Receita fit: tomates com atum

Por Roseli Rossi

Vamos combinar nesta receita Fit dois alimentos importantes, o tomate rico em licopenos – antioxidante super importante para combater o excesso dos radicais livres no organismo e garantir maior longevidade e menor risco de doenças, como câncer.

O atum, uma fonte boa, prática e bem apreciada de proteína e vitaminas do complexo B,com temperos como salsinha (diurético), azeite , nozes, gergelim (gorduras boas).

Esta receita é super fácil, pode ser consumida nos lanches intermediários ou numa refeição.

Experimente!!

Rendimento: 2 Porções

Valor calórico por porção: 175 Kcal.

Modo de preparo: Higienizar bem os tomates ou um tomate se preferir um tomate caqui, cortar a tampa e retirar as sementes e a polpa cuidadosamente. Escorrer bem a água do atum e misturar com  a salsinha, a polpa do tomate, o azeite e temperar com sal e orégano. Rechear os tomates com esta mistura. Manter em refrigeração até servir. Polvilhar com gergelim e regar com azeite de oliva.

Ingredientes

Tomate (2 unidades)

Atum ao natural (1 lata)

Nozes (4 unidades)

Salsinha (2 colheres de sopa)

Azeite de oliva (1/2 colher de sobremesa)

Orégano (1 colher de sobremesa)

Semente de gergelim (1 colher de chá)

Sal Rosa do Himalaia (1 colher de café)

Valores Nutricionais por Porção

Calorias: 175 Kcal

Proteínas: 17 g

Lipídios: 10 g

Colesterol: 27 mg

Carboidratos: 6 g

Fibras: 2 g

Bom apetite!

Até a próxima.

Roseli Rossi

Dieta low carb para emagrecer

Por Roseli Rossi

Desde 2004, foram publicadas mais de 20 pesquisas que demonstraram a eficácia do corte de carboidratos na alimentação para emagrecer de vez (sem precisar contar calorias) e para a melhora geral da saúde.

As dietas de baixo carboidrato eram demonizadas e consideradas prejudiciais à saúde basicamente porque promoviam a um alto consumo de gordura, principalmente de gordura saturada.

No entanto, a ciência já provou que a gordura poli e monoinsaturada são benéficas. E desde então, cada vez mais as pesquisas comprovam que as dietas low-carb (LC) emagrecem mais que dietas low-fat (pouca gordura e mais ricas em carboidratos) e melhoram índices de glicose, colesterol, triglicérides e outros.

Por que o Low Carb Funciona?

Ao reduzir o consumo de carboidratos e ingerir mais proteína e gordura, as pessoas sentem maior saciedade e automaticamente acabam consumindo menos calorias. Além disto, há um aumento na termogênese (gasto calórico para digestão destes 2 grupos alimentares).

Benefícios das Dietas Low Carb                                            

Há diversos benefícios para seu corpo e sua saúde ao seguir uma dieta low carb.

  1. SACIEDADE

A fome é o maior inimigo de qualquer dieta e a principal causa de abandono delas. Uma das grandes vantagens das dietas low-carb é a redução natural do apetite. As pesquisas mostram constantemente que as pessoas acabam ingerindo menos calorias quando cortam os carboidratos e comem mais proteína e gordura.

  1. EMAGRECIMENTO

Este método contribui para o emagrecimento saudável ao sugerir que a alimentação priorize os carboidratos de baixo índice glicêmico. Isto porque quando um carboidrato é ingerido ele tem a glicose que será utilizada pela célula para obter energia. Caso haja excesso de glicose, ela é estocada em forma de gordura e se for utilizada antes da próxima refeição não há ganho de peso.

  1. Diminui Triglicerídeos

Triglicerídeos são moléculas de gordura, e o nível deles no sangue é um forte indicador de risco de doenças cardíacas. Pode parecer estranho, mas o principal causador dos altos níveis de triglicerídeos é o consumo de carboidratos, principalmente na forma de frutose. Quando as pessoas cortam os carboidratos, os níveis de triglicerídeos tendem a cair drasticamente.

  1. Melhora os Níveis do HDL (o Colesterol “Bom”)

Sabemos que quanto maior os níveis de HDL, menor o risco de doenças cardíacas. Uma das melhores maneiras de aumentar o HDL é consumir gordura. E as dietas low carb incluem bastante alimentos fonte de lipídeos. Assim não é surpresa descobrir que os níveis de HDL sobem bastante em dietas LC.

  1. Reduz os Níveis de Glicose e Insulina do Sangue

OBSERVAÇÕES

  • O importante é você testar e descobrir qual é a faixa que melhor atende aos seus objetivos. Se você tem algum problema de saúde, é importante conversar com seu nutricionista e médico, antes de fazer qualquer mudança, porque as dietas LC podem reduzir drasticamente a necessidade de remédios.
  • Os efeitos da dieta Low Carb ou dieta cetogênica dependem muita da carga genética de cada indivíduo. Algumas pessoas podem não responder metabolicamente à essas estratégias nutricionais, e, por sua vez, não observarem qualquer efeito. Sendo assim, o plano alimentar deve ser sempre orientado por um profissional nutricionista e feito de maneira personalizado.
  • Cuidado com as quantidades de proteínas! Quem irá determinar será o profissional de saúde, o qual, está devidamente habilitado e responsável pelo seu planejamento alimentar.

Alimentos Permitidos

  • Carne, Peixe, Ovos, Verduras e legumes, Nozes e Sementes (Amêndoas, castanhas, nozes, semente de abóbora e girassol etc.).
  • Laticínios: Primeiramente vou explicar por que o leite não está nesta lista. Ele é rico em lactose (açúcar) e vai causar picos de insulina quando consumido. Por isso dê preferência aos derivados do leite fermentados, que além de ricos em proteínas, gorduras e minerais também são muito saciantes. Sem contar com os probióticos contidos no iogurte (natural e integral sempre) que auxiliam a sua flora intestinal e se manter saudável, fazendo com que você se mantenha com saúde. Os queijos também podem ser consumidos. É importante ressaltar que para muitas pessoas são alérgicas ou intolerantes o leite e seus derivados. Neste caso, eles devem ser excluídos. Cabe ao profissional competente reconhecer ou não esta intolerância do paciente e talvez substituir por bebidas à base de gorduras, como amêndoas ou coco.
  • Gorduras e óleos: Óleo de coco, manteiga ghee, manteiga de coco, azeite de oliva e óleo de peixe, pasta de amendoim.
  • Leguminosas: Lentilhas e feijões.

COM CONTROLE NAS QUANTIDADES:

  • Tubérculos: Batata doce, mandioca, mandioquinha, cara, inhame.
  • Grãos sem glúten: Arroz, aveia, quinoa, amaranto.
  • Frutas:
  • Chocolate: Prefira os amargos, de 70% para mais.

Elimine Sem Dó

  • Açúcar refinado: Refrigerantes, suco de frutas, sorvete, doces e bolos e tudo o que leva açúcar refinado ou glucose de milho.
  • Grãos com glúten: Trigo, centeio e cevada. Sim, isso inclui pães, massas e cerveja.
  • Gordura trans: Corte todo tipo de gordura hidrogenada ou parcialmente hidrogenada, como margarinas.
  • Produtos “light” e artificialmente low-fat: Todo produto “light”, especialmente laticínios, costuma ser rico em carboidratos e recheado de tranqueiras.
  • Alimentos industrializados e processados: Se a comida vem em uma caixa e foi feita dentro de uma fábrica, é melhor evitar.

Paciência!

A fonte de energia preferida do corpo são os carboidratos. Quando eles estão sempre disponíveis, o corpo nunca vai preferir queimar gordura. Quando você corta os carboidratos, no entanto, o corpo passa a obter energia de outra fonte, a gordura. Seja ela a que está armazenada ou que vem da alimentação.

Pode levar alguns dias até que seu corpo esteja adaptado para queimar gordura em vez de carbos. Nesse período, é possível que você se sinta meio estranho, um pouco diferente do normal. Isso é comum e acontece com muita gente, especialmente quando estão tentando uma dieta low carb pela primeira vez. Por isso é importante ter paciência e se manter firme na dieta, principalmente no começo, quando o metabolismo do seu corpo ainda está se ajustando à mudança.

Espero que tenham gostado!

Até a próxima dica!

Roseli Rossi  é  colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”

 

Alimentos termogênicos

Por Roseli Rossi

Os alimentos termogênicos são muito falados para quem quer emagrecer ou prática atividade física, mas muita gente não sabe bem o que é, como agem, como se consome e até mesmo se tem algum efeito colateral. Saiba um pouco mais sobre eles lendo esta matéria….

Termogênese alimentar é a energia que consumimos para processar e digerir os alimentos. Se uma pessoa consome ingredientes hipercalóricos, notará que transpirou após a refeição, porque o organismo procura eliminar, sob a forma de calor, a energia que está sendo armazenada sob a forma de gordura. Mas existem alguns alimentos, chamados termogênicos, que tema ação em aumentar a atividade metabólica e consequentemente a queima de calórica, como o café, o chá verde e a pimenta.

  • Pimenta Vermelha: Esse tipo específico de pimenta é rica em capsaicina, substância que favorece o aumento da quebra de gorduras no tecido adiposo. Ela aumenta em até 20% a atividade metabólica se ingerida na quantidade de três gramas por dia, podendo ser adicionada em saladas e pratos quentes.

Ativo: capsaicina | Ação: estimulante do metabolismo (3 a 4 g/dia).

  • Chá verde (Camellia sinensis): Assim como a pimenta, esse chá favorece a utilização da gordura corporal como fonte de energia em função do estimulo metabólico. Para que o efeito aconteça, o consumo deve ser em média de cinco xícaras de chá por dia durante três meses. Mas, cuidado: quem tem insônia não deve ingerir o chá verde na parte da tarde ou noite.

 

Ativo: polifenóis | Ação: estimulante, estimula lipólise e aumenta metabolismo. 3 copos   240 a 300mg de polifenóis.

  • Canela: Além de aumentar o metabolismo basal, a canela possui alto teor de cálcio mineral, substância importante para o emagrecimento. Polvilhada por cima de frutas (aproximadamente uma colher de chá rasa), contribui com o emagrecimento e ainda torna a refeição deliciosa.
  • Cafeína: A cafeína estimula a lipólise por inibir uma enzima chamada fosfodiesterase. Lipólise é um processo de quebra de células de gordura (adipócitos) estocadas em nosso corpo para gerar combustível para queimar durante os momentos que o corpo necessita de um extra de energia para manter as atividades musculares que estão sendo exigidas. Este é o famoso efeito termogênico da cafeína, ou seja, ao transformar a gordura em fonte de energia há geração de calor e elevação da temperatura corporal (termogênese).Estudos mostram que a cafeína pode aumentar de 3 a 16% da taxa metabólica basal. Seu poder termogênico aumenta mais ainda quando associada com a capsaicina e catequinas.

Ativo: cafeína | Ação: estimulante de Sistema Nervoso Central. 50 a 200 mg/ dia. 1 a 3  xícaras de café expresso

  • Gengibre: Essa raiz pode aumentar o gasto calórico em mais de 10%. O gengibre pode ser consumido de diversas formas, cru, em marinadas para temperar carnes, aves e peixes, e ainda fica ótimo em molho de tomate, sopas de legumes e chá, quando misturado com outras ervas.

Ativo: gingerol |Ação: Tonico e sudorífero, 1pedaço de 2cm de2 a 3x/dia.

  • Chá de hibisco: Esse chá, assim como os demais termogênicos, aumenta a temperatura corporal durante a digestão e, conseqüentemente, aumenta o metabolismo.

CONTRA INDICAÇÕES

– Pessoas com hipertireoidismo não deve ingeri-los, visto que o metabolismo já está muito elevado, o que aumenta o risco de perda de massa muscular;

– Pessoas com cardiopatias, hipertensão, enxaqueca, úlcera, disfunções neurológicas e alergias não devem abusar desses alimentos, pois eles podem levar ao aumento da pressão arterial, hipoglicemia, insônia, nervosismo e taquicardia;

– Crianças e gestantes;

CUIDADO COM AS QUANTIDADES!

As doses sempre devem ser individualizadas, mesmo quando consumir os alimentos termogênicos.

As suplementações sempre devem ser prescritas por nutricionistas.

QUANDO TOMAR

Vale ressaltar que o consumo dos alimentos termogênicos, não deve ser feito no período noturno para não prejudicar o sono.

A maioria das pessoas utilizam termogênicos pré exercícios físicos, porém o mais lógico seria consumir estes alimentos após os exercícios, ao longo do dia, para manter seu metabolismo acelerado mesmo após o término do treino.

Com exceção de quem pratica exercícios físicos à noite, daí iniciaria o uso pela manhã, até no máximo ás 17 horas.

Roseli Rossi  é  a nova colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

Fome noturna

Por Roseli Rossi

Você é daquelas que não sente fome durante todo dia, se controla perfeitamente, mas quando chega à noite e madrugada desperta uma vontade enorme de comer tudo que vem pela frente?

Pode ser que você tenha a chamada “Síndrome da fome Noturna”, caracteriza-se por um aumento de apetite no período noturno, que pode gerar insônia na maioria dos indivíduos que sofrem deste mal.

A medicina ainda não conhece exatamente os mecanismos que causam esse distúrbio, mas sabe-se que há dois mediadores envolvidos: a melatonina, responsável pelo início e pela manutenção do sono e a leptina, que é produzida pelo tecido gorduroso que age no cérebro, regulando a sensação de fome e da saciedade.

Segundo alguns cientistas, esse problema pode ser desencadeado por alto grau de estresse durante o dia e que, por conseguirmos relaxar durante a noite, desencadeia-se a fome e insônia.

Além disso, muitas vezes uma dieta mal estruturada pode ser a causa dessas escapadas noturnas.

Atenção!

Pessoas que se submetem as dietas muito restritivas têm maior propensão a se descontrolarem de madrugada e levantarem para comer, descontando toda a fome e vontade de comer que tiveram durante o dia, gerando um episódio de compulsão alimentar.

Nestes episódios os indivíduos consomem qualquer tipo de alimentos, sem qualquer critério de escolha e em quantidades exageradas. Como geralmente após o episódio de compulsão alimentar o indivíduo volta para a cama e dorme, esse comportamento torna-se ainda mais problemático, pois durante a noite a digestão é mais lenta, o nosso organismo esta preparado para o repouso, o que facilita o aumento de peso e principalmente da gordura abdominal, podendo aumentar o risco de  desencadear outras desordens, como: Diabetes, Dislipidemias , Síndrome Metabólica e Doenças cardio vasculares.

Na manhã seguinte, a tendência é que o indivíduo acorde arrependido, com sensação de culpa e, sem fome, ou para sentir-se melhor faz uma grande restrição alimentar, desencadeando o episódio da fome noturna novamente, formando assim um círculo vicioso.

Também outros fatos podem estar agregados a esta fome noturna, principalmente fatores emocionais e psicológicos, pois o indivíduo sabe que as outras pessoas da casa estão dormindo e ninguém irá controlar o consumo de alimentos.

Algumas dicas para evitar esta fome indesejável no período noturno:

  • Tenha uma alimentação balanceada durante o dia, não pulando as refeições e fracionado a sua dieta de 5 a 6 refeições ao dia;
  • Evite tomar café ou chás que contenham cafeína à noite pois esta substância é estimulante e  dificulta o sono;
  • Coma devagar, mastigando bem os alimentos, principalmente no jantar, para facilitar o processo digestivo;
  • Coma de ceia, abacate, banana, estas frutas podem ajudar na modulação do hormônio de estresse, relaxam e proporcionam maio saciedade.
  • Evite manter doces e guloseimas nos armários e geladeiras.
  • Não tome medicamentos para induzir o sono sem indicação médica. Sempre busque alternativas naturais como chás para melhorar a qualidade do seu sono. Chá de camomila, casca de maracujá, são boas opções.
  • Evite a pratica de exercícios físicos pelo menos 1 hora antes de dormir. A liberação de hormônios estimulantes ocorrem após a pratica de exercícios e podem prejudicar o seu sono.

Além de todos esses cuidados com a alimentação, procure controlar os aspectos emocionais ligados a alimentação e busque um autocontrole. 

Roseli Rossi  é  a nova colunista do Mulheres de Quarenta. Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN – Associação Brasileira de Nutrição. Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

 

Fome emocional

 

Comer sem culpa

Você sabe o que é fome emocional? Sabia que esse problema é mais comum do que você pensa? Veja o que diz a psicóloga Gisela Campiglia sobre esse assunto super interessante.

“Toda mulher sabe o que é preciso fazer para eliminar o excesso de peso, não é mesmo? Diminuir o consumo de doces e massas, eliminar frituras, tomar bastante água e priorizar a ingestão de frutas e verduras.

Certamente você já esteve em vários endocrinologistas, nutricionistas, e conhece quase todos os tipos de dieta que já inventaram: dieta da sopa, do glúten, da proteína, do suco, etc. Mas, por que é tão difícil emagrecer, mesmo tendo todas essas informações? Porque existe um tipo de fome que não é física, ela nasce da nossa dificuldade em lidar com certas emoções, a fome emocional.

Sem perceber, usamos a comida como uma válvula de escape para compensar nosso desconforto emocional. Por isso, assaltamos a geladeira no meio da noite, comemos uma caixa de bombons na frente da televisão, e o nosso regime acaba indo por água abaixo.

Estudei as dezessete emoções que acionam a fome emocional e desenvolvi um método de compensação que não utiliza a comida. Consegui eliminar 24 quilos, e criei a palestra fome emocional.

Emagrecer com saúde
Uma das emoções mais comuns que nos levam a engordar é a ansiedade. Quando estamos ansiosas comemos compulsivamente sem saborear os alimentos, devoramos o que encontrarmos pela frente. A falta de prazer com a vida gera um tipo de fome específica, ela não pode ser saciada com qualquer alimento, é aquela fome de chocolate, fome de empadinha, a comida precisa ser deliciosa para compensar a nossa falta de prazer. Mas, infelizmente o resultado é sempre negativo, porque o desconforto emocional é aliviado momentaneamente, e ficamos com o excesso de peso e a culpa por ter comido demais.”

E aí, gostaram dessa informação? A Gisela Campiglia é psicóloga, trabalha com física quântica, bioenergia, metafísica e é especialista em desenvolvimento pessoal de forma integral, incluindo corpo, mente, emoções e espirito.

Ela é a nossa nova parceira aqui do Mulheres de Quarenta está nos presenteando com um super e-book que vai ajudar você a emagrecer e a combater a sua fome emocional. Como? Basta acessar o site www.giselacampiglia.com.br para receber, gratuitamente o e-book: Ansiedade, o mal da modernidade.

Que tal? Gostaram?

 

 

Engravidar aos quarenta

img_como_engravidar_depois_dos_40_anos_15482_600Carmem, uma das nossas seguidoras aqui do Mulheres de Quarenta, me procurou para contar sobre a experiência que ela está vivendo aos 46 anos de idade. Inesperadamente, passados 20 anos do nascimento da sua primeira filha, ela descobriu que estava grávida. E é claro que eu quis saber um pouco mais sobre essa história pra poder contar para vocês. Vejam que bacana o depoimento dela.

Carmem, conte-nos como tudo aconteceu?

“Vanessa, sou casada há 27 anos. Eu e meu marido tivemos a nossa primeira filha quando eu estava com 25 anos. Por motivos de trabalho e da vida corrida que levamos, acabei adiando a outra gestação. O tempo passou e, com a chegada dos quarenta, já não tínhamos a menor pretensão.

Quando fiz 42 deixei de usar pílulas anticoncepcionais para não interferir na menopausa. O uso de preservativo foi nossa escolha como método contraceptivo. Do início do ano pra cá eu achava realmente que não estava mais no grupo que teria chance de engravidar. E foi então que inesperadamente engravidei!

Foi uma grande surpresa. A notícia que causou um grande impacto em todos nós. Minha filha, embora com 20 anos, também sentiu um pouco, afinal ela passou muito tempo sendo filha única. Hoje já está aceitando bem o fato de ter um irmãozinho. Meu marido também ficou anestesiado e radiante após o nosso primeiro ultrassom. Estamos emocionados e curtindo cada momento da gestação.”

Eu quis saber da Carmem como era estar grávida depois de tantos anos da sua primeira gestação?

“A diferença é total. Quando minha filha nasceu eu tinha apenas 25 anos. Não curti cada dia, cada momento da gravidez como hoje. Tudo, absolutamente tudo, é diferente! São novas sensações que se devem mesmo ao fato de sermos mais maduras e experientes. Na minha juventude foi tudo muito automático, até por ser a minha primeira experiência como mãe. Hoje dou valor a cada segundo da gestação.

Perguntei à Carmem se ela faria algo de diferente dessa vez.

“Estamos à espera de um menino, o Thiago. É surpreendente a renovação que ele representa em nossas vidas. Uma benção enorme. Com relação à minha primeira experiência como mãe, vou me dedicar mais, trabalhar menos e curtir meu filho intensamente. Vamos viver juntos cada momento.”

O que você diria para as Mulheres de Quarenta que desejam engravidar?

“Meu conselho para as Mulheres de Quarenta que desejam ter um filho é que é imprescindível estarmos com a saúde em dia, nos cercarmos de todos os cuidados para que o bebê e a mamãe estejam seguros. Sigam em frente e curtam e agradecem a Deus por essa benção.”

Gente, não foi demais! Adorei conhecer a Carmem e em breve queremos que ela nos apresente o Thiago! Nós, do Mulheres de Quarenta, desejamos muitas felicidades pra toda a família!

14528268_1245680955482865_1855042014_n

 

Gravidez depois dos 40 anos 

  1. Quais os riscos de uma gravidez depois dos 40 anos de idade – tanto para a mãe como para a criança?

“Para a mulher, a idade avançada está associada ao aumento na incidência de diabete gestacional, hipertensão específica da gravidez, abortamentos, prematuridade e distócia funcional, quando o trabalho de parto não evolui na velocidade esperada. Para o bebê, os riscos estão associados a alterações cromossômicas numéricas ou estruturais, como a síndrome de Down”, explica Gilberto da Costa Freitas, especialista em Reprodução Humana da Clínica de Reprodução Humana, de São Paulo.

O obstetra Adolfo Liao, do Ambulatório de Obstetrícia do Hospital das Clínicas de São Paulo, afirma que até 25% das gestações em idade materna avançada resultam em aborto. “Quando uma mulher com 20 anos engravida, a chance de ocorrer um aborto espontâneo é menor”, completa. A taxa de bebês nascidos prematuramente também é mais alta e chega a 15% devido a complicações como o diabete e a hipertensão.

“Todos são riscos reais, mas os avanços da medicina diminuem esses impactos nas mães e nos fetos com diagnósticos precoces”, complementa Mauricio Simões Abrão, ginecologista e obstetra da Universidade de São Paulo e diretor da clínica Medicina da Mulher .

Leia mais:

Fonte: 10 questões sobre a gravidez depois dos 40 anos | MdeMulher

Fórmula mágica para emagrecer

será-que-existe-uma-fórmula-mágica-para-emagrecerTenho recebido algumas mensagem das mulheres que depois que chegaram aos quarenta estão com baixa autoestima. Confesso que não é fácil estar feliz todos os dias e a todo momento.

Uma das minhas leitoras queria saber como eu poderia ajudá-la já que depois dos quarenta ela engordou e não conseguia mais perder peso. Todas nós sabemos que nosso metabolismo, com o passar dos anos, tende a ficar mais lento. Com isso, nosso gasto energético é menor. Consequentemente, temos que comer um pouco menos ou aumentar mais as atividades físicas. E não é só isso, temos que optar por uma alimentação melhor, mais natural e mais saudável. E claro, sem radicalismos.

Meu peso já oscilou algumas vezes na balança. Quem nunca? Até que comecei a me conscientizar de que poderia – e deveria – desfrutar de tudo o que eu quisesse mas com moderação. Eu sempre fui daquelas que beliscava o dia todo. E continuo assim. Eu me alimento normalmente e faço pequenos lanchinhos durante o meu dia. Meu prato é colorido e contém pequenas porções de cada alimento.

Aprendi a comer mais devagar, mastigar melhor os alimentos, tomar menos líquidos durante as refeições e também a não repetir ainda que eu tenha muita vontade. Também faço algumas substituições, mesmo porque eu sou viciada em doces. Amo de paixão e não há dieta nenhuma que me faça ficar sem. Sabe aquela velha história de que “você está guardando um espaço para a sobremesa”? Essa sou eu. Não fico sem o meu docinho depois das refeições.

Também optei por alimentos menos gordurosos e também os menos industrializados. Dou preferência a um bolo caseiro do que a um pacote de bolachas. Também gosto de algumas coisas lights ou desnatadas, como leites e iogurtes. Não deixo de comer o meu pão francês, mas apenas um pela manhã. No meio da tarde, muitas frutas. No jantar, gosto de uma taça de vinho e faço refeições menores. Procuro não jantar muito tarde para dar tempo de fazer a digestão.

Eu me obrigo a tomar mais água durante o dia para me hidratar e deixar minha pele mais bonita.

beber-agua-gelada-2

E também faço exercícios físicos pelo menos duas vezes por semana. Eu sempre gostei. E vou falar a verdade, gosto de variar minhas atividades para não enjoar, porque cá entre nós, fazer sempre a mesma coisa tira nosso estímulo para a ginástica. Eu corro, faço aulas de spining e caminho ao ar livre. Gosto de nadar também. Na academia aprendi que a musculação nos prepara para todos esses exercícios, e também não deixo de lado essa atividade. Faço aulas de dança quando possível e também localizada. Tudo sem exageros. Quando não estou disposta eu não me obrigo a ir.

A grande verdade é que cada um tem encontrar a sua própria fórmula mágica para ficar bem consigo mesma. Em primeiro lugar é preciso se livrar das cobranças e dos padrões exigidos pela sociedade. Depois, caso você queria uma transformação vai ter que ter muita disposição e força de vontade. Dificilmente o tratamento que você escolher surtirá efeito se você não se empenhar.

É preciso entender que a alimentação é para o resto das nossas vidas. Aprender a fazer boas escolhas é fundamental para envelhecer bem e melhor. Boa sorte!

Gordura localizada, o que fazer?

gordura-localizada-evitar-450795641By Edu Fernandes

A famosa gordura localizada é algo que atormenta muita gente e acaba sendo um assunto frequente na sala de musculação. Muitas mulheres que praticam atividade física têm dúvidas se devem focar nos exercícios de musculação que pegam na região daquela gordurinha localizada ou se devem fazer aeróbio combinado com uma boa alimentação para perder as tão incômodas gordurinhas.

– Devo fazer adutora pra parte deixar firme a parte interna da coxa? Abdutora vai queimar o meu culote? Exercícios de tríceps são mesmo eficazes para eliminar o “tchauzinho”? E os abdominais podem eliminar a barriga? 

Tudo isso funciona ou não?

▶NÃO! Tudo isso funciona para fortalecer os respectivos músculos, porém não existe relação direta entre fazer tais exercícios e perder gordura na mesma região. O exercício não promove queima de gordura de forma localizada, é um processo sistêmico! Se você está investindo seu tempo nas estratégias acima, pensando em perder gordura nas respectivas regiões, você está perdendo tempo!
Então só com aeróbio mesmo?

▶Também não! Na verdade o aeróbio de baixa/moderada intensidade está longe de ser a estratégia mais eficaz. Como a maioria das pessoas ainda segue as ideias acima, associadas a uma alimentação restrita, é natural que as pessoas não alcancem bons resultados.

aerobica x musculação
Tenho que me contentar em ter essa gordura pra sempre?

▶Não! Se você fizer a coisa certa, as chances de ter bons resultados é bastante grande!

O que devo fazer?

▶ O correto é adotar uma estratégia que promova ganho de massa muscular e perda de gordura. Isso ocorre através de um programa de treino bem planejado, com treinos de alta intensidade e descanso adequado, associado a uma boa alimentação.

Eduardo Fernandes é formado pela Universidade de São Paulo. É personal trainer, dá dicas de treino e saúdea e também oferece consultoria online. Contato: edufernandes.personal@gmail.com

 

 

Saúde, mulher, saúde!

Beautiful Female Body
Beautiful Female Body

Novidades por aqui!

Agora o Blog Mulheres de Quarenta terá um espaço dedicado especialmente para a saúde, em especial, para as mulheres da nossa faixa etária.

Qual a atividade física mais recomendada para você?

Dicas de alimentação saudável, dietas funcionais e muito mais.

O professor de Educação Física e personal Edu Fernandes será nosso colaborador e ajudará nisso.

E mais, você vai ficar por dentro das últimas novidades sobre tratamentos estéticos, cirurgia plástica, produtos inovadores, vitaminas, e muito mais para você.

Tudo para você viver melhor, com mais saúde, e claro, muito mais bonita e feliz.

Confira!

 

 

Add to cart
AN