Quarentena: momento ideal para se organizar

Neste momento de isolamento social, em que boa parte da população está em casa, ficou ainda mais evidente a necessidade de um dia a dia organizado para darmos conta de tudo que temos para fazer: acompanhar as atividades escolares dos filhos, lazer com eles, trabalhar, cuidar da casa, do casamento e ainda fazer sobrar um tempo para nós mesmas.

Mesmo com diversas atividades extras dentro de casa, se criarmos uma rotina, nos sobrará tempo para as coisas mais importantes, entre elas, a organização das nossas finanças.

Muitas famílias estão sentindo na pele a dificuldade imposta pela redução ou até pela perda total da sua renda. Para estas famílias, a falta de uma reserva financeira que as ajude a atravessar este período faz desta crise um momento implacável. E o essencial agora é descobrir maneiras de conseguir dar conta das contas e ainda, na medida do possível, ficar no azul. Algumas pessoas estão, pouco a pouco, transformando hobbies em negócios, outras descobriram alguma habilidade que pode se transformar em uma renda extra. O momento é de crise, mas como toda a crise, o período também é de oportunidades.

Algumas famílias estão conseguindo manter sua renda ou pelo menos parte dela, outras (poucas) tinham uma reserva financeira e começaram a usá-la. Para todas estas o momento é de reduzir os gastos. É preciso identificar e cortar desperdícios, e renegociar contratos para fazer com que os custos caibam no novo orçamento, e assim evitar que suas reservas se esgotem mais rapidamente

Para isto, vale renegociar pacotes de celular, TV a cabo e internet. Você precisa mesmo de 200 canais de tv? Precisa de TV a cabo e NetFlix? Negociar descontos em escolas, planos de saúde, tarifas bancárias e em outras despesas. Sempre há onde cortar. Dá trabalho, leva tempo, mas é possível.

Fazer uma lista de supermercado e pesquisar outras marcas dos produtos que você e sua família estão acostumados a consumir também costuma proporcionar uma boa economia.

Vale dizer que ninguém precisa deixar de lado tudo o que lhe dá prazer, pois é possível reduzir gastos e ainda viver bem.  Se você tem pedido comida em restaurantes, reduza a quantidade de vezes em que faz isso no mês. Arrisque-se a cozinhar um prato novo, compartilhe esta atividade com a família, faça deste momento algo prazeroso.

Consumir muitas vezes está mais relacionado a um hábito – ou conveniência – do que a uma necessidade, e mudá-lo não é algo fácil e leva tempo. Exige foco e disciplina para que os benefícios (que levam tempo) possam aparecer. Há grandes chances de desistirmos no meio do caminho, por isso exigirá comprometimento e muita disciplina. Defina um objetivo e um plano para alcançá-lo. Quanto mais detalhado o objetivo, melhor. Isso vai ajudar a torná-lo mais concreto.

O resultado de toda essa organização te trará tranquilidade e segurança. E lembre-se: as crises vem e vão, e você pode sair desta ainda mais fortalecida.

Beijos

Ana Leoni

Executiva da ANBIMA (associação brasileira das entidades dos mercados financeiros e de capitais) desde 2005, atuou em diversas áreas. Atualmente, é responsável pelas áreas de educação financeira, certificação profissional e market data da associação.

É conselheira da associação brasileira de educação financeira (AEFBRASIL), membro do advisor board do IFIE (international forum for investor education) e chairwoman do IFIE America’s Chapter, é também colunista do valor investe.

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Jéssica Mayara

0 Comentário

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.