Menopausa: um tabu no empoderamento feminino

Somos mais de 20 milhões de mulheres no mercado formal de trabalho no Brasil e diante de inúmeros desafios, como a equidade salarial, cargos de liderança, e dupla jornada, ainda temos o desafio velado chamado Menopausa.

Assunto quase proibido entre as próprias mulheres, a menopausa pode sim trazer um grande impacto para o empoderamento feminino. Isso porque os efeitos do desbalanço hormonal no corpo da mulher impactam negativamente não só na disposição, memória ou sono mas, no ambiente de trabalho, tem uma grande parcela de culpa na diminuição da autoconfiança.

Tanto se fala sobre os vieses inconscientes e diversidades, e pouco se aborda sobre os comentários maldosos feitos à boca miúda entre os participantes de uma reunião, a um pedido da mulher madura para diminuir a temperatura do ar condicionado, ao suor aparente ou ainda às perdas repentinas de memória.

Me chama a atenção o fato de que a expectativa de vida das mulheres aumentou, de que elas conquistam cada vez mais independência e infelizmente ainda se vejam inseguras ao lidar com esse assunto, somando isso às dificuldades já enfrentadas no mercado de trabalho e na vida.

Como médica também me surpreendo de que poucas mulheres sabem que o climatério vai muito além das questões ginecológicas e deve ser tratado com um olhar holístico em todas as suas esferas. A idade da menopausa não mudou apesar de todas as evoluções dos anos e a mulher precisa aprender a lidar com o fato de viver, pelo menos, 1/3 de sua vida sem a produção fisiológica dos hormônios femininos, porém sabendo que tem a opção de contornar suas consequências.

No consultório ouço com muita frequência o quanto as mulheres acabam tentando esconder ao máximo o que estão sentindo para não parecerem velhas, vulneráveis ou improdutivas em seu ambiente de trabalho.

Num momento em que pesquisas indicam que companhias que possuem ao menos uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas , isso porque essas empresas tem 50% mais chances de aumentar a rentabilidade e 22% de crescer a média da margem ebitda, levanto a bandeira para que mais empresas e líderes incluam a questão do preconceito à mulher madura em suas pautas de igualdade.

Mas, mais que isso, quero trabalhar ainda para lembrar às mulheres de que elas têm na medicina uma aliada, através da avaliação e conduta médicas individualizadas, colaborando para que se mantenham produtivas, empoderadas e no auge de suas atividades sociais e profissionais, sem se renderem à mais uma cruel imposição velada da sociedade.

Dra. Daniela Miranda – Endocrinologista formada pela Universidade Federal do Pará, com residência médica e  doutorado pela Santa Casa de São Paulo e fundadora do Projeto 40+Linda, que promove de maneira pioneira, um olhar holístico à saúde da mulher acima dos 40 anos com a união de três especialidades médicas (endocrinologia, ginecologia e dermatologia), em atendimento conjunto e multidisciplinar.

Clínica Merit
Rua Mato Grosso, 306. Conj:1614- Higienópolis, São Paulo-SP.
Whatsapp (11) 9 9184-5481
Instagram: @40maislinda

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Jéssica Mayara

1 Comentário

  1. Paula Cristina Cassis 06/11/2019, 4:18 pm comentar

    Excelente matéria. Definitivamente esse é um tema pouco explorado pelas empresas e até mesmo por nós mulheres.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.