Meu heroi favorito

Por Eunice Palazzi, minha amada mãe. Para meu pai!

Aos cinco anos de idade, carregava uma caixa de engraxate. Atrevia-se a ficar na porta da barbearia para ganhar alguns trocados. Com eles, comprava alguns pães e leite, que eram muito bem vindos numa casa onde tudo era muito escasso. Só a pobreza era grande.

Aos sete ou oito anos, já mais esperto, confeccionou um carrinho de rolimã. Seu pai era mecânico e lhe fornecia as rodas usadas. Era seu brinquedo preferido. Disputava corrida com os amigos da rua onde morava.

A probreza continuava, apesar da sua ajuda. Cada vez pior. Sem nunca reclamar de nada, adaptou um caixote de frutas no carrinho e carregava  compras de madames na feira. Com isso, o faturamento aumentou e seu entusiasmo pelo trabalho também.

Aproveitava todas as oportunidades para ganhar um troco a mais, sem nunca negar nenhum trabalho.

A vida continuava. Além do trabalho, estudava no grupo escolar, brincava muito com os amigos da rua. O pai era um homem bom. Ignorante, lhe dava muitas surras. As professoras, com freqüência, ameaçavam de ir à polícia pelos maus tratos ao menino.

Sua mãe, bordadeira, tentava contornar as situações familiares, inclusive nas economias que fazia para comprar alimentos.

Foi brincando na rua, próximo de completar seus 14 anos, que um senhor saiu da gráfica em frente e incomodado com a algazarra da garotada, disse-lhe:

– Menino! Você já tem idade e tamanho para trabalhar! Pare com esse barulho!

Ele, em resposta, disse:

– Se o senhor me arrumar um lugar, eu posso começar agora!

Assim ele iniciou sua vida profissional, com “carteira assinada”. Começou como office-boy. Sua caligrafia era exemplar. Isso fez com que ele ficasse responsável pelos livros da contabilidade e correspondências.

O tempo passou. Até que o gerente do banco onde a gráfica mantinha conta ofereceu-lhe uma nova oportunidade. Ele via nesse jovem uma pessoa de grande futuro. O dono da gráfica, que gostava muito do rapaz, o deixou ir, confiante no seu potencial.

Ele foi exemplar. Mesmo servindo o exército não deixou de trabalhar. Fazia a compensação de cheques noturna. Dos bancários, era o melhor. Esperto, ágil, inteligente e o melhor de tudo, e sempre alegre, sorridente e bem humorado. Já naquela época ele era feliz porque sabia que, sozinho, havia absorvido para si toda a mantença do lar. Pagou as dezesseis cirurgias do pai e garantiu tudo aos seus velhos até o dia de suas mortes.

Sua caminhada continuou. Do banco, partiu para uma empresa de metais e em seguida assumiu como tesoureiro de uma multinacional. Enquanto tudo isso acontecia na sua vida profissional, dedicava-se aos estudos.

Aos 19 anos apaixonou-se por uma garota. Após seis anos de namoro, veio o casamento. O mais simples, porém o mais feliz. Antes de se casar, comprou seu próprio imóvel com toda a mobília.

Casado e já com um filho, cursou a faculdade de Direito. Quando se formou já tinha uma filha também.

Sua simplicidade e humildade fizeram dele um grande campeão. Um lutador nato que entra em todas as batalhas. Seu extremo entusiasmo e amor fazem com que as lutas pareçam sempre brincadeiras de criança.

Sua ingenuidade, maliciosa, e seu atrevimento, honesto, fazem a vida parecer tão boa e tão fácil como quando ele fez sua primeira caixinha de engraxate.

Esse é o meu super heroi. O meu preferido!

FELIZ DIA DOS PAIS

1 Comentários

  1. Adoro seus textos, conheci seu blog através da querida amiga Ivy, gostaria de deixar registrado aqui uma frase que li num shopping e que, para mim, traduz o significado dessa figura tão importante e fundamental nas nossas vidas. “PAI É AQUELE HERÓI QUE TAMBÉM É SEU FÃ!”
    Abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Add to cart
AN