Cuide-se, Conheça-se, Aceite-se!

Olá meninas,

Há algum tempo eu comentei sobre o tema seguinte, mas agora, com alguns anos a mais de experiência,  edito alguns trechos para trazer um recado muito sério. 

Um dia, atendi uma paciente cuja história me deixou muito triste. Não foi a primeira, e infelizmente não será a última vez, mas cada dia que passa sinto a necessidade de dizer algo a vocês – e de que vocês compreendam o significado deste texto.

Essa paciente ouviu de seu parceiro uma crítica sobre seu corpo há aproximados 10 anos. DEZ ANOS! Foi algo baixo, sujo, que mexeu com sua autoimagem. Após,  não quis mais o marido e se divorciou, porém  acreditou nele e carregou aquela frase como uma verdade. Criou um mundo em que se martirizava e se culpava por ter aquele problema sobre o qual o ex lhe contou. Nunca mais teve outro parceiro. 

Depois de tanto tempo, teve coragem de pedir ajuda e conversar com um médico para lhe operar e retirar de vez aquele mal. Procurou-me já questionando sobre o valor da cirurgia para resolvê-lo (não havia nenhuma outra queixa). Teve vergonha em deixar que eu a examinasse e qual foi minha surpresa quando constatei que seu corpo estava normal! 

Ela contestou. Não acreditou no que eu lhe dissera. Já tinha condensado tanto aquele defeito em sua mente, que não me ouviu ao dizer que nada havia de diferente ali. Pedi que me mostrasse onde estava o que a incomodava, que me apontasse com o dedo. Ela não conseguia identificar o local do problema, mas estava certa de tê-lo, porque o ex-marido lhe contara. 

Peguei alguns minutos e pedi para que me contasse como foi o ocorrido e percebemos que o marido utilizou-se de uma mentira para chantageá-la. Fato: ela não tinha nada. Foram anos de escravidão em uma chantagem emocional. 

Chorou de alegria quando entendeu que sempre estivera completamente sã. Rindo, comentou que até já tinha pedido dinheiro para os filhos para ser operada.

Não, não contarei qual o problema dela, mas exemplifico:

Mulheres, não deixem que o parceiro te pressionem a ter relação sexual (de qualquer tipo). E quando o sexo for espontâneo, usem camisinha. Eles usam o amor como argumento para uma eventual não proteção, mas lembrem-se que quem ama, cuida.

Não deixem de usar aquela roupa, adorno, maquiagem, penteado ou sapatos por objeção dele.

Não deixem que falem mal do seu corpo, do seu peso, da sua altura. Não deixem que lhes agridam com frases sobre qualquer parte dele: culote, bunda, peito ou cabelos. 

Cada mulher tem uma vagina diferente. A sua vagina. Pode ser rosa, castanha, escura, peluda, desproporcional, enrugada, fechada, larga… Só você tem o direito de não gostar dela. E se isso acontecer, procure ajuda. 

Não se deixem intimidar quando questionam sobre quando virá namoro, casamento, filho.

Sei que mulher é feita de emoção e, por isso, não adianta falar para vocês usarem a razão.  Assim, peço que usem o amor – o amor próprio!

Aceitem apenas críticas construtivas e elogios. Comentários desnecessários atrapalham anos da sua vida, joguem-nos fora. Peguem os comentários feitos sobre vocês e passem por um filtro para entender o quão verdadeiro é aquilo. Se ainda assim, achar que o problema mesmo em você,  ouça uma segunda opinião. Não se prendam a valores que não são seus. 

Aceite o que você quer e queira o que é o melhor para você!

Por: Rodrigo Ferrarese – Médico, especializado em uroginecologia, em endoscopia ginecológica (https://www.instagram.com/dr.rodrigoferrarese/)

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Jéssica Mayara

0 Comentário

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.