Vista-se bem para agradar a si mesma

Você tem visto por aqui uma série de dicas a fim de fazer com que a sua autoestima permaneça elevada durante esse período de isolamento social, para que assim, você possa se sentir bem consigo mesma, apesar de tantas adversidades.

Hoje seguimos nessa linha de conteúdo, e queremos ressaltar sobre a importância de você se manter bem vestida em casa para que se sinta bem, bonita e com a autoestima a mil.

Vista-se bem por você e para você, pensando em como se sente bem consigo mesma. Por isso, hoje separamos alguns looks incríveis para você. Confira!

1 – Blusinhas de animal print

O animal print gera um charme todo especial, que na certa despertará animação e empolgação em você para ter um ótimo dia.

2 – Basic chique

Sem muita estampa e informação, com alguns toques especiais o basic pode ser algo chique. A grande vantagem é que looks assim podem ser usados em qualquer ocasião, seja para uma reunião em videochamada, quanto para preparar um almoço gostoso para si mesma.

3 – Conjuntos confortáveis

Apostar em conjuntos bem confortáveis pode ser tudo o que você precisa, se for da turma que adora se sentir leve com um bom look.

4 – Vestidos frescos

Se tem uma coisa que amamos fazer em casa, é se sentir bem fresca, e com lindos vestidos longos de tecidos leves, isso é bem possível.

5- Vestidos com fenda

Para dar aquele up na sensualidade, nada melhor do que colocar looks com fenda. Assim, você se sentirá incrível novamente.

Gostou de algum dos looks? Todos são da loja My Trix Store (@mytrixstore): https://www.instagram.com/mytrixstore/

Garanta o seu!

Cuide-se, Conheça-se, Aceite-se!

Olá meninas,

Há algum tempo eu comentei sobre o tema seguinte, mas agora, com alguns anos a mais de experiência,  edito alguns trechos para trazer um recado muito sério. 

Um dia, atendi uma paciente cuja história me deixou muito triste. Não foi a primeira, e infelizmente não será a última vez, mas cada dia que passa sinto a necessidade de dizer algo a vocês – e de que vocês compreendam o significado deste texto.

Essa paciente ouviu de seu parceiro uma crítica sobre seu corpo há aproximados 10 anos. DEZ ANOS! Foi algo baixo, sujo, que mexeu com sua autoimagem. Após,  não quis mais o marido e se divorciou, porém  acreditou nele e carregou aquela frase como uma verdade. Criou um mundo em que se martirizava e se culpava por ter aquele problema sobre o qual o ex lhe contou. Nunca mais teve outro parceiro. 

Depois de tanto tempo, teve coragem de pedir ajuda e conversar com um médico para lhe operar e retirar de vez aquele mal. Procurou-me já questionando sobre o valor da cirurgia para resolvê-lo (não havia nenhuma outra queixa). Teve vergonha em deixar que eu a examinasse e qual foi minha surpresa quando constatei que seu corpo estava normal! 

Ela contestou. Não acreditou no que eu lhe dissera. Já tinha condensado tanto aquele defeito em sua mente, que não me ouviu ao dizer que nada havia de diferente ali. Pedi que me mostrasse onde estava o que a incomodava, que me apontasse com o dedo. Ela não conseguia identificar o local do problema, mas estava certa de tê-lo, porque o ex-marido lhe contara. 

Peguei alguns minutos e pedi para que me contasse como foi o ocorrido e percebemos que o marido utilizou-se de uma mentira para chantageá-la. Fato: ela não tinha nada. Foram anos de escravidão em uma chantagem emocional. 

Chorou de alegria quando entendeu que sempre estivera completamente sã. Rindo, comentou que até já tinha pedido dinheiro para os filhos para ser operada.

Não, não contarei qual o problema dela, mas exemplifico:

Mulheres, não deixem que o parceiro te pressionem a ter relação sexual (de qualquer tipo). E quando o sexo for espontâneo, usem camisinha. Eles usam o amor como argumento para uma eventual não proteção, mas lembrem-se que quem ama, cuida.

Não deixem de usar aquela roupa, adorno, maquiagem, penteado ou sapatos por objeção dele.

Não deixem que falem mal do seu corpo, do seu peso, da sua altura. Não deixem que lhes agridam com frases sobre qualquer parte dele: culote, bunda, peito ou cabelos. 

Cada mulher tem uma vagina diferente. A sua vagina. Pode ser rosa, castanha, escura, peluda, desproporcional, enrugada, fechada, larga… Só você tem o direito de não gostar dela. E se isso acontecer, procure ajuda. 

Não se deixem intimidar quando questionam sobre quando virá namoro, casamento, filho.

Sei que mulher é feita de emoção e, por isso, não adianta falar para vocês usarem a razão.  Assim, peço que usem o amor – o amor próprio!

Aceitem apenas críticas construtivas e elogios. Comentários desnecessários atrapalham anos da sua vida, joguem-nos fora. Peguem os comentários feitos sobre vocês e passem por um filtro para entender o quão verdadeiro é aquilo. Se ainda assim, achar que o problema mesmo em você,  ouça uma segunda opinião. Não se prendam a valores que não são seus. 

Aceite o que você quer e queira o que é o melhor para você!

Por: Rodrigo Ferrarese – Médico, especializado em uroginecologia, em endoscopia ginecológica (https://www.instagram.com/dr.rodrigoferrarese/)

Como anda a sua autoestima?

Quando falamos de autoestima, para muitas pessoas pode parecer algo natural tê-la elevada, mas será que é mesmo? Estamos aqui hoje para falar que não, e muitas vezes você pode até achar que tem uma autoestima nas nuvens, mas na verdade, você pode estar é não enxergando a falta de amor que tem tratado si própria.

Para lidar com isso, é importante que primeiramente você consiga identificar quando e como uma pessoa está com a autoestima baixa, para poder olhar para dentro de si mesma e verificar se está se encaixando nesse padrão.

Separamos 5 ações que demonstram casos do tipo para você ficar atenta:

1 – Sentir-se culpada constantemente

Nada demais aconteceu, porém qualquer pequeno problema você já começa a sentir que a culpa é sua e que você está errada.

2 – Busca excessiva por elogios

Pessoas que vivem procurando formas de serem elogiadas, muitas vezes, são aquelas que menos acreditam em si mesmas.

3 – Viver se comparando a outras pessoas

Quando constantemente vivemos comparando detalhes de outras pessoas com a gente, é porque no fundo, queremos ter alguma comprovação de que somos bons em algo, por não acreditarmos nisso.

4 – Não conseguir lidar com críticas

Se críticas te abalam excessivamente, é porque no fundo você acaba acreditando em tudo o que de ruim que falarem de você.

5 – Excesso de autocrítica

Quando nos criticamos de forma árdua, nunca acreditando que algo que fazemos está bom, é porque no fundo nós já não acreditamos em nosso potencial e habilidades.

Como lidar?

Em casos como os citados acima, a primeira forma de lidar é reconhecendo que estamos com baixa autoestima, para então buscar formas de resolver. Olhe para dentro de si e veja o grau de cada um desses sintomas e o quanto te afeta.

Você pode começar a tratar casos como esse com tarefas básicas no dia a dia, como cuidando mais de si mesma (interiormente e fisicamente), fazendo uma lista de suas inúmeras qualidades, fazendo autoafirmações de manhã sobre tudo o que você é de positivo… E claro, desabafando com pessoas de confiança.

Além disso, sempre ressaltamos no Mulheres de Quarenta que caso você não consiga resolver qualquer um desses tipos de problema, para procurar ajuda especializada, seja de um psicólogo ou algum tipo de terapia alternativa. Fique atenta!

Seja a pessoa mais importante da sua vida!

Por mais que saibamos as nossas qualidades, nem sempre é fácil manter o amor próprio em alta, porém, se nós não o temos, todas as áreas da nossa vida podem ser afetadas. Para as mulheres de quarenta, é importante elas se lembrarem de tudo o que passaram e da forma que melhor superaram para poderem seguir em frente com mais autoconfiança e cuidado com si própria.

Muitas pessoas encaram o amor próprio como certo tipo de egoísmo, mas isso não é verdade. Quando temos bastante amor próprio, temos consciência de que não faremos bem a qualquer pessoa, se primeiramente não fizermos para nós mesmas.

Hoje separamos para você 5 dicas para dar um up no seu amor próprio. Confira:

1 – Seja honesto consigo próprio

O primeiro passo para manter o amor próprio em dia é ser honesto consigo própria, saber reconhecer o que gosta ou não e de que forma você pode cuidar para ser mais feliz. Dessa forma, você começa a enxergar as situações que não te fazem mais bem e que precisam ser modificadas.

2 – Estabeleça limites

Estabelecer limites é essencial para sermos felizes, tanto limites sobre nossas próprias atitudes quanto das ações alheias. Ao fazer isso, nós passamos a aceitar apenas o que realmente nos faz bem, rejeitando aquilo que de certa forma nos prejudica.

3 – Perdoe a si própria

Na vida, não há quem nunca cometeu algo que se arrependa, porém, é essencial que saibamos entender que somos humanos e também erramos, e está tudo bem com isso. Os erros são ótimos aliados para aprendermos a ser melhores cada vez mais. Use como lição e perdoe a si própria, você não tinha o conhecimento que tem hoje, e todas as pessoas erram, é normal.

4 – Proteja-se de pessoas tóxicas

O termo “pessoa tóxica” ficou muito em alta, isso porque não há outra forma de descrever esse tipo de gente. As pessoas tóxicas podem agir de diversas maneiras, te colocando para baixo, te subjugando, te contagiando com uma visão pessimista do mundo… Não tenha dó de se afastar desse tipo de gente, pense primeiro em você.

5 – Avalie com cuidado críticas

Muitas vezes, ao recebermos alguma crítica tomamos aquilo como verdade e passamos a rever as nossas atitudes. Porém, é essencial que antes que façamos esse tipo de coisa, avaliemos tudo o que de negativo for falado a respeito de nós para ver se realmente faz sentido. Não é porque alguém disse que é verdade, é importante avaliarmos.

Colaboração: Jéssica Mayara (@jessica.mjornalista): jornalista, atua com produção de conteúdo para redes sociais e blogs, e assessoria de comunicação!

Add to cart
AN