Descubra os tipos de amor e suas diferenças!

O amor em si é tudo a mesma coisa? Claudio Naranjo mostra para nós que não em um doce texto que explica três faces desse sentimento: amor admirativo, erótico e compassivo.

Confira abaixo!

 “(…) Eros (amor-desejo), caritas (amor) e philia (amor-admiração) podem ser caracterizados como o amor do filho, o amor da mãe e do pai, e são predominantemente relacionados com a primeira, segunda e terceira pessoa que distingue a estrutura de nossa linguagem: o desejo de amor, com seu desejo de receber e privilegia o eu. Enquanto o amor ágape é um amor por você, e a admiração de amor projeta a experiência de valorização além da experiência do eu-você, em uma personificação do transcendente ou uma simbolização do valor puro. Também pode ser dito que o amor de si acolhe o animal interior que está em nós, uma criatura de desejos, enquanto o amor por você enfrenta o próximo como pessoa ou ser humano e a admiração do amor encontra seu verdadeiro objeto no divino, seja em uma dimensão universal ou na experiência da divindade encarnada ”.

Amor admirativo

“(…) Há um amor que tem a ver com amizade e que não é necessariamente protetor ou implica uma busca por prazer, mas tem a ver com apreciação, com admiração, com respeito e com ideais. A estimativa não é erótica ou generosa, é uma terceira coisa e os gregos a chamam de philia. É o que se procura na amizade, o que se encontra em cada pessoa a quem eles valorizam, só que existe um gradiente que vai da aceitação à estima e respeito, à admiração e, finalmente, ao culto.

Há amizades interessadas, como a que existe entre duas pessoas que gostam de jogar tênis; eles usam um ao outro, desde que cada um sirva o outro com respeito à satisfação de um gosto.

Há também amizades manipuladoras, nas quais, em nome da amizade, se trata de obter outras coisas; mas a amizade verdadeira é aquela em que a pessoa está interessada na outra porque a outra tem alguma qualidade espiritual ou humana admirável que estimula o crescimento de alguém. (…) É o amor mais propriamente humano. ”

 “(…) Se pensarmos na forma de amor que move Aquiles e os outros heróis homéricos, que tanto exaltaram a glória de morrer em batalha, diremos, sem dúvida, que é sobre admirar o amor; mas não é tanto sobre essa capacidade amorosa que se expressa no reconhecimento do valor do outro e isso implica uma capacidade de devoção, uma sede de reconhecimento, e a correspondente ânsia de sacrificar tudo à fama. Aquiles é, em outras palavras, um monstro do narcisismo: com o prestígio do herói incomparável e, ao mesmo tempo, com a sede de triunfo competitivo pessoal que o leva a atos de suprema desumanidade ”.

Amor erótico

“(…) Existe um amor erótico ou instintivo que no mundo cristão tem sido um amor muito proibido, demonizado e até criminalizado.

A vergonha sexual não é intrínseca à natureza humana, e eu pessoalmente compartilho com Freud e Reich a noção de que muitos dos problemas que as pessoas têm como resultado da sexualidade proibida e o sentimento de que parte de seu dom instintivo é algo horrível e inconfessável. “

 “(…) A criança, então, sentindo que deveria gostar do adiamento de suas preferências ou opiniões, tem apenas que se separar de seu próprio sentimento de prazer ou antipatia. Você deve, então, distanciar-se do seu corpo (e suas emoções verdadeiras) em prol do que você deveria gostar e do que você deveria sentir. Em vista dessa posse emocional, então, entende-se que a proibição do prazer, ou pelo menos a desvalorização do instintivo e do erótico, é intrínseca à manutenção do autoritarismo ”.

Amor compassivo

“(…) O tipo de amor que na literatura cristã é chamado de ágape ou caridade é aquele que é expresso como generosidade e bondade, é o“ amor ao próximo ”que caracteriza não apenas o caminho cristão, mas os ensinamentos de todas as religiões.

Essa forma de amor culmina na compaixão, característica de seres que percorrem um longo caminho, mas que também é intrínseco à experiência humana, já que ela já está presente na experiência da maternidade. E não apenas humanos, mas todos os mamíferos também exibem um comportamento materno que expressa um amor protetor, auxiliar e potencialmente sacrificado ”.

 “(…) Mas é claro que elevar o ideal de compaixão não é o mesmo que ser compassivo: ao contrário, contribuímos com nossos ideais para isso, sentindo-nos virtuosos por apenas adorá-los, negligenciamos ser fiéis a eles com nossas ações. Servir como exemplo como o ato de orar a Maria – encarnação simbólica da misericórdia divina – diminuiu a brutalidade dos cruzados. Assim, o ideal cristão de amor, defendido como uma bandeira da civilização cristã, projetou apenas uma pálida reflexão sobre o coração cada vez mais endurecido dele ”.

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Jéssica Mayara

0 Comentário

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.