Como envelhecer com prazer

Por Gisela Campiglia

A primeira atitude necessária para vivenciar um envelhecimento prazeroso, é aceitar e valorizar essa fase que faz parte do ciclo natural da vida. De acordo com a lei universal da atração, quando o ser humano não se aceita, não será aceito pelos outros, a energia da rejeição vibra ao seu redor, causando repulsa naqueles que se aproximam. A depressão, ocasionada pela falta de amor próprio, sentencia a pessoa a uma velhice de solidão e sofrimento.

Procurar manter uma bela aparência, utilizando-se de tratamentos de rejuvenescimento e cirurgias plásticas é uma opção válida que pode colaborar no fortalecimento da autoestima, mas, há importantes providências que também precisam ser tomadas. Negar a própria idade impossibilita o preparo eficaz e necessário, para desfrutar de uma boa velhice.

Durante a juventude investimos no desenvolvimento de diversas habilidades, para ter uma vida adulta com boas realizações e autonomia; devemos proceder da mesma forma para vivenciar uma velhice de qualidade. Para que isso ocorra o planejamento da fase idosa não pode começar aos 65 anos, o assunto precisa ser considerado e encarado com a devida responsabilidade e antecipação. Assim como nas demais etapas da vida, o idoso é parte da sociedade e interage com o meio em que se encontra, porém, deve se adequar a um novo ritmo e estilo de atuação em comunidade. Compreendendo que cada etapa do processo da vida tem seu propósito, valor e beleza, proponho algumas reflexões úteis que possibilitam o aproveitamento prazeroso deste período da vida.

Independência Financeira: Hoje em dia é bastante comum que a segurança financeira seja um dos primeiros itens a ser planejado na vida do idoso, através da aposentadoria, poupança, ou, dos diversos planos de previdência privada existentes do mercado. Mas, nada impede que a pessoa afastada de seu trabalho tradicional continue produzindo e recebendo, em valor monetário ou emocional. A sabedoria adquirida com a idade pode ser útil em várias empresas, organizações não governamentais, na formação de jovens iniciantes, inclusive na nobre pratica da caridade. Existem muitas crianças abandonadas em abrigos do governo precisando de amor. O importante é continuar com a participação produtiva, no entanto, adaptar essa atuação a um ritmo condizente com a disposição física pertinente a idade.

Cuidados com a Saúde: De acordo com os hábitos saudáveis já desenvolvidos por cada um, a velhice exige apenas uma manutenção deste estilo de vida, acrescido de regulares consultas médicas preventivas. Porém, as pessoas que são sedentárias, fumam, ingerem bebidas alcóolicas em excesso, e costumam se alimentar com frequência de frituras e gorduras, terão que realizar uma grande mudança de hábitos para envelhecer com qualidade de vida. O desgaste físico próprio da idade, e a lentidão do funcionamento do metabolismo, exigem um ajuste de comportamento para manter uma vida saudável.

Vida Social: Um dos grandes erros, daqueles que não consideram e planejam seu envelhecimento, é acabar por viver no isolamento tedioso de uma vida sem troca afetiva. Cultivar amigos mais jovens, ou, retomar os estudos, possibilita o acréscimo de novos conhecimentos e a interação social. Se inscrever naquele curso tão desejado, o qual não havia tempo para ser realizado, iniciar a pratica de um hobby, aprender a tocar um instrumento musical. Além de hoje em dia, existir a interessante opção de cursar a faculdade da terceira idade, acessível em diversas instituições acadêmicas. A vida é um grande aprendizado, e podemos estudar e aprender sempre mais.

Convívio em Família: Poder estar disponível para a família, fato tão difícil quando se trabalha em tempo integral é uma benção. Se aproximar de seus parentes e colaborar com seus descendentes é um prazer que valoriza a sua presença no âmbito familiar. Se necessário, reveja seu comportamento, pois, ninguém deseja um ranzinza por perto, o bom humor é fundamental. Afinal, estranhos não vão cuidar de você, caso isso seja necessário. Deixar de ser ausente na família fará toda a diferença em sua velhice.

Dispondo de independência financeira, saúde, bons relacionamentos, atualização intelectual, e o carinho da família, não haverá motivos para se lamentar e lutar contra a ação do tempo. Envelhecer não é castigo, é apenas uma das etapas da vida, assuma a sua idade com a postura adequada para que ela seja fonte de realização e prazer.

 

 

Gisela Campiglia é palestrante e colunista do Mulheres de Quarenta especializada em desenvolvimento pessoal, física quântica, bioenergia, psicologia junguiana, metafísica, administração, marketing e publicidade.

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : mulheresdequarenta

0 Comentário

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.