Como enlouquecer os seus filhos

Cri-2Pode parecer piada mas não é.
Navegando pela internet encontrei uma sentença proferida por um juiz de família que me fez refletir bastante.

Eis o texto:

“Na avaliação, percebe-se que a genitora da criança não conseguiu elaborar a separação do Sr. João (nome fictício) e com isto se desestabilizou afetivamente também em relação ao seu papel materno, vindo inclusive a negligenciar os cuidados com o filho, por isto mantém uma postura de insegurança, medo e dificuldade de retomar a sua vida.
Sugere-se tratamento psicoterápico de no mínimo 6 (seis) meses para que a genitora possa elaborar os lutos resultados da separação, bem como rever seu papel como genitora.”

O que parece incomum é mais corriqueiro do que se possa imaginar. Fatos como esse acontecem com frequência.
Mães que foram deixadas por algum motivo e não digeriram bem a separação acabam transferindo essa carga – mais do que pesada – para seus filhos.
Muitas, em razão de sua dor, acabam deixando-os de lado, sem se preocupar com alimentação, escola ou com os cuidados básicos que devem ser dispensados à sua prole.
Pior ainda, algumas armam armadilhas emocionais para chantagear, inclusive financeiramente, o ex-conjuge. E agem sem limites usando artimanhas tão vis que causam danos irreparáveis não só no emocional como na saúde física de seus filhos.
Lamentável que isso aconteça. Filhos reféns desses comportamentos ficam agressivos, raivosos, e às vezes introspectivos. Os primeiros sinais estão na queda do rendimento escolar. Fora isso, encontram dificuldades para se relacionar ainda que os ambientes sejam familiares.
Além disso, as consequências drásticas podem vir com o tempo, principalmente na fase crítica da adolescência.
Pais que se dispuseram a colocar filhos no mundo têm que arcar com a responsabilidade de criar, educar e lhes proporcionar um ambiente em que possam crescer saudáveis e felizes, independente se estiverem juntos ou separados na árdua tarefa de formação dos filhos.
Nós pais, somos responsáveis pelo futuro das nossas crianças.
Que cada um aprenda a conviver com as suas dores e as suas frustrações sem transferí-las para as crianças.
Erros todos nós cometemos. Sorte de quem tem a chance de reconhecê-los, dar um passo para trás para poder voltar a seguir em frente enquanto ainda há tempo.
Esse juiz nos dá uma boa lição!
Recomendo a leitura dos meus textos publicados há alguns anos sobre minhas próprias experiências após a separação.

Seguem os links:

http://mulheresdequarenta.com.br/separacao-e-um-luto/

http://mulheresdequarenta.com.br/lutos-da-vida/

 

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : mulheresdequarenta

0 Comentário

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.