relação.

Seja na relação de amizade, romântica ou profissional, realizar uma escolha coerente é primordial para o sucesso de qualquer relacionamento.

Até a próxima!

Um beijo,

Gisela Campiglia

Formada em psicologia, física quântica, bioenergia e metafísica. Trabalha com desenvolvimento pessoal, promove palestras, escreve artigos e é colunista do Mulheres de Quarenta.

Como envelhecer com prazer

Por Gisela Campiglia

A primeira atitude necessária para vivenciar um envelhecimento prazeroso, é aceitar e valorizar essa fase que faz parte do ciclo natural da vida. De acordo com a lei universal da atração, quando o ser humano não se aceita, não será aceito pelos outros, a energia da rejeição vibra ao seu redor, causando repulsa naqueles que se aproximam. A depressão, ocasionada pela falta de amor próprio, sentencia a pessoa a uma velhice de solidão e sofrimento.

Procurar manter uma bela aparência, utilizando-se de tratamentos de rejuvenescimento e cirurgias plásticas é uma opção válida que pode colaborar no fortalecimento da autoestima, mas, há importantes providências que também precisam ser tomadas. Negar a própria idade impossibilita o preparo eficaz e necessário, para desfrutar de uma boa velhice.

Durante a juventude investimos no desenvolvimento de diversas habilidades, para ter uma vida adulta com boas realizações e autonomia; devemos proceder da mesma forma para vivenciar uma velhice de qualidade. Para que isso ocorra o planejamento da fase idosa não pode começar aos 65 anos, o assunto precisa ser considerado e encarado com a devida responsabilidade e antecipação. Assim como nas demais etapas da vida, o idoso é parte da sociedade e interage com o meio em que se encontra, porém, deve se adequar a um novo ritmo e estilo de atuação em comunidade. Compreendendo que cada etapa do processo da vida tem seu propósito, valor e beleza, proponho algumas reflexões úteis que possibilitam o aproveitamento prazeroso deste período da vida.

Independência Financeira: Hoje em dia é bastante comum que a segurança financeira seja um dos primeiros itens a ser planejado na vida do idoso, através da aposentadoria, poupança, ou, dos diversos planos de previdência privada existentes do mercado. Mas, nada impede que a pessoa afastada de seu trabalho tradicional continue produzindo e recebendo, em valor monetário ou emocional. A sabedoria adquirida com a idade pode ser útil em várias empresas, organizações não governamentais, na formação de jovens iniciantes, inclusive na nobre pratica da caridade. Existem muitas crianças abandonadas em abrigos do governo precisando de amor. O importante é continuar com a participação produtiva, no entanto, adaptar essa atuação a um ritmo condizente com a disposição física pertinente a idade.

Cuidados com a Saúde: De acordo com os hábitos saudáveis já desenvolvidos por cada um, a velhice exige apenas uma manutenção deste estilo de vida, acrescido de regulares consultas médicas preventivas. Porém, as pessoas que são sedentárias, fumam, ingerem bebidas alcóolicas em excesso, e costumam se alimentar com frequência de frituras e gorduras, terão que realizar uma grande mudança de hábitos para envelhecer com qualidade de vida. O desgaste físico próprio da idade, e a lentidão do funcionamento do metabolismo, exigem um ajuste de comportamento para manter uma vida saudável.

Vida Social: Um dos grandes erros, daqueles que não consideram e planejam seu envelhecimento, é acabar por viver no isolamento tedioso de uma vida sem troca afetiva. Cultivar amigos mais jovens, ou, retomar os estudos, possibilita o acréscimo de novos conhecimentos e a interação social. Se inscrever naquele curso tão desejado, o qual não havia tempo para ser realizado, iniciar a pratica de um hobby, aprender a tocar um instrumento musical. Além de hoje em dia, existir a interessante opção de cursar a faculdade da terceira idade, acessível em diversas instituições acadêmicas. A vida é um grande aprendizado, e podemos estudar e aprender sempre mais.

Convívio em Família: Poder estar disponível para a família, fato tão difícil quando se trabalha em tempo integral é uma benção. Se aproximar de seus parentes e colaborar com seus descendentes é um prazer que valoriza a sua presença no âmbito familiar. Se necessário, reveja seu comportamento, pois, ninguém deseja um ranzinza por perto, o bom humor é fundamental. Afinal, estranhos não vão cuidar de você, caso isso seja necessário. Deixar de ser ausente na família fará toda a diferença em sua velhice.

Dispondo de independência financeira, saúde, bons relacionamentos, atualização intelectual, e o carinho da família, não haverá motivos para se lamentar e lutar contra a ação do tempo. Envelhecer não é castigo, é apenas uma das etapas da vida, assuma a sua idade com a postura adequada para que ela seja fonte de realização e prazer.

 

 

Gisela Campiglia é palestrante e colunista do Mulheres de Quarenta especializada em desenvolvimento pessoal, física quântica, bioenergia, psicologia junguiana, metafísica, administração, marketing e publicidade.

Liberte-se do seu passado

Uma das minhas amigas e seguidoras do Mulheres de Quarenta se desabafou comigo. Ela é recém-separada e se lamentava sobre a solidão. Os filhos, já crescidos, estavam tomando seu rumo. Ela, que ficou anos casada, está se redescobrindo nesse momento pós-separação.

Durante a nossa conversa eu refletia sobre o que eu mesma já havia passado. Como foi difícil e dolorida a separação.

Quem já passou por isso, sabe muito bem que temos os momentos de euforia e de depressão. Altos e baixos são bastante comuns nessa fase. Mesmo porque o sentimento de perda fica por um bom tempo presente nas nossas vidas. Ainda mais quando se tem filhos, e eles, queiram ou não, são criados para o mundo.

Minha amiga continua na sua antiga casa. Seus móveis relembram o passado que insiste em estar presente. Cada canto da casa tem uma história a ser contada. Nesse momento é preciso de reinventar. Levantar e sacudir a poeira. Deixar para trás aquilo que já passou e acreditar que tudo pode ser diferente.

E um bom começo, embora possa parecer estranho, é promover não só mudanças interiores como também exteriores. Isso não quer dizer que você precisa mudar de casa. Claro que não. Mas mude os móveis de lugar. Compre umas almofadas coloridas. Despeça-se daquilo que já não serve pra nada. Mande embora aquele velho vaso que você nunca gostou. Jogue fora as tralhas, os potes quebrados e tudo aquilo que está em excesso na sua casa.

Abra espaço para o novo. Faça isso também no seu armário. Tire as roupas velhas e aquelas que você comprou por impulso e nunca usou. Faça isso com as suas roupas de cama e banho. Aprenda a viver com menos. Tenha mais qualidade do que quantidade. Arrume a sua caixa de bijuterias. Livre-se do que está quebrado e nem mande mais consertar. Jogue fora as maquiagens quebradas. Deixe apenas aquilo que tem utilidade pra você.

Faça uma arrumação geral na sua casa e livre-se do que for supérfluo. Deixe ir o que tem que ir. Com essas atitudes, o novo terá espaço para chegar até você. E isso, em todos os sentidos, não só material, como principalmente na sua vida pessoal.

Não espere as mudanças acontecerem. Elas dependem exclusivamente de você.

Minha amiga? Ela seguiu o meu conselho…

Vamos lá! Está disposta a começar! Bora se renovar. Eu garanto que vale a pena!

Beijos e até a próxima!

Vanessa Palazzi

Madrastas de 40

Ser madrasta não é uma tarefa fácil. Um aprendizado que requer muita paciência e dedicação para que as coisas funcionem da melhor maneira possível. Ser feliz nos novos relacionamentos com filhos de ambos é possível sim. Essa é a visão da terapeuta familiar Roberta Palermo, nossa convidada da semana, que dá dicas para que essa relação funcione da melhora maneira possível. E aí? Está disposta a encarar? Confira!

“Não coloquem os mais velhos para cuidar dos menores. Se precisarem de ajuda contratem uma babá para ajudá-los. E também para poderem sair só com os mais velhos, por exemplo.

Organizem as duas casas para receberem as crianças. Lugar para guardar roupas e brinquedos, local aonde irão brincar, comer e dormir, se for o caso. Dependendo da idade, separem os meninos das meninas.

Não tire seu filho de sua cama ou do quarto para dar lugar ao seu enteado. Ele será o amigo, a visita, e assim será com o seu filho quando estiver na casa do seu namorado.

Alternem os finais de semana com os ex-cônjuges igualzinho, para o final de semana livre do casal ser o mesmo! É fundamental que vocês tenham esse tempo livre sem filhos.

Se um dos dois não tiver o pai ou mãe que dívida a convivência, podem ter a babá, uma avó bacana que ajuda, uma tia, madrinha, enfim… Tenho certeza de que vocês são presentes no dia a dia das crianças e merecem tempo para se dedicar ao novo relacionamento!

O importante é ter companhia, a parceria no dia a dia para essa tarefa tão importante de educar um filho. Oferecer um ambiente saudável, divertido, cheio de trocas e aprendizagem. Boa sorte na construção da sua nova história!

Roberta Palermo

Assista também a entrevista da Roberta Palermo para o nosso canal do Mulheres de Quarenta.

 

 

Divórcio e terapia de casal

divorcio

Saber a hora certa de tomar uma decisão definitiva no seu casamento não é nada fácil. Afinal, quais são os sinais de que o relacionamento está desgastado e é hora de se divorciar? Consultei a psicanalista Lelah Monteiro para saber um pouco mais sobre esse assunto. Vejam o que ela nos diz.

Só quem sabe da sua vida é você!

“Cada casal sabe quando chega a hora certa de se separar. Algumas crenças podem impedir que isto ocorra e muitos casais acabam empurrando com a barriga um relacionamento que já acabou.

Entre os sinais mais comuns estão a falta de desejo, irritação e intolerância aos posicionamentos do parceiro ou da parceira, que podem gerar ações agressivas, instabilidades de humor – que se agravar pelo uso de drogas ou de álcool – isolamento e fuga de si mesmo.”

Sabemos que nem sempre é fácil manter a amizade após o fim do relacionamento, especialmente para os casais que têm filhos. A Lelah Monteiro recomenda que ambos se afastem por certo tempo e não participem da vida alheia principalmente nas redes sociais. “Mantenham os filhos longe destes conflitos e permitam o convívio deles com seu ex-marido ou ex-mulher.”

O outro, a outra

sempre-havera-outra-chance

Pode acontecer de o seu parceiro arrumar outra companheira ou vice-versa. Nesse caso, ambos devem se manter neutros e nada de colocar os filhos contra essa relação. “É preciso permitir que o outro busque o seu caminho, assim como você tem todo o direito de seguir a sua vida!” diz Lelah.

Tudo o que é meu, é meu!

20140808040441_terapeuta

Ela recomenda que as pendências legais, como venda de casa, guarda dos filhos, etc, sejam decididas no momento da separação. Nada de protelar!

vire-a-pagina

Viver uma vida infeliz não é a melhor escolha. E também digo, por experiência própria, que a separação não é fácil para ninguém. Por mais que o amor tenha se acabado, a dor da separação é grande e é preciso estar preparado para enfrentá-la a qualquer momento.

Se precisar chorar, chore tudo o que for necessário e nada de perder seu tempo descrevendo para todos os defeitos do seu ou da sua ex. O conselho da Lelah é o de que você faça isso na sua terapia. “Socialmente, mantenha a sua autoestima e recomece sua vida. Você merece!”

Lelah Monteiro é psicanalista, fisioterapeuta uroginecológica e urológica, é terapeuta de casais e sexóloga da Rádio Globo.

www.lelahmonteiro.com.br

(11) 9 9996-3051

A ceia de Natal

1222-receita-de-natal-10-dicas-site-1024x769

Você, assim como eu, deve estar se programando para a Ceia de Natal. Por isso, mais uma vez recorri a minha querida amiga e consultora de imagem Lilian Riskalla para dar dicas de como receber e o que fazer para arrasar nas Festas de Fim de Ano. Vejam as dicas que ela nos dá. Espero que gostem!

“A ceia de natal envolve muitas tradições familiares. Algumas famílias têm suas próprias receitas “secretas” para a ceia de natal, outras comem apenas os pratos natalinos tradicionais, como peru ou chester.

Cada país tem em sua ceia de natal algumas peculiaridades, muitas pessoas seguem o menu europeu, mas esquecem que é inverno no Hemisfério Norte. A ceia de natal brasileira incorporou várias receitas locais, como a rabanada e o bolinho de bacalhau, que chegou ao país com a colonização portuguesa, além de pratos mais leves adequados ao nosso verão.

rabanada_link

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se quiser sair do tradicional, opte por contratar um buffet contemporâneo ou você mesmo pode preparar receitas diferentes e montar o próprio menu da sua ceia, não faltam sugestões interessantes super fáceis de encontrar na própria net.

Se for receber durante a passagem de ano novo, prepare receitas para que seu ano novo seja próspero.

Como prato principal, prepare uma deliciosa carne de porco, acredita-se que a capacidade do animal de gerar muitos filhotes atrai prosperidade para quem a saboreia. Você pode optar também pelo preparo de um prato com peixe, pois ele é considerado o portador da boa sorte e da purificação. Devido ao grande número de ovas que ele produz, seu consumo lembra também a ideia de fertilidade para o novo ano. O arroz com lentilhas é uma ótima opção de acompanhamento dos pratos principais, é simples e rápido de fazer e não se esqueça das romãs.

Como na Ceia do Natal, você tem a opção de fugir do menu tradicional e optar por um menu contemporâneo e inusitado.

ceia-de-natal_large

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capriche na decoração da mesa, você pode inovar e criar ou montar inusitado, algo totalmente de acordo com seu estilo mesmo focando no tema,se o jantar for tradicional use uma linda toalha, num caso mais informal o jogo americano pode ser usado. As louças devem ser escolhidas para combinar com a toalha, ou com os guardanapos e flores, as brancas são mais fáceis, você pode acomodar os pratos em souplats.

decoracao-mesa-para-ano-novo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capriche nas taça, copos e nos enfeites, use castiçais, se quiser, desde que não atrapalhem a visão.”

Boas Festas!

Beijos!

Engravidar aos quarenta

img_como_engravidar_depois_dos_40_anos_15482_600Carmem, uma das nossas seguidoras aqui do Mulheres de Quarenta, me procurou para contar sobre a experiência que ela está vivendo aos 46 anos de idade. Inesperadamente, passados 20 anos do nascimento da sua primeira filha, ela descobriu que estava grávida. E é claro que eu quis saber um pouco mais sobre essa história pra poder contar para vocês. Vejam que bacana o depoimento dela.

Carmem, conte-nos como tudo aconteceu?

“Vanessa, sou casada há 27 anos. Eu e meu marido tivemos a nossa primeira filha quando eu estava com 25 anos. Por motivos de trabalho e da vida corrida que levamos, acabei adiando a outra gestação. O tempo passou e, com a chegada dos quarenta, já não tínhamos a menor pretensão.

Quando fiz 42 deixei de usar pílulas anticoncepcionais para não interferir na menopausa. O uso de preservativo foi nossa escolha como método contraceptivo. Do início do ano pra cá eu achava realmente que não estava mais no grupo que teria chance de engravidar. E foi então que inesperadamente engravidei!

Foi uma grande surpresa. A notícia que causou um grande impacto em todos nós. Minha filha, embora com 20 anos, também sentiu um pouco, afinal ela passou muito tempo sendo filha única. Hoje já está aceitando bem o fato de ter um irmãozinho. Meu marido também ficou anestesiado e radiante após o nosso primeiro ultrassom. Estamos emocionados e curtindo cada momento da gestação.”

Eu quis saber da Carmem como era estar grávida depois de tantos anos da sua primeira gestação?

“A diferença é total. Quando minha filha nasceu eu tinha apenas 25 anos. Não curti cada dia, cada momento da gravidez como hoje. Tudo, absolutamente tudo, é diferente! São novas sensações que se devem mesmo ao fato de sermos mais maduras e experientes. Na minha juventude foi tudo muito automático, até por ser a minha primeira experiência como mãe. Hoje dou valor a cada segundo da gestação.

Perguntei à Carmem se ela faria algo de diferente dessa vez.

“Estamos à espera de um menino, o Thiago. É surpreendente a renovação que ele representa em nossas vidas. Uma benção enorme. Com relação à minha primeira experiência como mãe, vou me dedicar mais, trabalhar menos e curtir meu filho intensamente. Vamos viver juntos cada momento.”

O que você diria para as Mulheres de Quarenta que desejam engravidar?

“Meu conselho para as Mulheres de Quarenta que desejam ter um filho é que é imprescindível estarmos com a saúde em dia, nos cercarmos de todos os cuidados para que o bebê e a mamãe estejam seguros. Sigam em frente e curtam e agradecem a Deus por essa benção.”

Gente, não foi demais! Adorei conhecer a Carmem e em breve queremos que ela nos apresente o Thiago! Nós, do Mulheres de Quarenta, desejamos muitas felicidades pra toda a família!

14528268_1245680955482865_1855042014_n

 

Encoraje seu filho!

IMG_2337Eu, como mãe, vivo me questionando sobre o modo como ajo com as minhas filhas. Quantas vezes fui acometida por um sentimento de culpa. E falo, sinceramente, que até já chorei de arrependimento por ter sido dura com as meninas.

O fato é que não é nada fácil educar. Eu diria mais: não é para qualquer um. Tem que ter dom. Tem que ter vocação. Tem que ter tempo. E, acima de tudo, tem que estar muito disposto. Sim, porque seu filho vai lhe fazer uma pergunta complicada bem na hora que você começou a assistir sua série preferida na TV. Ou vai passar mal de madrugada e você vai ter sair correndo para o hospital. Além disso, terá que lhe ensinar tudo aquilo o que aprendeu e, com isso, tentar fazer com que ele seja uma pessoa melhor do que você.

Acho que esse é o maior objetivo: fazer com que os nossos filhos sejam melhores do que nós. Prepará-los para o futuro e ensiná-los a se defender de todas as adversidades que terão pela frente. Sim, vamos chorar por eles, porque muitas vezes será praticamente impossível evitar que sofram. E a dor de um filho, eu sei, doi bem doído na alma.

Há pouco tempo, minhas meninas –  a Rafaela, de 11 e a Giovanna, de 10 anos – fizeram um “complô” contra mim. Chamaram-me de chata e reclamaram de uma porção de coisas. Eu me senti muito mal. Parecia que todo meu esforço de educá-las para esse mundo vil, que nós sabemos que existe, era em vão.

Tive uma conversa muito sincera com elas e em tom de seriedade, disse-lhes que mudaria meu jeito de ser. Por um dia fiquei séria, parei por um momento de tentar mostrar a elas o que era certo e errado. Confesso que estava no meu momento de reflexão.

As meninas ficaram muito preocupadas com aquela transformação repentina. Elas se reuniram por um dia todo para pensar numa tática para chegar até mim. Dessa vez, elas queriam e… precisavam me resgatar. E é claro que quando voltei a implicar com elas, eu havia voltado para a normalidade.

Vejo que muitos pais, na tentativa de evitar as inevitáveis frustrações de seus filhos, se adiantam em arrumar meios de evitar que isso aconteça. Temem falar não. Não conseguem impor as regras. São permissivos e quando perdem as rédeas, recorrem a terceiros para que eles tenham a tarefa de corrigir o que está errado. E, mais do que isso, acreditam que poupar seus filhos dos desafios que a vida desde cedo lhes impõe é um erro grave que influenciará em muito a personalidade na vida adulta.

O que eu quero dizer é que se o peixinho do seu filho morrer…não corra para comprar outro! Encoraje seu filho para que ele se acostume com as perdas e aprenda a lidar com elas desde cedo da melhor maneira possível.

E aos trancos e barrancos, sem muitas regras, sem muita psicologia, vou seguindo com as minhas meninas. Elas adoram a mãe chata que tem. E eu, não abro mão disso!

 

 

Pacote completo

mae-filhosHomens que se aventuram a assumir relacionamentos com mulheres de quarenta têm muito o que aprender. Elas têm experiência, sabedoria, são decididas e até podem não saber muito bem aquilo que querem, mas certamente, sabem exatamente aquilo que não querem. Sofrer, por exemplo, é um item que está fora de cogitação.

Nesses anos elas já tiveram chances de experimentar muitas coisas. Amadureceram, ainda que tenha sido pela dor. E aprenderam, queira ou não, que ninguém morre por amor. São corajosas para assumir alguma coisa sabendo que, se não der certo, podem sobreviver.

Além disso, muitas delas vem com acessórios inseparáveis: os filhos. Ainda que elas se apaixonem loucamente, eles estarão em primeiro lugar. E ai de quem mexer com a sua cria. De uma hora para outra as leoas viram feras.

O companheiro que tiver a coragem de assumir uma mulher de quarenta tem que estar disposto a comprar o pacote completo. Terá que aprender a conviver neste novo cenário familiar, enfrentar as diferenças e os conflitos. Saber lidar principalmente com as pequenas disputas e entender que no amor não existe divisão. Se em algum momento tentar concorrer com os filhos, sairá perdendo.

Se por outro lado, usar sua maturidade e inteligência para saber administrar a situação e acima de tudo, se houver amor verdadeiro, não haverá obstáculo que impeça o bom relacionamento familiar.

A mulher, por sua vez, se regozijará ao ver o companheiro empenhado em fazer o seu melhor para os seus filhos. Quem nunca ouviu aquele velho ditado: quem meu filho beija, minha boca adoça?

E aí? Pacote completo? Vai encarar?

Só para os fortes!

Deixe-me em paz!

cap22“Eu não aguento mais”. Esse foi o desabafo de um amigo recém separado que vem sofrendo as consequências do desequilíbrio da sua ex que não consegue superar a falência do casamento.

Seu único objetivo é destruir emocionalmente seu ex-companheiro de maneira ardilosa, numa vingança sem fim. Suas artimanhas para alcançar o que tanto quer são tão vis que não só atingem o seu ex como todos os que estão a sua volta. Nessa cadeia, as principais vítimas são os filhos, além dos pais, e sogros, também.

Eu me recordo bem do momento da minha separação. Entendo perfeitamente o quanto é difícil aceitar essa nova condição. Lembro-me de como foi complicado ter que assumir tudo sozinha e aceitar que as coisas realmente haviam mudado em todos os sentidos, principalmente a minha situação financeira.

Também senti dor, medo e raiva. Chorei muito, sofri bastante. Até que um dia, enquanto eu me lamentava dessa situação tomei um grande “chacoalho” da minha mãe. Ela me via jogada, quase desistindo, quando mandou que eu me levantasse da cama e tratasse de cuidar da minha vida e da vida das minhas filhas, afinal, era essa a única – e melhor herança – que havia restado daquela relação.

Então eu me dei conta de que enquanto eu pensava em fazer alguma coisa para me vingar de tudo o que havia acontecido, minha vida andava para trás. Eu não conseguia trabalhar, nem me concentrar em nada. Não me divertia e apenas amargava o meu destino. Com o choque emocional dado pela minha mãe eu tomei a decisão de que não deixaria nada mais me abalar. E assim, eu me levantei da cama e segui em frente. Tratei de cuidar de mim e minha relação com as meninas foi a melhor possível, tanto que, apesar de todo o sofrimento, medos e angústias, passamos juntas por esse momento sem que elas precisassem de qualquer tipo de ajuda.

Posso dizer que nós, juntas, nos superamos. E apesar de toda a derrota, saímos vitoriosas. Minha vida continuou. Eu segui em frente e descobri muitas outras coisas que me faziam feliz. Amigos, festas, diversão e o principal: que mesmo só, eu poderia ser uma ótima companhia para mim mesma.

Meu amigo espera que verdadeiramente sua ex encontre seu caminho e que ambos possam viver em paz.

Eu também torço por eles!

 

Como enlouquecer os seus filhos

Cri-2Pode parecer piada mas não é.
Navegando pela internet encontrei uma sentença proferida por um juiz de família que me fez refletir bastante.

Eis o texto:

“Na avaliação, percebe-se que a genitora da criança não conseguiu elaborar a separação do Sr. João (nome fictício) e com isto se desestabilizou afetivamente também em relação ao seu papel materno, vindo inclusive a negligenciar os cuidados com o filho, por isto mantém uma postura de insegurança, medo e dificuldade de retomar a sua vida.
Sugere-se tratamento psicoterápico de no mínimo 6 (seis) meses para que a genitora possa elaborar os lutos resultados da separação, bem como rever seu papel como genitora.”

O que parece incomum é mais corriqueiro do que se possa imaginar. Fatos como esse acontecem com frequência.
Mães que foram deixadas por algum motivo e não digeriram bem a separação acabam transferindo essa carga – mais do que pesada – para seus filhos.
Muitas, em razão de sua dor, acabam deixando-os de lado, sem se preocupar com alimentação, escola ou com os cuidados básicos que devem ser dispensados à sua prole.
Pior ainda, algumas armam armadilhas emocionais para chantagear, inclusive financeiramente, o ex-conjuge. E agem sem limites usando artimanhas tão vis que causam danos irreparáveis não só no emocional como na saúde física de seus filhos.
Lamentável que isso aconteça. Filhos reféns desses comportamentos ficam agressivos, raivosos, e às vezes introspectivos. Os primeiros sinais estão na queda do rendimento escolar. Fora isso, encontram dificuldades para se relacionar ainda que os ambientes sejam familiares.
Além disso, as consequências drásticas podem vir com o tempo, principalmente na fase crítica da adolescência.
Pais que se dispuseram a colocar filhos no mundo têm que arcar com a responsabilidade de criar, educar e lhes proporcionar um ambiente em que possam crescer saudáveis e felizes, independente se estiverem juntos ou separados na árdua tarefa de formação dos filhos.
Nós pais, somos responsáveis pelo futuro das nossas crianças.
Que cada um aprenda a conviver com as suas dores e as suas frustrações sem transferí-las para as crianças.
Erros todos nós cometemos. Sorte de quem tem a chance de reconhecê-los, dar um passo para trás para poder voltar a seguir em frente enquanto ainda há tempo.
Esse juiz nos dá uma boa lição!
Recomendo a leitura dos meus textos publicados há alguns anos sobre minhas próprias experiências após a separação.

Seguem os links:

https://mulheresdequarenta.com.br/separacao-e-um-luto/

https://mulheresdequarenta.com.br/lutos-da-vida/

 

Meus defeitos, suas qualidades

1303304515796_fHoje pela manhã, sem querer, eu e minhas filhas iniciamos – a pedido delas – um importante exercício. Tudo começou com a brincadeira de apontar os defeitos e as qualidades de cada uma.

Não é fácil receber críticas. Ninguém gosta de ouvir as verdades.

As meninas colocaram pra fora as suas insatisfações em relação a mim. Giovanna, minha filha menor, disse-me que um dos meus defeitos era a sinceridade: -Mãe, às vezes você magoa!

Rafaela, minha pré-adolescente, reclamou da minha braveza.

Eu, como mãe, apontei coisas básicas que crianças da idade delas costumam fazer, como desobediência, desordem e outros pequenos deslizes que ainda podem ser corrigidos.

Confesso que não foi uma conversa fácil. Reconhecer nossos próprios erros é difícil. Os elogios amenizaram um pouco a nossa avaliação pessoal.

A tal “brincadeira” mexeu com os nossos sentimentos por que, queira ou não, aceitamos as críticas e prometemos, mutuamente, mudanças e melhoras. Se vamos conseguir, só o tempo poderá nos dizer.

Nosso café da manhã de hoje foi regado à lágrimas, beijos e abraços coletivos.

É…o amor às vezes dói. Em nome desses nossos desafios, seguimos em frente na certeza de que estamos aqui para nos superar a cada dia.

Que bom que ainda temos tempo para aprender.

o-segredo-para-viver-em-paz-com-todos-consiste-na-arte-de-compreender-cada-um-segundo-a-sua_600x315_3179

Bandeira branca, amor!

White Flag: Last LapFiz uma enquete na página do Mulheres de Quarenta para ver o que as mulheres queriam ouvir. Relacionamentos que resultam em filhos foi um dos temas solicitados. O que fazer para viver em paz com o seu ex quando se têm filhos? Confesso: não é fácil.

Logo depois da minha separação fui a uma festinha de criança. Eu estava só com as minhas duas filhas. A mãe da aniversariante era separada e o pai, ex-marido dela, estava na comemoração. Eu achei aquilo o máximo, afinal estava em pé de guerra com o meu ex. Senti uma pontinha de inveja porque enquanto minhas filhas sofriam com aquele momento que estávamos passando, a aniversariante estava toda feliz ao lado do pai e da mãe.

Apesar de achar que meu dia nunca chegaria, posso dizer que hoje vivo em paz com o pai das minhas filhas. Temos uma relação de respeito e cordialidade o que já é suficiente para que nossas filhas vivam felizes e confortáveis com a harmonia que agora existe entre nós.

Claro que não foi fácil chegar até aqui. Brigamos, discutimos, envolvemos as meninas até que percebemos que, para elas, o melhor seria tentarmos uma convivência pacífica. Com isso, elas não nos deram trabalho. Sofreram a perda, como nós, mas entenderam e, por fim, aceitaram bem a separação.

Hoje entendo que enquanto um não levanta a bandeira branca, a guerra nunca acaba. Perder, por um lado, significa ganhar do outro. Pense bem se a decisão de viver bem não cabe a você! Às vezes é melhor ser feliz do que ter razão. Boa sorte!

Depois de você

jealousy

Olá ex, eu estou aqui! Sim, sou eu a atual do seu ex. E é claro que você já notou a minha presença. Não tenho motivos para me esconder.

Já sei da sua história. Compreendo as suas dores. Sei dos seus medos, das suas angústias e das suas aflições. Conheço bem as suas inseguranças. Discordo de algumas atitudes, mas respeito o seu momento. Também não lhe julgarei.

Saiba que não estou aqui para competir, nem com você e nem com ninguém. Nem pretendo substituí-la. Você, assim como eu, tem o seu valor. Apenas não me desmereça. Afinal, você não sabe o caminho que percorri para chegar até aqui.

Seus filhos são seus. Sim, eu sei. Mas eu os quero bem e não tenho como impedir os meus sentimentos. Não tenho a mínima intenção de substituí-la como mãe. Melhor pra você que eu goste deles, certo? E como diz o velho ditado: “quem meu filho beija, minha boca adoça”.

Estou onde devo estar assim como você. Entendo o seu presente e não tenho nada a ver com o seu passado. O que me interessa, apenas, é o meu futuro. E nele, escrevo uma nova história.

Desejo que você encontre um novo amor e que seu coração se encha de esperanças. Que você viva feliz e faça feliz aqueles que estão ao seu lado. Que cuide bem dos seus filhos e lhes encha do amor que eles tanto precisam. Só assim eles crescerão seguros e felizes ainda que, nesse mundo mais do que moderno, tenham que conviver e aceitar os novos modelos de família.

Desejo ainda que você, assim como eu, ame e seja amada. E que por fim, tenha muito boa sorte!

Esses são os meus mais sinceros votos!

Depois do fim

tumblr_ln71oqynfs1qlcj40o1_500Os anos após a separação me fizeram aprender. Nada melhor do que o tempo para ganharmos experiência e maturidade. Claro que depois do luto da separação – aquele que todo mundo passa – e depois de todas as dores e amarguras, vem a bonança.  Sim, isso para aqueles que conseguem se superar.

Não é uma tarefa fácil. Demanda tempo. Mais do que isso: vontade, equilíbrio e sabedoria.  No meu caso, minhas duas filhas foram o meu maior incentivo. Foi através delas que encontrei motivação para seguir em frente e vencer essa etapa.

Quando a perda da separação é insuperável, os resultados geralmente são trágicos, especialmente para os filhos que são os que mais sofrem nesse processo. Se o ex, ou a ex, já encontrou um novo par, pode ser pior ainda!

Os filhos viram escudo. São jogados de um lado para o outro. Participam, ainda que sem querer, das chantagens emocionais contra o ex parceiro ou parceira.

E você, que já passou pelos mesmos problemas, observa sem nada poder fazer. Apenas torce para que tudo acabe bem, assim como acabou para você. Torce para que o tempo passe rápido, para que a poeira tome assento e para que tudo chegue ao fim.

Enfim, você torce para que as pessoas vivam em paz. Amém!

 

Quem pode mudar?

Vanessa Palazzi e Eugênio Reynaldo Palazzi

Aqui, cá com os meus botões, paro para pensar na vida e nas pessoas. Claro que a gente sempre se espelha na experiência dos mais velhos. E muitas vezes achamos que eles estão equivocados. Sabemos que, nas tentativas, eles acertaram mais do que erraram.

Nessas reflexões vejo que do alto dos meus quarenta anos ainda tenho tempo de me adaptar. Aceito muito melhor aquilo que não pode ser mudado. Sei que daqui pra frente as mudanças radicais começam a ficar cada vez mais distantes.

Meu velho pai, meu ídolo, meu amigo me inspira a escrever. Indomável, às vezes um tanto quanto irascível, mas é o meu pai a quem tenho adoração. Tem um jeito todo peculiar. É bravo, mas por dentro uma criança. Um tolo que vive por amor como ele mesmo diz. Muitas vezes não o compreendi. Até o dia em que me tornei mãe e vi, que o amor incondicional que tanto se fala, se fez verdade na minha vida.

Quando criança eu não entendia os seus nãos. Na adolescência eu o enfrentava mas sempre o respeitei. Na vida adulta comecei a compreender os significados do seu zelo. Agora, aos quarenta, passei a amá-lo ainda mais por toda a dedicação que teve e continua tendo comigo.

Ah, esse meu pai…já perdi as esperanças de que um dia ele mude. Aliás, já nem quero mais como um dia eu quis. Quero me adaptar ao que não pode ser mudado e a aceitar que o amor tem essas nuances que o tornam tão especiais.

Feliz por ter esse entendimento que faz parte da minha evolução! Pai, te amo!

Add to cart
AN