Quem procura, acha.

infidelidade-traicao-marca-de-batom-na-camisaTenho visto alguns casos interessantes relacionados às mídias sociais. Minha mãe sempre foi a primeira a dizer que essas coisas não davam muito certo para os casais. Sempre acabava em briga. E eu presenciei algumas. E também não vou mentir que nunca briguei por causa de ciúmes. Um comentário aqui, outro ali e pronto. Tudo pode se perder.

Essa semana recebi um recadinho “in box” de uma pessoa que não me conhecia, nem fazia parte do meu rol de amigos. O marido, que nos acompanha pelo blog, mandou uma mensagem delicada, elogiando o site e dizendo que sempre lia os textos para entender um pouco mais sobre o universo feminino. Eu, lisonjeada, agradeci o carinho e a gentileza. E foi só. Ele nunca mais me escreveu. Muito menos eu.

A mulher que vive com ele me mandou um recado uns dias depois. Ela me pediu que nunca mais trocasse mensagens com o seu, digamos, companheiro. “Você não gostaria de ver alguém com quem é casada conversando por mensagens com outra mulher”, disse-me ela.

Prontamente eu me redimi, claro, que sem a mínima necessidade, mas entendi o quanto ela estava insegura com aquela situação. Logo vi que ela não tinha a maturidade dos quarenta. Mais do que isso, a moça andou bisbilhotando a vida alheia. Homens e mulheres, quando querem, podem se tornar azes na arte da investigação.  E inevitavelmente, quem procura, acha. nem que seja pêlo em ovo.

No meu caso não havia necessidade alguma dela se preocupar. Mas além de mim, ela deve ter encontrado outras coisas por lá. In box, claro! Onde há fumaça, inevitavelmente, há fogo e aí a decepção pode ser grande.

Quando uma das partes se sente insegura, a balança desequilibra. A falta de confiança em si mesmo, a baixa auto-estima e o medo de perder fazem com que as pessoas sejam inconsequentes. Melhor parar para pensar, ponderar e reavaliar. Muitas vezes não vale a pena se sujeitar a esse papel.

Nada de bisbilhotar a vida alheia. Aposte em você em primeiro lugar!

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : mulheresdequarenta

1 Comentário

  1. José 04/01/2013, 7:07 pm comentar

    Concordo, a alta e a baixa auto-estima vivem em mundos completamente diferentes. Só não concordo em uma coisa, vc tem no máximo 30 anos… Abraços

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.